2009/07/06

Carta aos Filipenses

Carta aos Filipenses
A Carta aos Filipenses é o décimo primeiro livro do Novo Testamento, uma carta do apóstolo Paulo aos cristãos da cidade macedônia de Filipos.


Autor

Não há razão suficiente para duvidar da autenticidade desta carta. Temos evidências externas da autoria paulina em parte de Clemente de Roma, e de Inácio, Policarpo e Diogneto. As evidências internas colocam a questão fora de cogitação. O ensino, a língua, o estilo e a maneira de pensar são claramente paulinos. O único argumento promovido contra a autoria paulina baseia-se na referência em 1.1 a “bispos” (episcopois) e “diáconos” (diakonois). Estes ofícios, segundo a teoria, refle tem uma fase posterior no desenvolvimento da igreja. Por isso, a carta não pode ser de Paulo. Mas este argumento não é convincente, visto que sabemos que Paulo nomeava cargos em toda igreja que fundava (At 14.23; 20.17; Tt 1.5). Não está fora do bom senso presumir que estes títulos, que mais tarde tornaram-se tão proeminentes na igreja, já estivessem em uso na ocasião em que esta carta foi escrita, embora sem a significação organizacional posteriormente ligada a eles.

Ainda que a autoria não tenha sido seriamente questionada por estudiosos respeitáveis, alguns duvidam da integridade da epístola, sugerindo que é combinação de duas ou mais cartas. Esta teoria se desenvolveu em vista do fato de que Paulo muda drasticamente de tom no trecho entre 3.2 a 4.3. Certos expositores afirmam que esta porção constitui uma carta separada e inicial escrita logo após Epafrodito ter entregado a oferta da igreja. Segundo esta teoria, as passagens de 1.1 a 3.1 e 4.4-23 foram escritas depois e levadas por Epafrodito em sua viagem de retorno para casa. Esta sugestão é apoiada pelo fato de que a correspondência entre Paulo e os filipenses está implícita, e também pela referência expressa de Policarpo às “cartas” (plural) de Paulo à igreja em Filipos.

Esta teoria, embora faça sentido, não é cabal, visto que podemos explicar adequada mente a mudança de tom de Paulo de maneira mais simples. Em uma carta altamente pessoal como esta, o escritor fala informalmente e sem plano definido. Ele passa rapidamente e, às vezes, abruptamente de um assunto para outro. Além disso, é provável que Paulo esteja respondendo ponto por ponto a carta ou cartas dos filipenses, em cuja missiva eles provocaram tal mudança de humor levantando a questão dos judaizantes ou, talvez, as recaídas dos convertidos gentios (3.2). Não é difícil deduzir que Paulo está usando este método na redação da carta inteira (cf. 1.12ss.; 2.3ss.,27; 4.2,8,15). Não há como fundamentar alegações persuasivas pela referência de Policarpo às “cartas”, visto que o plural às vezes era usado para aludir a uma única composição literária. Portanto, a autoria paulina é praticamente inquestionável, e as evidências são insuficientes para levantar dúvidas sobre a integridade da epístola.


Data e Local

A opinião tradicional é que Paulo estava na prisão em Roma quando escreveu a epístola. Certos expositores rebatem dizendo que ele estava em Efeso ou Cesareia. As duas últimas teorias são censuráveis. Não há como ter certeza de que Paulo estava na prisão em Efeso, embora possamos deduzir de 1 Coríntios 15.30-32 e 2 Coríntios 1.8-10. Mesmo assim, a duração não poderia ter sido longa, e a epístola dá a entender um cati veiro prolongado. Também indica a relação de longo tempo de serviço entre o apóstolo e a igreja em Filipos. Se Paulo tivesse escrito de Efeso, esta relação teria existido somente por três ou quatro anos. Ademais, Paulo se refere ao fato que dentre os que estão com ele só Timóteo está agindo desinteressadamente em tomar parte da preocupação de Paulo (2.20). Tal episódio se mostra improvável em Efeso, visto que alguns dos amigos íntimos de Paulo estavam lá (At 19.31; 20.1). Semelhantemente, demos descartar a teoria de Cesareia.

Sabemos que, em Cesareia, Paulo não estava em perigo imediato de vida. A prisão de Cesareia não justificaria o tom de martírio que caracteriza Filipenses. Obviamente, a interpretação tradicional é a melhor. As referências à “casa de César” (4.22) e à “guarda pretoriana” (1.13) são expressões muito naturais em Roma. Também segundo esta interpretação, a correspondência implícita na epístola tem melhor explicação por causa das ligações estreitas e diretas mantidas entre Roma e suas colônias. Se aceitarmos a prisão romana, a carta foi escrita aproximadamente em 60-61 d.C. Esta data se situa durante o cativeiro de dois anos de Paulo (At 28.16-31), em cujo começo lhe foi permitido morar em casa alugada por ele (At 28.30). A carta foi escrita perto do fim deste aprisionamento, depois que as trocas de correspondência vencessem os quase 1.300 quilômetros que separavam Paulo e seus leitores, e possivelmente após as liberdades que Paulo tinha na prisão fossem grandemente reduzidas.


Composição e Contexto

A igreja em Filipos começou com a pregação de Paulo a um pequeno grupo, provavelmente de gentios “eclesiásticos de Deus”, que se reuniram na margem de um rio para adorar o Deus de Israel (Atos 16:11–13). Como ele escreve aos cristãos de Filipos, Paulo está na prisão sob uma guarda militar (Filipenses 1:7, 13-14) e acredita que suas circunstâncias levarão a sua morte à parte da libertação de Deus (v. 19-26). 2:17). Epafrodito foi enviado a Paulo pelos filipenses com uma oferta de dinheiro e ficou muito doente; tendo recuperado, ele está retornando a eles com a carta de Paulo (vs. 25-30, 4:10, 14-18). Por causa de seu dom e seu relacionamento anterior com Paulo, os cristãos filipenses têm uma parte em seu ministério, que agora consiste não apenas na defesa do evangelho, mas também na defesa legal de Paulo (1:7).

Geralmente se pensa que Filipenses foi escrito enquanto Paulo estava em Roma, conforme registrado no final de Atos (61–63 dC), mas as referências à guarda pretoriana e à casa de César (Fp 1:13; 4:22) fazem não tornar essa conclusão necessária. Outra sugestão, talvez mais provável por causa da maior semelhança de Filipenses com cartas anteriores (Romanos, 1 e 2 Coríntios, Gálatas) do que com as tardias “Cartas da Prisão”, coloca Paulo em Éfeso quando escreveu Filipenses (ca. 55; cf. Atos 20:18-19, 1 Coríntios 15:32, 2 Coríntios 1:8-10). Uma vantagem da hipótese efésiana é que consideravelmente menos tempo precisa ser permitido para as viagens entre a prisão de Paulo e Filipos mencionadas na carta (Filipenses 1:26-27; 2:19, 23-25, 29-30; 4:18). Outra sugestão menos provável é que a carta foi escrita em Cesareia, onde não parece, no entanto, que Paulo estava em perigo imediato de morte (Atos 24:26-27).

Alguns estudiosos consideraram Filipenses como um documento composto por causa das súbitas mudanças de tom e assunto em Phil. 3:2; 4:10 e a transição repetida para as exortações finais (3:1; 4:8). Alguns concluíram que a mais antiga de duas letras é representada por 3:2 (ou 3:1b) -4:23 e uma carta posterior (que menciona a anterior em 2:26) por 1:1–3:1 (a ). É também por vezes afirmado que uma polêmica não-paulina foi interpolada no material paulino, começando em 3:2 e se estendendo até o v. 16, v. 19, ou no capítulo 4. Um fragmento de uma carta curta anterior reconhecendo o dom dos filipenses é vista por alguns em 4:10-20 (ou v. 10-23). Um grande número de estudiosos, no entanto, considera os filipenses como uma única composição de Paulo.

A carta fala de três diferentes situações inter-relacionadas, a de Paulo, a dos cristãos filipenses, e a da ameaça representada pelos falsos mestres.


A. Paulo na Prisão 

Paulo é confiante e positivo sobre suas próprias circunstâncias por causa de sua crença de que Deus realiza sua vontade em quaisquer circunstâncias que possam surgir. Ele não sente pena de sua própria prisão, embora permita a livre operação de pregadores que se opõem a ele. (1:15–17) ambos estão sendo vigiados e a pregação por outros, apesar de seus motivos, levou a que Cristo seja ouvido por mais pessoas (vs. 12-14, 18).

Paulo está ciente de que seu caso pode levar à morte, mas ele espera que ele seja libertado por causa das orações dos filipenses e porque é assim que Deus pode melhor realizar seus propósitos (vs. 19, 24-26). Isto é verdade, embora Paulo preferisse morrer porque sua morte seria sua introdução na presença de Cristo (vv. 21-23). Mas ele permanece confiante de que, se ele vive ou morre, Cristo será glorificado (v. 20; cf. v. 27; 2:17). Ele pede aos filipenses que se juntem a ele em regozijo pela sua situação (v. 18). No entanto, embora seja grato por sua assistência financeira, ele se recusa a basear sua capacidade de continuar funcionando com o que é fornecido em suas circunstâncias externas (4:11-13).


B. Os cristãos filipenses 

Muito do que Paulo diz sobre a situação dos cristãos filipenses baseia-se na relação afetiva e na partilha de preocupações que tem existido entre eles e Paulo e seus associados, recentemente evidenciados pelo seu dom para ele. Sua habitual ação de graças epistolar (cf. 1Cor. 1:4–9) é focada nesse relacionamento (Fl 1,3-11). É, como foi visto, em parte do ponto de vista dessa relação que Paulo interpreta sua própria situação perigosa (vv. 19-26). Que os filipenses agora também estão sofrendo por causa de sua fé cristã fortalece o relacionamento (v. 29-30). Paulo interpreta seu sofrimento de um ponto de vista escatológico como aquele que leva à sua salvação e à destruição de seus oponentes (vs. 27-28).

Uma característica marcante de Filipenses é a frequente menção de alegria e regozijo. Essa ênfase na alegria está centrada na relação entre os cristãos filipenses e Paulo e seus cooperadores, e na eficácia do evangelho no mundo e nos crentes. Paulo se alegra em relação às suas circunstâncias, porque Cristo é proclamado (1:18) e por causa de sua esperança de que ele será libertado (v. 19). Ele se alegra por causa dos cristãos filipenses [1:4; 4:1) e seu presente para ele (v. 10), e convida-os a se juntar a ele em regozijar-se sobre suas circunstâncias (2:18). Ele quer que eles também se regozijem porque Epafrodito lhes foi restaurado depois de estarem doentes (v. 28-29). Ele exorta-os a “se alegrar no Senhor” (3:1; 4:4). O menino é uma característica da vida cristã que será encorajada entre eles pelo seu ministério com eles (1:25) e será encorajada nele. pelo seu movimento em direção a uma unidade maior (2:2).

Paulo está ciente da fricção entre os cristãos filipenses e insta-os a todo tipo de emoção, atitude e ação que combatam a rivalidade e o conflito (2:1–4, 12–14). Ele nomeia duas mulheres cuja discordância pode ter sido a raiz dos problemas (4:2). Ele reconhece a importância dessas mulheres no trabalho da igreja e pede a uma pessoa não identificada (possivelmente Lucas) para ajudá-las (v.3)
Como parte de sua exortação à unidade e à humildade, Paulo reproduz em 2:6–11 um hino teologicamente rico a Cristo, que pode ou não ter sido composto pelo apóstolo. Sua introdução a este hino (v.5) apela à Cristãos filipenses se apropriam disso como uma lição. A incerteza sobre o modo como essa apropriação deve ser entendida tornou essa uma das passagens mais debatidas nos estudos do Novo Testamento. De acordo com a visão mais provável, Paulo diz aos filipenses que deixem a atitude deles por estarem “em Cristo” - isto é, porque são cristãos - ser a única atitude controladora de sua comunhão juntos. A atitude que eles têm “em Cristo” é determinada pelo curso da experiência de Cristo: como a sua exaltação (vv. 9-11) veio por meio de sua humilhação, os cristãos podem ser pacientes e humildes porque esperam a realização escatológica (cf. 4:5).


C. Os Adversários 

Paulo está ciente de que um falso ensino enfrenta os cristãos filipenses que aparentemente procuram levá-los a uma apreciação da lei de Moisés como o caminho para a justiça e a ressurreição dentre os mortos (3:2-11). Os promotores desse ensinamento aparentemente não são simplesmente mestres do judaísmo ou do cristianismo judaizado, a julgar pela afirmação de Paulo de que “eles se gloriam em sua vergonha” (v. 19); eles podem ter sido libertinos em relação a alguns aspectos da moralidade, embora sejam rigoristas em relação a alguns aspectos da lei.

Sua resposta a esses professores compreende sua ênfase na lei como “confiança na carne” (vv. 3-4). Seu próprio pano de fundo é um terreno maior para tal confiança do que eles podem se orgulhar (vv. 4–6; cf. 2 Cor. 11:16–22), mas ele coloca isso de lado para tal propósito porque a retidão e a retidão são basear-se na fé em Cristo, e não no cumprimento pessoal da lei (Filipenses 3:7- 11).

Paulo quer especialmente que os filipenses saibam que sua própria realização virá apenas com a ressurreição futura. Ele ainda não está aperfeiçoado (vv. 12–13, 20–21). Talvez os falsos mestres ensinassem que a plena perfeição já estava disponível, de modo que não havia necessidade de esperar uma realização escatológica (cf. 1 Coríntios 4:8; 15:12, 23-28; 2Tm 2:18). De qualquer forma, Paulo enfatiza uma compreensão diferente da vida cristã, que não depende simplesmente de um cumprimento já obtido, mas no qual grande energia é gasta para avançar em direção ao objetivo escatológico (Filipenses 3:12-17).


Caráter e Propósito

Esta carta é a expressão espontânea e afetuosa de alguém que quando “se lembra” dos filipenses sente afeição por eles (1.3). Foi escrita como de amigo para amigos. Com a possível exceção de 2 Coríntios e Filemom, este é o mais pessoal e informal de todos os escritos do apóstolo. Vemos a qualidade pessoal da carta no fato de que Paulo usa o pronome pessoal cerca de cem vezes, apesar de Cristo, em lugar do apóstolo, ser constantemente exaltado. Seu caráter informal reflete-se na mudança rápida de Paulo de um tema para outro (2.18,19-25,25-30; 3.1,2,3,4-14,15). Há também a ausência de referência a ele como “apóstolo”, fato que caracteriza todas as suas outras cartas, exceto as duas aos Tessalonicenses e a Epístola a Filemom. “Filipenses é mais calma que Gálatas, mais pessoal e afetuosa que Efésios, menos preocupadamente controversa que Colossenses, mais cautelosa e simétrica que Tessalonicenses, e, claro, mais ampla em suas aplicações que as mensagens pessoais a Timóteo, Tito e Filemom.” A ocasião para a carta é o retorno de Epafrodito a Filipos.

Na qualidade de um dos líderes da igreja, ele tinha levado uma oferta dos crentes filipenses a Paulo na prisão, com instruções para ficar e ajudar o apóstolo em Roma (2.25,30; 4.10-18). Ao cumprir a missão, Epafrodito ficara perigosamente doente. A igreja ficara sabendo da doença e essa preocupação foi comunicada a Paulo. Por isso, ele escreve para agradecer a generosidade dos crentes filipenses (4.14-16) e acabar com a ansiedade que tinham relativa ao bem-estar de Epafrodito, além de lhe assegurar, por causa da sua fidelidade, boa recepção em casa (2.25-30). No geral, um espírito de unidade caracteriza a igreja filipense, ainda que Paulo ache necessário repreender duas senhoras, Evódia e Síntique, para que cheguem a um acordo diante do Senhor (4.2). O propósito primário da carta não é ético; nem é doutrinário, embora o apóstolo ore para que os filipenses cresçam em “conhecimento” e “percepção” (1.9, RA).

Não obstante, existem preceitos doutrinários e morais manifestos e calorosamente entrelaçados. Por exemplo, é no contexto da referência de Paulo a pequenas dissensões pessoais na igreja que ocorre a clássica passagem do “kenose” (2.3-10). Ao mesmo tempo em que adverte contra os judaizantes (ou talvez gentios que tinham caído da fé) e contra a noção de que a perfeição é atingível pelas obras (3.2), ele incentiva que os leitores andem de modo digno da verdadeira “cidadania” que está nos céus (3.17-21), e que olhem para o Dia final de Cristo como o corredor mantém os olhos fixos na meta (3.13,14). Assim, ele entretece habilmente assuntos doutrinários e práticos em um padrão único e perfeito. Denominada “A Epístola das Coisas Excelentes”, Filipenses é bom resumo de tudo que Paulo dissera às igrejas nas suas epístolas anteriormente escritas. Não hesita em sua fidelidade ao “evangelho”, ao qual se refere nove vezes (1.5,7,12,16,27; 2.22; 4.3,15). Umas vinte vezes o autor usa termos como “regozijar”, “ação de graças”, “contentar-se”, “louvor” e assemelhados; e nenhuma delas dependente das circunstâncias externas.

Na realidade, Paulo está experimentando, a despeito do seu futuro incerto, a calma e paz interiores denotadas por esses termos. Neste sentido, a carta pode ser considerada um tipo de “autobiografia espiritual”. A igreja em Filipos fora formada em meio ao cântico de hinos na prisão; e agora, de outra prisão, Paulo escreve com alegria para esta igreja (1.4). Não admira que esta carta tenha sido chamada “carta de cântico, carta de amor”. Trata-se de uma carta de “fé”. Ela personifica a confiança do apóstolo de que, como no caso da fiel igreja filipense, cujas origens foram humildes, as coisas pequenas não serão menosprezadas (1.6).

O trabalho de fé que Paulo fez nesta igreja teve recompensa, conforma mostra a Epístola de Policarpo aos Filipenses, escrita uns 60 anos depois da última visita de Paulo a Filipos. Este documento nos informa que a igreja filipense ainda permanecia firme. A ideia fundamental da carta é “participação” (koinonia, 1.5, BJ; “cooperação”, ACF, AEC, NVI, RA, RC; “ajuda”, BAB). É digno de nota que o termo “pecado”, que causa o rompimento da participação, não seja mencionado uma vez sequer. Os laços mútuos de amor, que une Paulo e esta comunidade cristã não são mero sentimento humano. Ele e eles estão unidos como membros comuns do corpo de Cristo — membros que são “participantes” (ou “cooperadores”, “ajudantes”) no evangelho. Não existe quadro mais maravilhoso da relação entre os genuínos discípulos de Cristo no Novo Testamento do que nesta simples e encantadora Epístola aos Filipenses.

Nenhum comentário:

Postar um comentário