2019/08/19

Interpretação de Deuteronômio 22

Interpretação de Deuteronômio 22

Interpretação de Deuteronômio 22




Deuteronômio 22

a) As Ordenanças Relativas ao Trabalho e Casamento. 22:1-30.
1-4. Legislação semelhante encontra-se no livro da Aliança (Êx. 23:4 e segs.). Lá, está no meio das leis cujo alvo é assegurar uma administração honesta da justiça. A lei de Deus deveria ser obedecida por um homem, mesmo em suas atividades secretas, que estão além do controle dos agentes humanos escolhidos por Deus para garantia da execução da lei. Deuteronômio 22:1-4 poderia assim servir bem como um apêndice à seção precedente sobre a vigência da lei teocrática. Chama-se a atenção para o fato de que as exigências divinas quanto ao nosso relacionamento com o nosso próximo só serão inteiramente cumpridas, quando agirmos em um espírito de amor que vai além da mera guarda da lei para fugir ao castigo, e busca positivamente o bem-estar dos outros como se fosse o nosso próprio. Esta lei do amor é o princípio essencial que as estipulações seguintes aplicam às situações particulares da vida do povo da aliança.
5-12. O homem deve estar cônscio do que, em todo o uso que ele fizer deste mundo, é um mordomo de Deus. Vários regulamentos foram portanto prescritos para os israelitas, a fim de que os lembrassem continuamente, conforme buscassem realizar o programa cultural do reino de Deus (cons. Gn. 1:28), que o mundo é do Senhor, pois Ele é o seu Criador. O homem foi realmente colocado como o rei da natureza, com toda a ordem da natureza sob o seu domínio; mas o papel do homem é o de vice-rei no nome do Criador. A autoridade humana deve, portanto, ser exercida de acordo com o padrão que Deus estipula. É este um princípio fundamental, que sublinha a exigência introdutória desta seção, que a distinção entre o homem e a mulher não deveria ser toldada pela apropriação dos artigos característicos um do outro (Dt. 22:5). Deus os criou macho e fêmea, com naturezas e funções distintas; especificamente, na ordem da autoridade divinamente estabelecida, o homem é a cabeça da mulher quando juntos reinam sobre a terra. O Senhor criou as diversas “espécies” nos reinos vegetal e animal (Gn. 1:11 e segs.). Israel devia tratar essas “espécies” de modo que fossem preservadas suas naturezas distintas (Dt. 22:6, 7, 9.11; cons. Lv. 19:19).
8. Para que nela não ponhas culpa de sangue. O sangue que é a vida do homem, é de significado especial na ordem natural da criação. Falta de cuidado com ele demonstra falta de amor ao próximo e respeito a Deus. Portanto, incorre-se em culpa diante do Criador, mesmo quando acidentes resultantes dessa falta de cuidado não receberem compensação humana.
12. Farás borlas. Como outras estipulações desta seção, o regulamento final, que exigia o acréscimo de borlas às vestes externas, servia para fornecer um lembrete especial da suserania de Deus sobre Israel (cons. Nm. 15:37-41).
13-30. As leis dos versículos precedentes eram para regular a ordenança do trabalho; as leis desta seção serviam para governar a instituição da ordenança do casamento. A santidade da divina instituição da família é portanto o alvo destas provisões.
13, 14. Se um homem casar com uma mulher . . . e lhe atribuir atos vergonhosos. O caso é um marido que acusa a sua esposa de falta de castidade, quer falsamente (vs. 13-19), quer justificadamente (vs. 20, 21). No primeiro exemplo, o maldoso acusador deveria sofrer castigo corporal (v, 18; cons. 25:1-3), pagar uma compensação ao seu sogro por difamar a sua casa (v. 19a) e reter sua esposa, sem mesmo ter a permissão de se divorciar dela (v.19b). No segundo caso, a esposa culpada que “fez loucura” devia sofrer a morte por apedrejamento diante da desgraça da casa de seu pai. Em sociedades onde tais evidências eram legalmente decisivas, costumava-se depois da consumação do casamento guardar os sinais da virgindade da esposa (v. 17). (Sobre a responsabilidade judicial dos anciãos, veja 19:12; 21: 2-6, 19, 20; 25:7-9. Sobre o adultério, punível com a morte, veja 5:18; Lv. 18:20, 29; 20:10).
Os versículos 23-29 referem-se à sedução de moças solteiras, ou comprometidas (vs. 23-27), ou livres (vs. 28, 29). Se a moça fosse comprometida, o homem devia ser apedrejado até a morte. A mesma penalidade era imposta à moça, se a relação sexual ocorresse na cidade (vs. 23, 24); mas não se as circunstâncias permitissem a razoável suposição de que fora forçada – ela não tem culpa de morte (vs. 25-27). O sedutor de uma virgem livre era obrigado a tomá-la por esposa, pagando o devido preço pela noiva e perdendo o direito ao divórcio (vs. 28, 29). Provavelmente os direitos paternos mencionados em Êx. 22:17 continuavam tendo precedência. Com referência a Dt. 22:30; veja Lv. 18:6 e segs.; 20:11 e segs.; Dt. 27:20 e segs. Esta simples proibição representa, como lembrete, toda a lista de vaus de afinidade que se encaixam nesta mesma proibição.
O tema dos capítulos 23-25 é a santificação do reino teocrático. Israel devia respeitar a santidade da congregação do Senhor (23:1-18; Bíblia Heb. 2-19); a santidade das classes especiais de servos de Deus, particularmente os necessitados (23:19 [Bíblia Heb. 20] – 24:22); e a santidade de cada cidadão da teocracia como portador individual da imagem de Deus (25:1-12). 


Índice: Deuteronômio 1 Deuteronômio 2 Deuteronômio 3 Deuteronômio 4 Deuteronômio 5 Deuteronômio 6 Deuteronômio 7 Deuteronômio 8 Deuteronômio 9 Deuteronômio 10 Deuteronômio 11 Deuteronômio 12 Deuteronômio 13 Deuteronômio 14 Deuteronômio 15 Deuteronômio 16 Deuteronômio 17 Deuteronômio 18 Deuteronômio 19 Deuteronômio 20 Deuteronômio 21 Deuteronômio 22 Deuteronômio 23 Deuteronômio 24 Deuteronômio 25 Deuteronômio 26 Deuteronômio 27 Deuteronômio 28 Deuteronômio 29 Deuteronômio 30 Deuteronômio 31 Deuteronômio 32 Deuteronômio 33 Deuteronômio 34

Um comentário: