2019/09/02

Estudo sobre Ezequiel 38

Estudo sobre Ezequiel 38

Estudo sobre Ezequiel 38




Ezequiel 38

IX. GOGUE E MAGOGUE (38.1—39.29)
1) Oráculos contra Gogue (38.1—39.20)
Logo depois de o povo de Israel ser trazido de volta à sua terra, ele é exposto a uma última ameaça: uma horda de agressores do norte do Crescente Fértil, conduzida por Gogue, vai invadir a sua terra para atacar e saquear o povo enquanto este vive pacificamente em assentamentos ainda não fortificados. Os pais de Ezequiel podem ter contado a ele como, pouco antes do seu nascimento, os citas tinham espalhado pânico com uma incursão dessas a partir do norte. Nessa ocasião, no entanto, o Deus de Israel vai vir para defender o seu povo e aniquilar a horda inimiga. A invasão de Gogue não pode ser identificada com nenhum evento histórico; a tentativa de interpretar o trecho com referência a Alexandre, o Grande (cf. L. E. Browne, Ezekiel and Alexander, 1952), naufraga no fato incontestável de que Alexandre e suas tropas não encontraram o seu fim nos “montes de Israel” (39.4).
a) Primeiro oráculo contra Gogue (38.1-13). v. 2. vire o rosto contra Gogue. o nome, embora não a pessoa, é idêntico a Gyges (o assírio e talvez lídio Gugu), fundador da dinastia lídia de Mermnadae (século VII a.C.). terra de Magogue. não pode ser identificado com segurança, e talvez seja derivado de Gogue. A tradição judaica posterior o identificou com a Macedônia. Magogue é alistado em Gn 10.2 entre os filhos de Jafé, junto com MesequeTubal, e, visto que a localização deles é conhecida (cf. 27.13), Magogue provavelmente estava na mesma área geral, talvez no oeste da Ásia Menor (cf. 39.6). príncipe maior. cf. VA; é preferível a “príncipe de Ros” (LXX; assim também a ARA), que complica os dados geográficos ao interpretar o hebraico rôsh (“cabeça”, “principal”) como mais um nome de lugar não identificado, v. 4. Farei você girar, porei anzóis em seu queixo: cf. a linguagem dirigida ao faraó em 29.4, mas a advertência a Senaqueribe em Is 37.29 é um paralelo mais próximo. V. 39.2 com comentário, v. 5. A Pérsia, a Etiópia e a Líbia: se optarmos por ”Paras” (ou “Faras”) no lugar de “Pérsia” (v. nota de rodapé na NVI para “Etiópia” e ”Líbia”), então o autor tinha em mente três grupos africanos (cf. 27.10; 30.4,5), por inesperado que seja encontrá-los apoiando um exército composto principalmente pela Ana-tólia. v. 6. Gômer. i.e., cimérios (assírio Gimir-rai), também alistado como um filho de Jafé em Gn 10.2. No século VIII a.C., os cimérios devastaram a Armênia e enfraqueceram gravemente Meseque e Tubal; depois, de acordo com Heródoto (IV. 12), se fixaram no norte da Ásia Menor. Bete-Togarma: cf. 27.14. Em Gn 10.3, Togarma é filho de Gômer. v. 8. Daqui a alguns anos: uma variante de “nos últimos dias” (cf. v. 16), referindo-se à época da libertação final de Israel (e da queda dos seus inimigos), v. 10. virão pensamentos à sua cabeça: que a invasão é planejada por Gogue não conflita com o fato de ele ter sido levado contra o país por condução soberana de Deus (v. 16,17); os seus pensamentos como também os seus atos são pré-ordenados, v. 11. cidades sem muros: a fortificação predita em 36.35 (cf. 48.30ss) ainda não foi realizada (cf. Zc 2.4). um povo pacífico e que de nada suspeita: como os homens de Laís em Jz 18.7 e os árabes em Jr 49.31. v. 12. na parte central (heb. tabbur, “umbigo”) do território: cf. 5.5 (com comentário); 40.2. v. 13. Sabá e Dedã e os mercadores de Társis: cf. 25.13; 27.22,25; aqui eles são espectadores, e não participantes. (Pode ser uma suspeita injusta essa que atribui a eles a esperança de se beneficiarem dos despojos de Gogue). seus povoados: assim a LXX para o TM “seus leõezinhos” (assim BJ, ARC); a NEB, por emenda, traz “seus principais mercadores”.
b) Segundo oráculo contra Gogue (38.14-23). Os v. 14-16 repetem o conteúdo dos v. 8,9. v. 16. quando eu me mostrar santo por meio de você. que o Deus de Israel usa a oposição dos inimigos do seu povo para tornar os seus caminhos mais conhecidos é declarado ao faraó em Êx 9.16 (cf. Rm 9.17).
v. 17. Acaso você não é aquele...: cf. NEB (seguindo a LXX): “Quando eu falei em dias passados por meio dos meus servos, os profetas [...] foi você que eu ameacei trazer contra Israel”. A referência provavelmente inclui os “assírios” de Is 10.5-32; 31.8,9 e o invasor vindo do norte, de Jr 4.6-29. (Mas para Ezequiel não há dúvida de que Gogue é a ferramenta de juízo divino contra Israel, como foram os invasores anteriores.) De forma semelhante, a denúncia de Gogue foi um precedente para a queda do “último rei do norte” em Dn 11.40b-45, e, nos textos de Cunrã, a queda tanto de Gogue quanto do “rei do norte” é reinterpretada como o extermínio dos de “Quitim” (romanos). A LXX faz de Gogue o líder dos “enxames de gafanhotos” de Am 7.1, tomando-os como símbolos de um exército humano e identificando-os com os gafanhotos invasores vindos do norte, de J1 1.4—2.20. v. 18. será despertado o meu furor. nos versículos seguintes, todas as forças da natureza são mobilizadas contra Gogue (cf. o fogo do céu que consome “Gogue e Mago-gue” do pós-milênio de Ap 20.8,9).

Nenhum comentário:

Postar um comentário