segunda-feira, agosto 06, 2018

Estudo sobre Ezequiel 1:15-28

Estudo sobre Ezequiel 1:15-28

Estudo sobre Ezequiel 1:15-28

A crisólita é uma substância cristalina que refrata a luz e, portanto, seria um bom meio para fazer algo parecer espumante. Cada roda parece ter tido a aparência de um giroscópio, possibilitando a movimentação nas quatro direções sem virar. Portanto, os querubins devem ser capazes de se mover para todos os cantos possíveis da criação de Deus com facilidade e rapidez. Os olhos nas bordas dão ao transporte angélico a capacidade de ver e evitar todos os obstáculos que possam arruinar suas missões enquanto cumprem os mandamentos do Senhor. A mesma energia ou espírito que motivou as criaturas viventes também impulsionou as rodas (versículos 19–21). O movimento de ambos é governado pelo Senhor. Os querubins não partiam em missões e em direções incompatíveis com a vontade de Deus.

Aprofunde-se mais!

A estrutura das rodas não é definida na visão de Ezequiel. Alguns pensaram que seria uma carruagem de batalha, opondo-se ao poder militar de Nabucodonosor. Outros o definiram como uma espécie de trono de carro, como Daniel viu em sua visão (Daniel 7:9). No nível seguinte, acima dessas criaturas mais surpreendentes e majestosas, estava o próprio Senhor, separado dos querubins por uma expansão espumante e gelada. Os efeitos audiovisuais contribuem para o temor que nos vem quando pensamos no Senhor.

A penetrante pureza da santidade do Senhor e o fogo purificador de seu julgamento são novamente óbvios nessa visão do Senhor (versículo 27). E, ainda assim, o esplendor em torno dele era feito do brilho suave de sua graça, como fora enunciado a Noé após o dilúvio pelo arco-íris (versículo 28) - as bênçãos do Senhor seriam infalivelmente dispersas por todas as gerações. O desastre nacional veio do norte. A santidade do Senhor, sua pureza, sua raiva relampejante estava por trás disso. E, no entanto, não subjugou o brilho de suas promessas graciosas. Suas ameaças e até mesmo sua implementação da disciplina nunca removem ou até mesmo diminuem a predominância de seu perdão gracioso.

Devocional: Ezequiel 1 Ezequiel 2 Ezequiel 3 Ezequiel 4 Ezequiel 5 Ezequiel 6 Ezequiel 7 Ezequiel 8 Ezequiel 9 Ezequiel 10 Ezequiel 11 Ezequiel 12 Ezequiel 13 Ezequiel 14 Ezequiel 15 e 16 Ezequiel 17 Ezequiel 18 Ezequiel 19 Ezequiel 20 Ezequiel 21 Ezequiel 22 Ezequiel 23 Ezequiel 24 Ezequiel 25 Ezequiel 26 Ezequiel 27 Ezequiel 28 Ezequiel 29 Ezequiel 30 Ezequiel 31 Ezequiel 32 Ezequiel 33 Ezequiel 34 Ezequiel 35 Ezequiel 36 Ezequiel 37 Ezequiel 38 Ezequiel 39 Ezequiel 40 Ezequiel 41 Ezequiel 42 Ezequiel 43 Ezequiel 44 Ezequiel 45 Ezequiel 46 e 47 Ezequiel 48

Essa visão não pretendia restringir Deus a uma forma tangível. Ezequiel certificou-se de que estamos cientes disso, acumulando frases: “como a de”, “parecia”, “o que parecia ser”, “aparência da semelhança”. Esse tipo de linguagem nos dá o direito de exercitar liberdade para concluir que esses efeitos visuais são simbólicos das diferentes características que sabemos que Deus possui, como acabamos de fazer no precedente. A seção termina com uma reação esperada: Ezequiel caiu em reverência. Então uma voz foi ouvida em seguida. O comentário verbal é necessário para explicar por que Deus apareceu para ele em tal momento e de tal maneira.

Fonte: Kuschel, K. B. (1986). Ezekiel. The People’s Bible (p. 15). Milwaukee, Wis.: Northwestern Pub. House.