2019/08/19

Interpretação de Deuteronômio 9

Interpretação de Deuteronômio 9

Interpretação de Deuteronômio 9


Deuteronôminio 9


5) A Advertência das Tábuas Quebradas. 9:1 – 10:11.
Se Israel considerasse Canaã como uma recompensa por sua própria justiça (9:4), seria uma contradição ainda maior das realidades do relacionamento convencional do que a sua presunção em considerar a possessão e prosperidade da terra uma façanha do seu próprio poder (8:17). O conceito de justiça própria é uma tentativa do pecador, que anseia pela autonomia, de libertar-se de Deus exatamente naquele ponto onde a sua necessidade de Deus é mais desesperada – a necessidade do perdão e purificação. Moisés portanto apresentou apaixonadamente a verdade que revela que as promessas e bênçãos do relacionamento convencional pertenciam à Israel por virtude da misericórdia, não por mérito.
Deuteronômio 9
1-5. A ocasião para esta admoestação foi a perspectiva de Israel desapossar um povo reconhecidamente invencível em um ataque e defendido por fortificações aparentemente inexpugnáveis – cidades grandes e amuralhadas até aos céus (v. 1). Sobre os enaquins e outros povos impressionantes, veja 1:28; 4:38; 7:1; Nm. 13:28. A ponta de lança de Israel era, contudo, Aquele que habita nos céus e que faz das mais altas montanhas da terra o estrado dos Seus pés, e que é, além do mais, um fogo devorador (cons. Dt. 4:24; 7:17 e segs.).
4c. Minha justiça. Este é o trágico equívoco sobre os acontecimentos relacionados à conquista, ao qual Israel estaria sujeito a despeito de todos os óbvios fatos históricos e advertências explícitas de Deus ao contrário. A explicação do triunfo de Israel só poderia jazer na maldade dos cananitas de um lado (vs. 4c, 5) e na graça perdoadora de Deus para com Israel do outro (9:6 – 10:11). Veja Gn. 15:16 quanto ao relacionamento entre a iniqüidade dos habitantes de Canaã e o cumprimento das promessas da Aliança Abraâmica.
Investigações arqueológicas têm revelado as profundidades abissais da degeneração moral na sociedade e da religião cananita dentro da era mosaica. A maneira pela qual a aquisição da terra prometida a Israel foi sujeita à eliminação dos cananitas exemplifica o princípio do julgamento redentor. A salvação dos amigos de Deus, necessariamente envolve o triunfo deles sobre os amigos de Satanás. Do ponto de vista dos eleitos, o juízo destes últimos é um juízo redentor (por exemplo, Ap. 19:11 e segs.; 20:9, onde a redenção dos eleitos foi consumada através da ruína das hordas satânicas).
6. A interpretação baseada na auto-justiça que Israel poderia dar à conquista, já fora contestada de antemão por toda a experiência que Moisés tinha com a nação durante os quarenta anos passados (vs. 7, 24). Os israelitas já tinham repetidas vezes demonstrado que eram um povo rebelde, violador da aliança (vs. 6-17, 21-24). Haviam sido poupados e preservados no relacionamento convencional com Deus apenas por causa da misericordiosa renovação da aliança violada (10:1-11) em atenção à importuna intercessão mediatorial de Moisés (9:18-20, 25-29).
8. Em Horebe tanto provocastes à ira do Senhor. O exemplo clássico da infidelidade de Israel aconteceu no exato momento em que a aliança estava sendo solenizada no Horebe (9:8 e segs.; cons. Êx. 32). Israel acabara de jurar fidelidade a Deus e votar obediência aos Seus mandamentos (Êx. 24). Realmente, foi enquanto o Senhor estava no próprio processo da inscrição do tratado nos documentos de pedra em duplicata, durante a primeira estada de Moisés de quarenta dias e quarenta noites no monte, que Israel violou a aliança comprometendo-se com a idolatria. Naquela hora a ira de Deus acendeu-se e Israel chegou a ponto de ser aniquilada – Deixa-me que os destrua (v. 14; cons. 19a). Até onde o mérito estava envolvido, Israel não merecia herdar o fruto de Canaã, mas cair sob o anátema junto com os cananitas desapossados. A maneira como Moisés lidou com as tábuas do tratado – e as quebrei ante os vossos olhos (v. 17) – e com o bezerro de ouro (v. 21) era símbolo da destruição da aliança. Tal procedimento ritual se evidencia nos antigos tratados públicos em relação à violação do juramento feito pelo vassalo.
