2019/08/19

Interpretação de Deuteronômio 14

Interpretação de Números 1

Interpretação de Deuteronômio 14



Deuteronômio 14

Obrigações Filiais, 14:1 – 15:23.
Como povo do Senhor, sujeito ao seu serviço e encarregado de remover do seu meio todos os devotos e santuários de ídolos (caps. 12; 13), Israel era uma nação diferente. Isto devia se manifestar através de toda dimensão cerimonial da vida da nação. Em conexão com a morte (14:1, 2) ou vida (vs. 3-21), a prática cerimonial dos israelitas devia refletir sua santidade peculiar. Sua santa consagração também devia ser exibida na consagração do fruto do trabalho de suas vidas ao Senhor seu Deus (vs. 22-29 ).
1,2. Filhos sois do Senhor vosso Deus . . . sois povo santo. Aqui novamente a definição de Êx. 19:5,6 da nação teocrática faz eco (cons. Dt. 7: 6), enriquecida agora com o conceito da filiação (cons. Êx. 4:22). No período do V.T. a ênfase estava sobre Israel como servo e não filho, porque embora a nação de Israel fosse o filho e o herdeiro, ela devia ficar sob governadores até o tempo designado pelo Pai (cons. Gl. 4:1 e segs.). Não vos dareis golpes. Os israelitas não deviam se mutilar como os pagãos costumavam fazê-lo nos rituais de luto (v, 1b; cons. Lv. 19:28; 21:5). A razão especificada é que, na qualidade de povo eleito e adotado por Deus, tinham um status de santidade. E por baixo desta razão estava o fato de seu Deus ser o Senhor da vida e o Criador do homem à Sua imagem.
3. Abominável. As distinções cerimoniais podem às vezes parecer arbitrárias. Tal é o caso da classificação das carnes limpas e imundas nestes regulamentos dietéticos. Porque, embora as explicações higiênicas sejam visíveis em alguns exemplos, não o são em todos. Mas a própria arbitrariedade dessas estipulações fazia delas o melhor dos testes de submissão à palavra soberana do Senhor e um símbolo mais distintivo da consagração a Ele. Lembrava Israel que o homem deve viver de acordo com cada palavra que sai da boca de Deus (cons. 8:3). É a palavra criativa de Deus que dá a todas as coisas a sua definição e significado, e o homem deve interpretar todas as coisas na imitação da interpretação que Deus lhes dá. Sob este aspecto as regras dietéticas mosaicas assemelhavam-se à proibição probatória do fruto da árvore do conhecimento no Éden ou aos arranjos para a provisão do maná no deserto.
4. São estes os animais que comereis. A seção repete quase verbalmente Lv. 11:2-23. Deuteronômio 14:4b, 5 suplementa a formulação levítica e desse modo reflete a origem que Deuteronômio teve no deserto. Pois o habitat dos animais de caça comestíveis especificados era a região das viagens de Israel desde o Egito até Canaã, não o território montanhoso coberto de bosques de Canaã propriamente dita.
21. Nenhum animal que morreu por si. Isto envolve uma modificação de Lv. 17:15. A prática mencionada aqui no versículo 21b (cons. Êx. 23:19; 34:26) foi proibida porque era costume cerimonial dos cananitas.
22. Os dízimo de todo o fruto das tuas sementes. Um dízimo anual do produto da terra devia ser oferecido ao Senhor em reconhecimento ao fato de que a terra era dEle e porque Ele era o doador da vida e da fertilidade. Por causa de variantes entre as estipulações deuteronômica e a anterior referentes aos dízimos (Lv. 27:30-33; Nm. 18:21-32), desenvolveu-se uma opinião entre os judeus (e tem sido aceita por muitos cristãos exegetas) que Deuteronômio prescreve um segundo dízimo e, alguns diriam, até mesmo um terceiro (cons. Deut. 14:28 e segs.; 26:12-15). Deuteronômio 14 não envolve contudo, necessariamente qualquer modificação drástica na primitiva lei do dízimo. Apenas especifica um dizimo sobre a agricultura, embora mencione as primícias dos rebanhos (v. 23; cons. 12:17; 15:19 e segs.). Mas até mesmo Números 18 não menciona explicitamente um dízimo animal. Só Levítico 27 o faz (cons. II Cr. 31: 6). Pode-se, contudo, deduzi-lo de ambos. Números 18 e Deuteronômio 14. De acordo com Nm. 18:21, “todo dízimo” era dado aos levitas. Deuteronômio 14 especifica que com exceção do terceiro e sexto anos (e do ano sabático sem cultura também, é claro; cons. Êx. 23:11), o ofertante deve usar o dízimo – presumivelmente, contudo, uma pequena parte dele apenas – para uma festa fraternal no santuário.
23. Para que aprendas a temer ao Senhor. O propósito desta seção não é tanto fazer uma declaração compreensiva da lei do dízimo para proteger o processo relativo ao dízimo de ser prostituído com fins idólatras; isto é, evitar que Israel homenageasse as divindades cananitas da fertilidade por causa de suas colheitas. A insistência, portanto, era no sentido de que toda cerimônia religiosa associada aos dízimos fosse realizada no santuário central (12:6,11). É necessário que se leve em consideração este propósito particular destes versículos quando fizermos comparações com os regulamentos relativos ao dízimo em outras passagens. (Sobre a razão da permissão dos vs. 24 e segs. veja 12:21.)
28. Ao fim de cada três anos. A associação disto com a legislação sabática de 15:1 e segs., indica que tais anos trienais (chamados em 26:12 de “ano dos dízimos”) eram o terceiro e o sexto anos dentro do ciclo sabático do Jubileu.
29. O estrangeiro, o órfão, e a viúva. Uma modificação menos importante do dízimo imposto à agricultura, de acordo com os interesses da caridade familiar do Senhor na classe pobre, a qual poderia surgir na estratificação social da vida em Canaã, está nesta inclusão de outros dependentes, além dos levitas, para o uso do dízimo do terceiro e sexto anos. Veja Nm. 18:26-32 para a disposição desses dízimos a ser feita pelos levitas.
15:1-23. O fio principal da legislação precedente foi novamente retomado na lei dos primogênitos em 15:19-23 (cons. 14:23). Enquanto isto, os versículos 1-18 desenvolvem o assunto do amor para com os irmãos necessitados, que veio à baila na exposição da maneira como dar o dízimo (14: 27 e segs.). Especificamente, estas estipulações tratam da remissão das dívidas (vs. 1-11) e da manumissão dos escravos (vs. 12-18). Um elemento adicional de continuidade encontra-se na estrutura sabática deste programa de misericórdia (cons. 14:28). 


Índice: Deuteronômio 1 Deuteronômio 2 Deuteronômio 3 Deuteronômio 4 Deuteronômio 5 Deuteronômio 6 Deuteronômio 7 Deuteronômio 8 Deuteronômio 9 Deuteronômio 10 Deuteronômio 11 Deuteronômio 12 Deuteronômio 13 Deuteronômio 14 Deuteronômio 15 Deuteronômio 16 Deuteronômio 17 Deuteronômio 18 Deuteronômio 19 Deuteronômio 20 Deuteronômio 21 Deuteronômio 22 Deuteronômio 23 Deuteronômio 24 Deuteronômio 25 Deuteronômio 26 Deuteronômio 27 Deuteronômio 28 Deuteronômio 29 Deuteronômio 30 Deuteronômio 31 Deuteronômio 32 Deuteronômio 33 Deuteronômio 34


Nenhum comentário:

Postar um comentário