Mateus 1 — Explicação das Escrituras

Mateus 1

Introdução do Rei (1:1-4:11)

Apresentação por ancestralidade (1:1-17)

(Lucas 3:23-38)

1:1. Desde as primeiras palavras de seu Evangelho, Mateus registrou seu tema e caráter central. Jesus Cristo é o personagem principal na apresentação de Mateus, e o versículo de abertura O conecta de volta a duas grandes alianças na história judaica: a davídica (2 Sam. 7) e a abraâmica (Gn 12; 15). Se Jesus de Nazaré é o cumprimento dessas duas grandes alianças, Ele está relacionado com a linhagem correta? Esta é uma pergunta que os judeus teriam feito, então Mateus traçou a linhagem de Jesus em detalhes.

1:2-17. Mateus deu a linhagem de Jesus através de Seu pai legal, José (v. 16). Assim, esta genealogia traça o direito de Jesus ao trono de Davi, que deve vir por meio de Salomão e seus descendentes (v. 6). De particular interesse é a inclusão de Jeconias (v. 11) de quem Jeremias disse: “Registre este homem como se não tivesse filhos” (Jer. 22:30). A profecia de Jeremias se relacionava com a ocupação real do trono e a recepção de bênçãos enquanto estava no trono. Embora os filhos de Jeconias nunca tenham ocupado o trono, a linha de governo passou por eles. Se Jesus fosse um descendente físico de Jeconias, Ele não poderia ocupar o trono de Davi. A genealogia de Lucas deixou claro que Jesus era um descendente físico de Davi através de outro filho chamado Natã (Lucas 3:31). Mas José, um descendente de Salomão, era o pai legal de Jesus, então o direito de Jesus ao trono foi traçado através de José.

Mateus traçou a linhagem de José desde Jeconias até o filho deste último, Sealtiel, e o neto Zorobabel (Mt 1:12). Lucas (3:27) também se refere a Salatiel, pai de Zorobabel, na linhagem de Maria. O relato de Lucas, então, significa que Jesus era um descendente físico de Jeconias, afinal? Não, porque Salatiel e Zorobabel de Lucas provavelmente eram pessoas diferentes daqueles dois em Mateus. Em Lucas Salatiel era filho de Neri, mas Salatiel de Mateus era filho de Jeconias.

Outro fato interessante sobre a genealogia de Mateus é a inclusão de quatro mulheres do Antigo Testamento: Tamar (Mt 1:3), Raabe (v. 5), Rute (v. 5) e a mãe de Salomão (v. 6), Bate-Seba. Todas essas mulheres (assim como a maioria dos homens) eram questionáveis de alguma forma. Tamar e Raabe eram prostitutas (Gn 38:24; Js 2:1), Rute era estrangeira, moabita (Rute 1:4), e Bate-Seba cometeu adultério (2Sm 11:2-5). Mateus pode ter incluído essas mulheres para enfatizar que as escolhas de Deus ao lidar com as pessoas são todas da Sua graça. Talvez também tenha incluído essas mulheres para colocar o orgulho judaico em seu lugar.

Quando a quinta mulher, Maria (Mt 1:16), foi mencionada na genealogia, ocorreu uma mudança importante. A genealogia repetida consistentemente, o pai de, até chegar a Maria. Nesse ponto Mateus mudou e disse de quem nasceu Jesus. O “de quem” é um pronome relativo feminino (ex hes), indicando claramente que Jesus era o Filho físico de Maria, mas que José não era Seu pai físico. Esta concepção e nascimento milagrosos são explicados em 1:18-25.

Mateus obviamente não listou todos os indivíduos na genealogia entre Abraão e Davi (vv. 2-6), entre Davi e o Exílio (vv. 6-11), e entre o Exílio e Jesus (vv. 12-16). Em vez disso, ele listou apenas 14 gerações em cada um desses períodos de tempo (v. 17). O cálculo judaico não exigia todos os nomes para satisfazer uma genealogia. Mas por que Mateus selecionou 14 nomes em cada período? Talvez a melhor solução seja que o nome “Davi” na numerologia hebraica somasse 14. Deve-se notar que no período do exílio ao nascimento de Jesus (vv. 12-16) surgiram 13 novos nomes. Muitos estudiosos acham que Jeconias (v. 12), embora repetido do versículo 11, fornece o 14º nome neste período final.

