2015/11/05

Interpretação de Mateus 1

Interpretação de Mateus 1

Interpretação de Mateus 1


Mateus 1

A. Genealogia de Cristo. 1:1-17. Esta linhagem de Abraão a Jesus, através dos reis da casa de Davi, tem a intenção explícita de apresentar os direitos de Jesus ao trono de Davi. Ainda que o trono estivesse vago por quase seis séculos, ninguém poderia esperar a devida consideração dos judeus para com o Messias se Ele não pudesse provar sua ascendência real. (Lc. 3:23-38 apresenta outra genealogia, aparentemente a de Maria, para mostrar a verdadeira ascendência consanguínea de Jesus, que também era da família de Davi.)

1. O livro da genealogia. Uma expressão hebraica variadamente compreendida como sendo o título de todo o Evangelho de Mateus, dos dois primeiros capítulos, ou dos dezessete primeiros versículos. Uma expressão semelhante em Gn. 5:1 é bastante ampla para incluir tanto a genealogia como a narrativa entretecida (Gn. 5:1-6:8). 
Jesus é nome histórico; Cristo (o equivalente ao Messias hebraico, “o ungido”) é o título do seu ofício. Os dois nomes não foram geralmente usados juntos como nome próprio até depois da Ascensão. Filho de Davi, filho de Abraão relaciona Jesus com as promessas messiânicas (Gn. 12:3; 13:15; 22:18; II Sm. 7:12, 13; 22:51).

2. A lista começa com Abraão, o pai da raça à qual Mateus escrevia particularmente, e o primeiro a receber a promessa messiânica. Judá e seus irmãos. Ainda que a linhagem passe por Judá (Gn. 49:10), todos os patriarcas eram herdeiros da promessa messiânica.

3-6. Tamar (veja Gn. 38). Não se costumava incluir mulheres nas genealogias dos judeus. Mesmo assim, quatro mulheres foram incluídas (ainda que a ascendência fosse através do homem em todos os casos). Duas foram gentias (Raabe e Rute); três tinham nódoas morais (Tamar, Raabe, Bate-Seba). Essa não seria outra evidência da graça de Deus no seu plano de salvar pecadores? A repetição do título o rei Davi destaca o caráter real desta genealogia.

7-11. Estes versículos mencionam reis, os quais todos também foram relacionados em I Cr. 3:10-16. Depois de Jorão, Mateus omite os nomes de Acazias, Joás e Amazias, e depois de Josias ele omite Joaquim. As omissões sem dúvida são devidas à sua intenção arbitrária de encurtar a lista para dar três grupos de quatorze, talvez para facilitar a memorização. Gerou indica descendência direta, mas não necessariamente uma descendência imediata. Jeconias, filho de Joaquim e neto de Josias, era considerado pelos judeus no exílio como seu último rei legítimo; e as profecias de Ezequiel são datadas com o nome dele, ainda que Zedequias, seu tio, fosse o seu sucessor.

12-16. Salatiel (ou Sealtiel) foi chamado de filho de Jeconias (veja I Cr. 3:17). Isso não contradiz Jr. 22:28-30, pois a ausência de filhos refere-se a filhos reinantes. (A citação de Salatiel como filho de Neri em Lc. 3:27 seria melhor entender-se como sendo outra pessoa, e não o resultado de um levirato.) Deste ponto, os nomes, que não aparecem no VT, devem ter sido derivados dos registros da família de José. É preciso que haja descendentes da realeza para preservação de sua linhagem. De José não se diz que ele “gerou” Jesus, uma mudança digna de nota em relação às expressões anteriores, e uma óbvia indicação do nascimento virginal, que Mateus explica mais adiante. A forma feminina do pronome qual também omite José de implicação no nascimento de Jesus. Essa genealogia faz dele o pai legal de Cristo porque era o marido de Maria, mas nada mais. O notável texto da Versão Siríaca do Sinai, “José de quem estava noiva Maria, a virgem, gerou Jesus”, não pode estar correto, e se pretende negar o nascimento virginal, contradiz-se nos versículos seguintes.

