2009/06/25

Comentário de João 19:5-6

19:5 - Então saiu Jesus fora,… Fora do salão do julgamento, ou lugar oncomentario biblico, evangelho de joão, novo testamentode ele tinha sido açoitado, assim que Pilatos tinha dito essas palavras:

Vestindo a coroa de espinhos, e o manto de púrpura;... Com os lados de sua cabeça arranhados e com a espinhosa coroa, e o sangue correndo a partir daí para baixo, e seu rosto e os olhos inchados com os golpes que ele tinha recebido de seus punhos fechados, e todo o seu próprio sangue espalhado pelo rosto, e os cuspes dos soldados; o seu corpo parecendo ser quase da mesma cor com o manto de cor púrpura ou escarlate, através das listras das chicotadas que ele havia recebido, quando esse foi lançado e maltratado de todas as formas.

E Pilatos disse-lhes: Eis o homem;... E não seu rei, o que teria provocado eles; embora ele tivesse dito isso mais tarde, quando viu que ele não podia prevalecer sobre eles para chegar a um acordo para a sua libertação, mas, o homem, para mover a sua compaixão; significando que ele era um homem assim como eles eram, e que eles deveriam tratá-lo como tal, e tratá-lo com a humanidade e piedade; e que ele era um pobre homem desprezível, como a condição em que ele estava mostrava; e que era uma coisa fraca neles, que não deviam temer nada com relação a qualquer acusação dele, ou influência no governo civil, que uma pessoa como esta poderia mostrar, e, portanto, deveriam estar satisfeitos com aquilo que tinha sido feito para ele, e deixá-lo ir.

19:6 - Quando os principais sacerdotes, portanto, e oficiais, viram-no,... Nesta triste condição, na sua roupagem escarnecedora, e com ele em todas as marcas cruéis de maus tratos, o suficiente para ter movido um coração de pedra: e embora eles fossem os principais homens do sacerdócio, e que faziam grandes pretensões a religião e a piedade, e os agentes foram os seus servos e atendentes, e todos eles utilizados para serviços sagrado; o que podia ter sido pensado, pelo menos, que isso teria influenciado-os para o exercício de humanidade e compaixão para com um semelhante; mas, em vez de serem afetados com esta visão, e forjados por isso, terem acordado com a sua libertação, como Pilatos esperava.

Eles clamaram, dizendo: crucifiquem-no, crucifiquem-no;… O que foi feito de uma maneira muito barulhenta e clamorosa; e a repetição da petição mostra a malignidade deles, veemência e impaciência; e é notável que eles devessem clamar por isso, e desejarem esse tipo de morte que as Escrituras tinha apontado, que o Messias devia morrer, e que foi predito pelo próprio Cristo.

Pilatos disse-lhes, leve-o vós, e crucifique-o, pois eu não encontro nenhuma falta nele. Isto não era para deixar ser feito, devido a razão que ele mesmo deu, em que a inocência de Cristo é de novo afirmada; nem os Judeus tomaram isso nessa luz, como é evidenciada na resposta deles; e é claro que, que depois disso Pilatos pensou que ele tinha um poder para livrar ou crucificá-lo; e ele, depois, buscou livrá-lo; E os Judeus pediram para que o crucificassem; sobre a qual ele foi entregue para ser crucificado: mas isso foi dito de uma maneira de indignação, e como abominando a ação; e é uma concessão irônica, e um sarcasmo amargo sobre eles, que homens que professavam tanta religião e santidade, pudessem ser culpados de tal iniquidade, a ponto de desejarem a morte de alguém em que falta alguma poderia ser achado; e, portanto, se tais eram as suas consciências, pela sua parte, ele desejou não ter parte alguma com tal ação injusta; mas, se ele iriam fazer isso, então eles deviam fazer isso por eles mesmos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário