2009/12/21

Cristologia da Carta aos Filipenses

CRISTOLOGIA DA CARTA AOS FILIPENSES

por Gerald F. Hawthorne

CRISTOLOGIA, CARTA AOS FILIPENSES, ESTUDOA preeminência de Cristo permeia a Carta aos Filipenses, não de qualquer forma, em uma estrutura formal, mas em quase todos os comentários, o apóstolo faz assim, mesmo no mais simples deles. Aparentemente a totalidade do pensamento de Paulo é afetada pelo poder e presença de Cristo que tinha mudado a sua própria vida tão radicalmente (cf. 1:21; 3:4b-10) e, portanto, tudo o que ele escreve, cada conselho que ele dá, cada palavra de encorajamento que ele oferece, ele faz em nome de Cristo e na realidade da sua presença viva.

Apesar de “Jesus” ter sido o nome dado a esta pessoa especial por um anjo (Mt 1:21), e utilizada com tanta frequência nos Evangelhos, Paulo não está disposto a usá-la, pelo menos, não apenas ela. E não é que ele faça isso em sua carta aos Filipenses, exceto uma vez, em um hino que ele pode estar citando (2:6-11; ver esp. V. 10). “Cristo” é a designação que Paulo prefere usar quando fala ou escreve sobre esta pessoa mais importante na sua vida. Talvez seja porque esta palavra “Cristo” (gr. Christos; hb. Messiah), que significa “Ungido”, carregando em si as esperanças e os sonhos daquelas gerações antes dele – e sonhos que agora, finalmente, tinham chegado a realização.

A palavra “Cristo” foi uma denominação antiga para quase qualquer pessoa escolhida por Deus e equipada para fazer o trabalho especial de Deus no mundo (1 Sam 16:1-3; 1 Crônicas 16:22, Isaías 45:1). Davi, um “homem segundo o coração de Deus”, era o “Cristo” de Deus neste sentido, como foram os descendentes régios que o sucederam (2 Samuel 22:51, Salmo 89:35-36). Mas quando a monarquia davídica, eventualmente, foi derrubada e Israel estava em desordem, uma promessa veio de um futuro rei, um maior descendente de Davi, a excelência de Cristo, cuja regência seria infinitamente justa (Isa 9:6-7; 42:1 -- 4; Ezequiel 34:23-24). A história obscura de Israel tornou-se mais clara com esta esperança de tal libertador, um rei poderoso, filho de Davi, ungido com o Espírito, um rei cujo reino seria grandioso, um reino eterno de bondade e de justiça (Isaías 11:1-5).

O que era diferente nos escritos do Novo Testamento, os do Antigo Testamento e na literatura entre os Testamentos, é que o Messias, o Ungido do Senhor, que estava para vir, tinha vindo e podia ser identificado. Ele era Jesus (Lc 1:31-33). Mas, ao contrário das expectativas, ele não era um guerreiro-rei, que instituiria o seu governo pela força das armas, trazendo libertação política de Israel do poder opressor dos invasores estrangeiros. E, por esta razão, a sua vinda foi ignorada e rejeitada por muitos. Pelo contrário, Jesus foi o humilde servo de Deus, o Ungido do Senhor, enviado não só para Israel, mas para o mundo, para lhes mostrar a Sua força por sua fraqueza, o Seu poder para salvar as pessoas, não de Roma, mas da morte, pela Sua própria morte em uma cruz; sua habilidade não era apenas de inverter nas forças destrutivas do imperador, mas do Maligno, por sua ressurreição dos mortos. Ele era o ungido de Deus, o “Cristo de Deus” por excelência!

Paulo passou a entender tudo isso como resultado de ter encontrado o vivo, e ressuscitado Cristo na estrada de Damasco, que, em um momento, o havia transferido do reino das trevas, e o libertado do poder do mal, salvo do seu pecado, e lhe dado vida, em vez da morte. Foi essa mensagem, então, que ele pregou aos Filipenses: a ação de Deus para salvar o mundo através de Cristo, o tão esperado Messias (1:15-18, 27; 3:9, 18). Paulo é tão tocado pela majestade, o amor, bondade e misericórdia de Cristo que não vê qualquer motivo para sua existência, exceto de “existir para Cristo” (1:21).

Embora Paulo seja relutante em usar o nome “Jesus” por si só, não obstante, ele o conecta frequentemente com o título “Cristo” (1:1, 6, 8, 11, 26; 2:5, 21; 3:3, 12, 14; 4:7, 19, 21). Neste nome combinado, ele deixa claro para seus amigos em Filipos que o tão esperado libertador, e aguardado Salvador, a esperança do antigo Israel e do mundo, o Messias, era Jesus de Nazaré.

E este “Jesus Cristo” que ele prega é também Senhor (1:2, 3:8, 4:23), declarado assim pelo próprio Deus (2:11). Pela vontade do próprio Jesus Cristo, em humilhar-se, em derramar-se pelo outros, em obedecer à vontade do Pai, até mesmo ao ponto de aceitar a morte, por causa desta atitude e ação de sua parte, Deus o exaltou soberanamente e lhe deu o nome que está acima de todo nome, sendo “Senhor”, de modo que, neste nome se dobre todo joelho em reverência e temor (2:6-11). “Senhor", então, é o título que Paulo coloca que melhor corresponde quem é Jesus Cristo. É o título na qual a primeira igreja foi estabelecida (Atos 2:32,36) e que Paulo também opta por utilizar (Filipenses 1:2, 14; 2:11, 24, 29, 3:1, 8, 4:1 , 2, 4, 10, 23). Por que ele é capaz de dizer que Jesus é divino, que Ele compartilha a própria natureza de Deus (2:6-11: “Senhor”, no Antigo Testamento, era a palavra grega que traduzia o hebraico, “Yahweh”, “Jeová”). “Jesus Cristo é o Senhor” torna-se o credo de Paulo, o credo que ele vive.

Como Senhor, Jesus Cristo deve ser servido. Como Senhor, Ele deve ser obedecido. Paulo define todo o curso da sua vida para cumprir essa liberdade de obrigação, e ele incentiva seus amigos em Filipos a fazerem o mesmo. Porque ele sabe que aquele que é o “escravo” de Cristo é aquele que é verdadeiramente livre (Rm 6:17-23).

Gerald F. Hawthorne

Bibliografia

L. Cerfaux, Christ in the Theology of Saint Paul; J. D. G. Dunn, Christology in the Making; G. F. Hawthorne, Philippians; idem, Word Biblical Themes: Philippians; R. P. Martin, Carmen Christi: Philippians 2:5-11 in Recent Interpretation and in the Setting of Early Christian Worship; C. F. D. Moule, The Origin of Christology; P. T. O'Brien, The Epistle to the Philippians; J. Ziesler, Pauline Christianity.


Fonte: Baker's Evangelical Dictionary of Biblical Theology. Editado por Walter A. Elwell.

Nenhum comentário:

Postar um comentário