17. Catorze gerações. Este agrupamento triplo arbitrariamente constituído (como o indicam as omissões), deve ser um arranjo de conveniência. Os três períodos da história nacional foram incluídos teocracia, monarquia e hierarquia. A computação de Mateus apresenta um problema porque ele só relaciona quarenta e Um noames. Alguns o resolveriam contando Davi duas vezes finalizando o primeiro grupo e começando o segundo (parece que o próprio Mateus também o fez; v. 17). Outros contam o cativeiro como um item da lista. O problema não tem importância por si.

B. Nascimento de Cristo 1:18-25.
As circunstâncias do nascimento são apresentadas do ponto de vista de José, e alguns dos detalhes têm de ser formados a partir dele (vs. 19 e 20 por exemplo). Se ele já estivesse morto quando o ministério de Jesus começou, como muitos pretendem por causa da ausência do nome, as informações que Mateus obteve devem ter vindo dos irmãos de Jesus.

18. Desposada. Entre os judeus, os votos do casamento se faziam por ocasião do noivado, e sua anulação exigia um divórcio. O costume exigia que houvesse um intervalo, normalmente de um ano, antes da noiva passar a residir na casa do seu marido e para que a união física fosse consumada. Durante esse intervalo Maria achou-se grávida, uma circunstância que costumava ser punida com a morte. (Dt. 22:23, 24). Parece que Maria não explicou a sua situação a José, deixando este assunto delicado nas mãos de Deus. Dificilmente poderia esperar que José aceitasse sua história sem que houvesse uma autenticação divina.

19. Infamar. Em lugar de fazer uma acusação pública de fornicação, com uma possível exigência de pena máxima, José resolveu usar as frouxas leis do divórcio e dar a Maria uma carta de divórcio particular com a acusação declarada de maneira velada. Resolveu deixá-la significa divórcio, não somente a quebra de um compromisso de
casamento. Como ele devia amá-la!

20. Filho de Davi. Este tratamento que o anjo deu a José (Gabriel? Lc. 1:26) é um título principesco. Ainda que José se encontrasse em circunstâncias humildes, era herdeiro do trono davídico que se encontrava vago. A citação do Espírito Santo como agente da concepção de Maria aponta claramente a personalidade distinta deste Divino Ser, e do conhecimento pleno que os judeus comuns tinham dessa Pessoa sem maiores explicações.

21. Jesus provém da expressão hebraica Jeová salva e aponta para o propósito de sua vinda. Seu povo relaciona Jesus às promessas messiânicas feitas a Israel, ainda que a cruz estendesse esta salvação dos pecados também aos gentios.

22,23. A miraculosa concepção seria o cumprimento de Is. 7:14. Se houve um outro cumprimento nos dias de Isaías não se discute nem se sugere. Possivelmente essas palavras foram ditas pelo anjo e assim constituíram um reforço para a fé de José. Emanuel não foi usado como nome próprio de Jesus, mas descreve sua pessoa como o Filho de Deus.

24,25. José consumou o período de noivado levando Maria para viver em sua casa para que Jesus por ocasião do Seu nascimento fosse o seu filho legítimo e herdeiro do trono, Entretanto, ele não a conheceu sexualmente até o nascimento. O enquanto não indica necessariamente o que aconteceu depois. Entretanto, qualquer um deduz logicamente que seguiu-se o relacionamento normal do casamento, a não ser que se pretenda defender a virgindade perpétua de Maria. Mateus revela que não tinha tal inclinação.

Índice: Mateus 1 Mateus 2 Mateus 3 Mateus 4 Mateus 5 Mateus 6 Mateus 7 Mateus 8 Mateus 9 Mateus 10 Mateus 11 Mateus 12 Mateus 13 Mateus 14 Mateus 15 Mateus 16 Mateus 17 Mateus 18 Mateus 19 Mateus 20 Mateus 21 Mateus 22 Mateus 23 Mateus 24 Mateus 25 Mateus 26 Mateus 27 Mateus 28




Nenhum comentário:

Postar um comentário