A genealogia de Mateus respondeu à importante pergunta que um judeu faria com razão sobre qualquer um que afirmasse ser o rei dos judeus. Ele é um descendente de Davi através da linha de sucessão legítima? Mateus respondeu que sim!

Apresentação pelo advento (1:18-2:23)

(Lucas 2:1-7)

1. SUA ORIGEM (1:18-23)

1:18-23. O fato de Jesus ter nascido apenas “de Maria”, conforme indicado no registro genealógico (v. 16), exigia mais explicações. A explicação de Mateus pode ser melhor compreendida à luz dos costumes matrimoniais hebraicos. Os casamentos eram arranjados para indivíduos pelos pais, e os contratos eram negociados. Feito isso, os indivíduos foram considerados casados e denominados marido e mulher. Eles, no entanto, não começaram a viver juntos. Em vez disso, a mulher continuou morando com os pais e o homem com os dele por um ano. O período de espera era para demonstrar a fidelidade do juramento de pureza dado em relação à noiva. Se ela estava grávida neste período, ela obviamente não era pura, mas estava envolvida em um relacionamento sexual infiel. Portanto, o casamento pode ser anulado. Se, no entanto, o período de espera de um ano demonstrasse a pureza da noiva, o marido iria então para a casa dos pais da noiva e em uma grande marcha em procissão levaria sua noiva de volta para sua casa. Lá eles começariam a viver juntos como marido e mulher e consumariam seu casamento fisicamente. A história de Mateus deve ser lida com esse pano de fundo em mente.

Maria e José estavam no ­período de espera de um ano quando Maria ficou grávida. Eles nunca tiveram relações sexuais e a própria Maria foi fiel (vv. 20, 23). Enquanto pouco se fala sobre José, pode-se imaginar como seu coração deve ter partido. Ele amava genuinamente Maria, e ainda assim veio a notícia de que ela estava grávida. Seu amor por ela foi demonstrado por suas ações. Ele optou por não criar um escândalo público expondo sua condição aos juízes no portão da cidade. Tal ato poderia ter resultado na morte de Maria por apedrejamento (Dt 22:23-24). Em vez disso, ele decidiu se divorciar dela em silêncio..

Então, em sonho (cf. Mt 2:13, 19, 22), um anjo disse a José que a condição de Maria não foi causada por um homem, mas pelo Espírito Santo (1:20; cf. v. 18). O Menino que Maria carregava em seu ventre era um Menino único, pois Ele seria um Filho a quem José deveria dar o nome de Jesus, pois Ele salvaria Seu povo de seus pecados. Essas palavras devem ter trazido à mente de José as promessas de Deus de prover salvação por meio da Nova Aliança (Jr 31:31-37). O anjo sem nome também disse a José que isso estava de acordo com o plano eterno de Deus, pois o profeta Isaías havia declarado 700 anos antes que a virgem ficaria grávida (Mt 1:23; Is 7:14). Enquanto os estudiosos do Antigo Testamento discutem se o hebraico ‘almah deve ser traduzido como “jovem mulher” ou “virgem”, Deus claramente pretendia que aqui significasse virgem (como está implícito na palavra grega parthenos). A concepção milagrosa de Maria cumpriu a profecia de Isaías, e seu Filho seria verdadeiramente Emanuel... Deus conosco. À luz desta declaração, José não deveria ter medo de receber Maria em sua casa (Mt 1:20). Haveria mal-entendidos na comunidade e muita fofoca no poço, mas José conhecia a verdadeira história da gravidez de Maria e a vontade de Deus para sua vida.

2. SEU NASCIMENTO (1:24-25) 

1:24-25. Assim que José despertou desse sonho, ele obedeceu. Ele violou todos os costumes ao levar Maria imediatamente para sua casa em vez de esperar até que o período de um ano do noivado tivesse passado. José provavelmente estava pensando no que seria melhor para Maria em sua condição. Ele a trouxe para casa e começou a cuidar dela. Mas não houve relação sexual entre eles até depois do nascimento desta criança, Jesus. Mateus simplesmente observou o nascimento do Menino e o fato de que Ele se chamava Jesus, enquanto Lucas, o médico (Cl 4:14), registrou vários detalhes em torno do nascimento (Lc 2:1-7).