22. Também em Taberá, em Massá e em Quibrote-Hataavá. Outros exemplos de Israel provocando a ira de Deus precederam e seguiram-se ao dia da assembléia no Sinai (Êx. 17:2-7; Nm. 1) até que a sua perversidade em Cades-Barnéia (Dt. 9:23; cons. 1:26 e segs.; Nm. 13; 14) desencadeou o veredito do exílio até a morte para a geração mais velha.
Mais de uma vez o juízo foi desviado pela intercessão de Moisés. Neste aspecto do ministério de Moisés, mais notável do que qualquer outro, sua mediação prefigurava a mediação antitípica de Cristo, que também “intercedeu pelos transgressores” (Is. 53:12). Quando no Sinai Deus ameaçou riscar o nome de Israel e ofereceu-se para exaltar os descendentes de Moisés fazendo deles uma nação da nova aliança (Dt. 9:14; com. Êx. 32:10), Moisés cumpriu fielmente com o seu papel de mediador em benefício de Israel e não agarrou a oportunidade de se tornar um segundo Abraão. Na verdade, ele se ofereceu como um segundo Isaque sobre o altar. Moisés rogou que, se devia haver um riscar de nomes, em vez de se fazer uma exceção no julgamento, ele poderia ser o riscado para que o perdão fosse concedido aos outros (Êx. 32:32). “Tê-los-ia exterminado... se Moisés, seu escolhido, não se houvesse interposto, impedindo que sua cólera os destruísse” (Sl. 106:23). A intercessão à qual se refere Dt. 9:18,19, 25-29 (cons. 10:10) foi feita durante o segundo período de quarenta dias que Moisés esteve na montanha.
Tem-se encontrado dificuldades no fato do conteúdo da oração de Moisés, em 9:26-29, corresponder à que foi registrada em Êx. 32:11-13, pois tem-se presumido que esta última se refere aos primeiros quarenta dias de Moisés diante de Deus. Na verdade, Êx. 32:11-14 é um sumário introdutório da narrativa que vem a seguir, a qual abrange o segundo período de quarenta dias. A seqüência cronológica imediata é de Êx. 32:10 a 32:15, conforme se reflete em Dt. 9:14, 15. A narrativa do Êxodo de 32:30 – 34:29 possivelmente se refere ao segundo período de quarenta dias e sua seqüência, e não aos acontecimentos precedentes; o arranjo, conforme acontece com freqüência na narrativa hebraica (cons. Dt. 9 mesmo), subordina a estrita seqüência cronológica aos tópicos. Pois ainda esta vez (9:19; 10:10) é a melhor tradução, dando a gam seu mais freqüente sentido enfático.
A ira particular de Deus contra Arão (v. 20), não mencionada na narrativa do Êxodo, foi citada aqui para demonstrar como Israel era completamente destituído de mérito e como dependia da misericórdia – até o seu sumo sacerdote era um tição arrancado do fogo. A mesma verdade revela-se nas razões da intercessão de Moisés (vs. 26-29).
27. Lembra-te . . . Abraão, Isaque e Jacó. Ele rogou por uma suspensão do juízo apesar da maldade e teimosia de Israel (v. 27b) e com base apenas no interesse de Deus preservar seu próprio nome entre as nações da terra. Deus já há muito tinha declarado seus soberanos propósitos de juízo redentor e identificara este programa com Sua maneira de tratar Israel e o Egito.
28b. Não tendo podido . . . introduzi-los na terra. Se agora destruía Israel, mesmo se não violasse assim Sua aliança e cumprisse fielmente Suas promessas feitas aos patriarcas (cons. 9:14), tal procedimento estaria sujeito a má interpretação. O significado da poderosa revelação do nome de Deus no juízo e na salvação durante o Êxodo ficaria obscurecido e o temor dEle sena diminuído por desrespeito, o que seda mal interpretado como fraqueza.
10:1-11. A renovação da aliança depois da idolatria de Israel no Sinai foi, portanto, devida somente à graça divina. Parte da cerimônia da renovação foi a preparação das duas novas tábuas do tratado. Veja Êx. 34:1-4a, que possivelmente pertence cronologicamente entre 32:29 e 32:30. Do mesmo modo, Dt. 10:1a precede em tempo 9:18 e segs. e 9:25 e segs. Há uma negligência posterior de distinção cronológica dentro de 10:1-5, pois a menção da construção da arca como depósito das tábuas de pedra está interligada com a narrativa do talhamento e gravação deste segundo jogo do texto do tratado. Foi realmente depois do segundo período de quarenta dias que Moisés mandou Bezalel construir a arca (Êx. 35:30 e segs.; 36:2; 37:1) e foi, é claro, algum tempo depois que Moisés colocou o testemunho dentro da arca (Êx. 40:20) e então pôs a arca no Tabernáculo (Êx. 40:21).
A maneira condensada e resumida de Dt. 10:1-5 reflete a exigência encontrada nos tratados internacionais de suserania que os textos da aliança em duplicata fossem depositados no santuário de ambas as partes convencionais, a fim de que assim ficasse sob a vigilância das divindades do juramento. No caso da aliança de Deus com Israel, só havia um santuário envolvido, uma vez que Deus, o Suserano da aliança, também era o Deus que tinha o Seu santuário em Israel. Sendo o propósito de 10:1-5 declarar de maneira compreensiva e geral que Deus tinha misericordiosamente reafirmado a aliança com os vassalos rebeldes, Moisés incluiu a questão da arca como um elemento familiar e integral no processo padrão da ratificação.
Os versículos 6 e 7, aos quais os versículos 8 e 9 pertencem materialmente, constituem uma quebra de estilo. Não temos certeza 1) se esta dissertação originou-se como uma citação lida de um itinerário no decorrer do discurso de Moisés, 2) se ele o inseriu parenteticamente quando escreveu o Livro da Lei, ou 3) se alguém como o autor de Deuteronômio 34 acrescentou-o.
6. Partiram os filhos de Israel. A viagem em vista é aquela na direção sul partindo de Cades que foi registrada em Nm. 33:37 (para as devidas paradas, veja Nm. 33:30-33). Seu filho, oficiou como sacerdote em seu lugar (v. 6c). Os versículos 6, 7 são relevantes ao contexto; pois intensificam mais a graça renovadora da aliança de Deus, fazendo lembrar que o Senhor reinstituiu o sacerdócio de Arão, da tribo de Levi, e continuou-a em Eleazar, filho de Arão, apesar de Sua ha contra o pai (9: 20).
8. O Senhor separou . . . Levi. Cons. Êxodo 28; 29; Nm. 1:49 e segs.; 3:9 e segs.; 4:17 e segs.; 8:6 e segs.; 18:20-24. Esta seção também pode ser considerada como uma elaboração do assunto das tábuas da aliança (Dt. 10:8; cons. v. 5). O tema da intercessão foi concluído em 10:10, 11.
10. O Senhor me ouviu. Cons. 9:18, 19. A viagem à terra prometida, a qual Israel desmerecia tanto, tinha de ser retomada por causa do respeito que Deus tinha pelo Seu próprio nome, o nome que Ele usara no juramento, pois não poderia ter jurado por alguém superior (10:11; cons. Êx. 33: 1 e segs.). 



Índice: Deuteronômio 1 Deuteronômio 2 Deuteronômio 3 Deuteronômio 4 Deuteronômio 5 Deuteronômio 6 Deuteronômio 7 Deuteronômio 8 Deuteronômio 9 Deuteronômio 10 Deuteronômio 11 Deuteronômio 12 Deuteronômio 13 Deuteronômio 14 Deuteronômio 15 Deuteronômio 16 Deuteronômio 17 Deuteronômio 18 Deuteronômio 19 Deuteronômio 20 Deuteronômio 21 Deuteronômio 22 Deuteronômio 23 Deuteronômio 24 Deuteronômio 25 Deuteronômio 26 Deuteronômio 27 Deuteronômio 28 Deuteronômio 29 Deuteronômio 30 Deuteronômio 31 Deuteronômio 32 Deuteronômio 33 Deuteronômio 34


Nenhum comentário:

Postar um comentário