2009/06/23

Comentário de João 14:28

Ouvistes o que eu vos disse,… Cristo não apenas disse que ele se apartaricomentario biblico, evangelho de joão, novo testamentoa deles por um pouco de tempo, mas também que ele deveria voltar de novo a eles, e confortá-los com a sua presença e recebê-los a si mesmo, para estar na casa do Pai para sempre: e isso ele sugere novamente.

Eu vou embora, e venho novamente a vós;... De forma que eles não deviam ter razão para se afligirem e ficarem amedrontados, como estavam eles: tendo ele dito apenas que deveria ir embora, sem dar qualquer sugestão da sua vinda novamente, eles poderiam ter estado bem perturbados; o mesmo que aconteceu aos amigos do Apóstolo Paulo, que ficaram tão triste à partida dele, porque ele tinha dito que eles não veriam mais a sua face;
[1] mas Cristo assegurou os seus discípulos de que em pouco tempo eles deveriam vê-lo novamente, para a alegria indizível deles e conforto:

Se me amásseis,

Exultaríeis;... Não que os seus discípulos não amaram Cristo verdadeiramente, pois a preocupação deles pela perda da sua presença corporal é uma prova disto; nem era o desconhecido do amor a ele, nem ele questiona isso, só corrige, ou, antes, usa os meios para aumentá-lo, para exibi-lo mais corretamente, que poderia mover e poderia correr em um próprio canal; eles o amavam, e então estavam poucos dispostos a se separarem dele, mas esta não era uma pura expressão do amor a ele, pois mostrou para muito mais uma consideração para eles mesmos, que para o objeto do seu amor; ao passo que tinham eles considerado as coisas corretamente, visto que era para a sua maior vantagem se remover, eles deveriam ter descoberto uma aceitação para isto, e alegria nisto; nisso teriam mostrado puro amor e afeto imparcial a ele: duas razões nosso Senhor dá do porque eles deveriam ter se alegrado da partida dele; uma é...

Porque,… Diz ele,

Eu disse: eu vou para o Pai: Que não só era dele, mas o Pai deles também; e cuja mão direita ele se sentaria, uma honra que nenhuma mera criatura já teve; onde ele seria glorificado e seria exaltado acima de todos os seres; e, além disso, a glorificação dele afiançaria e seria trazida a eles; tão seguro quanto ele viveu em glória, tão seguramente devem eles; sim, eles deveriam se sentar em lugares divinos nele, como o cabeça deles e representante, e então deveriam ter boas razões para se alegrarem com a sua saída: e outra é...

Porque meu Pai é maior do que eu: Não com respeito à natureza divina, que é comum a eles dois e em qual eles são um; e o Filho é igual ao Pai, enquanto tendo a mesma essência, perfeições, e glória: nem com respeito a personalidade, o Filho é igualmente uma pessoa divina, como é o Pai, embora, na pessoa, normalmente seja chamado o primeiro, o outro a segunda pessoa; ainda esta prioridade não é de natureza, que é a mesmo em ambos; nem de tempo, pois uma pessoa não existia antes da outra; nem de causalidade, pois o Pai não é a causa da existência do Filho; nem de dignidade, pois uma pessoa não tem nenhuma excelência que esteja faltando na outra; mas de ordem e maneira de operação: estas palavras serão entendidas, ou com respeito à natureza humana na qual ele estava indo para o Pai, isto foi preparado para ele pelo Pai, e fortalecido e apoiado por ele, e na qual ele foi feito um pouco menor que os anjos,
[2] e por conseguinte, deve ser inferior ao seu Pai; ou com respeito ao seu ofício como Mediador, no qual ele se tornou o servo do Pai,[3] e foi estabelecido e enviado por Ele, agiu debaixo dele, e em obediência para com ele, e estava voltando para dar conta do seu trabalho e serviço; ou, antes, com respeito ao estado presente dele que era um estado de humilhação: ele foi assistido com muitas aflições e tristezas, e exposto a muitos inimigos, e sofreu uma morte amaldiçoada; considerando que o seu Pai estava na felicidade mais perfeita e gloria, e assim neste sentido "maior", quer dizer, mais abençoado e glorioso do que ele; pois isto não é uma comparação de naturezas, ou de pessoas, mas de estados e condições: agora ele ia para o Pai para participar da sua mesma felicidade e gloria com ele, para ser glorificado com ele, com a mesma glória que ele teve junto com ele antes da fundação do mundo;[4] portanto nesta conta, deveriam ter alegrados os seus discípulos, e não lamentar.


______________
Notas

[1] Cf. Atos 20:38. N do T.
[2] Cf. Hebreus 2:7. N do T.
[3] Cf. Isaías 42:1. N do T.
[4] Cf. João 17:5. N do T.

Nenhum comentário:

Postar um comentário