2019/08/30

Explicação de Ezequiel 1

Explicação de Salmos 14

Explicação de Ezequiel 1




Ezequiel 1 

1.1 No trigésimo ano. O livro começa com a data internacional, o trigésimo ano do império da Babilônia, que começou com a dinastia de Nabopolassar (626-605 a.C.). Este levou apenas cinco anos para acrescentar à antiga cidade de Babei os territórios ao seu redor, forçando os assírios a recuar para seu próprio país. Se Ezequiel está usando esta data, 621 a.C. para o início do novo império, estamos no ano 593 a.C., v. 2. Quebar. Um grande canal que irrigava a parte oriental da cidade da Babilônia. É provável que os cativos estivessem sendo usados para completar a construção deste rio artificial.
1.2 Quinto ano de cativeiro. O livro prosseguirá doravante com as datas locais da comunidade judaica. Joaquim foi para o cativeiro em 597 a.C., e, aquela hora, foi para Ezequiel o fim da sua nação, pois os líderes da corte, do templo e do comércio e indústria também foram levados ao cativeiro (2 Rs 24.10-16). Não há dificuldade em fixar a data mencionada aqui como 593 a.C.
1.4 Vento. A visão começa com a vinda de algo parecido, um tipo de furacão que aparece na região, segundo as descrições locais.
1.5 Seres viventes. Estes seres se definem especificamente como querubins no cap. 9 onde se podem procurar as notas explicativas.
1.15 Uma roda. Veja as notas explicativas de 10.9-13.
1.18 E metiam medo. Ninguém sabe ao certo como traduzir esta frase. Seria “tinham raios” ou “tinham algo temível”.
1.22 Cristal brilhante. A descrição da visão do trono de Deus, dada em Ap 4.1-8 menciona este cristal juntamente com os relâmpagos, que devem ter alguma relação com o “metal brilhante” mencionado no v. 4, já que os israelitas usam esta palavra para eletricidade, na língua hebraica moderna. Em Apocalipse vemos que a função dos querubins era glorificar a Deus; aqui revelam a glória de Deus em visões, ali o fazem cantando “Santo, Santo, Santo”.
1.26 Algo semelhante. Esta frase é uma chave para todas as visões aqui descritas. A glória de Deus é grande demais para se conter dentro de qualquer objeto físico, mas nossos olhos fracos, humanos, só podem contemplar coisas terrestres. Por isso é que as coisas eternas de Deus podem ser vistas e descritas pelos homens em termos bem humanos, como algo que existe na terra.
N. Hom. 1.28 Caí. A confiança que o homem tem em si mesmo abala-se perante a revelação da glória divina. Só quando nos humilhamos dessa maneira perante Deus, é que estamos em condições de sermos instruídos por Ele para sermos seus discípulos, e depois, sermos seus mensageiros. Quando reconhecemos plenamente nossos pecados, é que, então, convertidos a Deus, podemos receber a consolação do Espírito Santo que nos põe em pé para daí em diante andarmos nos caminhos de Deus, 2.2. Esta foi a experiência de Isaías (Is 6.1-8); de Daniel (Dn 10.8-12); do apóstolo Paulo (At 26.13-20); e é a de todos os que creem em Jesus (Ef 2.1-10).

Índice: Ezequiel 1 Ezequiel 2 Ezequiel 3 Ezequiel 4 Ezequiel 5 Ezequiel 6 Ezequiel 7 Ezequiel 8 Ezequiel 9 Ezequiel 10 Ezequiel 11 Ezequiel 12 Ezequiel 13 Ezequiel 14 Ezequiel 15 Ezequiel 16 Ezequiel 17 Ezequiel 18 Ezequiel 19 Ezequiel 20 Ezequiel 21 Ezequiel 22 Ezequiel 23 Ezequiel 24 Ezequiel 25 Ezequiel 26 Ezequiel 27 Ezequiel 28 Ezequiel 29 Ezequiel 30 Ezequiel 31 Ezequiel 32 Ezequiel 33 Ezequiel 34 Ezequiel 35 Ezequiel 36 Ezequiel 37 Ezequiel 38 Ezequiel 39 Ezequiel 40 Ezequiel 41 Ezequiel 42 Ezequiel 43 Ezequiel 44 Ezequiel 45 Ezequiel 46 Ezequiel 47 Ezequiel 48


Nenhum comentário:

Postar um comentário