2009/12/18

Teologia do Livro de Mateus

TEOLOGIA, LIVRO DE MATEUS, EVANGELHO, NOVO TESTAMENTO
Ao escrever sua obra, o autor do primeiro Evangelho procurou fazer da vida, ensinos, e obra de Jesus, relevantes para a sua própria comunidade cristã. Porque seu retrato de Jesus é tão completo, somos capazes de falar da “teologia de Mateus”, que significa os ensinamentos de Jesus, tal como apresentado no primeiro Evangelho. Mas, à luz de sua finalidade, a que define o ministério de Jesus, não somos capazes de falar com uma grande dose de certeza sobre a “teologia de Mateus”, no melhor sentido da “teologia”. Gostaríamos de saber muito mais sobre o que Mateus (o autor) acreditava, mas não temos acesso a tais ideias além dos contornos que Mateus deixa como ele apresenta o ministério de Jesus.

Visão Geral. Segundo Wright, Mateus é uma revisão da história de Israel, como é entendida no judaísmo contemporâneo. A história de Israel é bem conhecida: Deus, o Criador do céu e da terra, escolheu Abraão, formou uma aliança com ele, e prometeu manter-se fiel à sua relação de Aliança com Abraão e seus descendentes para sempre (Gen 12:1-3; 13:14-17, 15:1-6, etc). Para esclarecer essa relação de Aliança, o Criador, Deus, deu a Moisés e sua geração a Lei, com seus detalhes específicos para a obediência, sacrifício e regulamentos para a vida social (Ex 20-40). Israel, os descendentes de Abraão, porém, não viveram sempre na fidelidade da Aliança, assim, Deus desenvolveu um sistema de punição ou recompensa, dependendo da fidelidade de Israel (cf. Lv 26). Durante séculos desse padrão do pecado e da obediência, tornou-se conhecido em Israel de que um grande dia estava chegando, um dia em que começaria um potente julgamento sobre o pecado e o clímax de um reinado glorioso do Deus de Israel em Jerusalém. Em anexo a esta expectativa da intervenção de Deus estava a esperança de um Messias pessoal, que levaria Israel (por exemplo, Isa 9:1-6; 11:1-9; Jer 23:1-4; Eze 34; Miquéias 5:1-3; Zc 9:9-10). A esperança da restauração de Israel, da vingança de Israel, e da salvação de Israel, estavam todos interligados no judaísmo do Segundo Templo e desta esperança cresceu a convicção de Mateus, de que a história de Israel adquiriu o seu capítulo conclusivo no nascimento, vida, morte e ressurreição de Jesus, filho de José e Maria. Essa é a implicação da genealogia de Mateus (Mateus 1:1-17).

Em suma, Mateus apresenta a história de Israel a partir de um ângulo radicalmente nova: desde o início (cf. as citações do Antigo Testamento, em Mateus 1:18-2:23) era o propósito de Deus trazer o Messias de Israel para a libertação de Israel (1:21). Este Messias é Jesus, filho de Maria e José (1:18-25). A história agora é diferente: aqueles que seguem Jesus são os verdadeiros descendentes de Abraão e que por si só, apreciam a fidelidade pactual do Deus de Israel. Esta Aliança com Abraão, no entanto, tem sido renovada nos novos acordos da Aliança estabelecida por Jesus (26:26-30).

Assim, a teologia de Mateus é histórico-salvífica, e de orientação cristológica. Quem é este Jesus, segundo Mateus? Jesus é aquele que, como o Messias (1:1), cumpre as expectativas messiânicas do Antigo Testamento e que, como Filho de Deus, traz a salvação de Deus (cf. 3:17, 11:27, 17:5 ; 27:54). Como o Filho de Deus, Jesus ensina a vontade de Deus (5:17-20) e inaugura o reino, obedecendo a vontade de Deus (cf. 3:15, 4:17, 8:16-17; 20:28). No Evangelho de Mateus, o reino dos céus (uma expressão judaica para o reino de Deus) é entendido como o governo de Deus através de Jesus, no poder e justiça, no amor e perdão.

Teologia de Mateus. Há pelo menos quatro perguntas que a teologia de Mateus responde. Quem somos nós? Onde estamos na história e localização? Qual é o problema que enfrentamos? Qual é a solução de Deus para o nosso problema?

Quem somos nós? O Evangelho de Mateus apresenta a resposta a esta questão complexa no mais simples dos termos: nós, os leitores de Mateus e os seguidores de Jesus (4:18-22; 28:16-20), somos a igreja (16:18, 18: 17), o verdadeiro e Novo Israel. Nós somos os verdadeiros sucessores dos descendentes físicos de Abraão (3:7-10), que agora estão gerando os frutos que Deus deseja de seu povo (21:33-44).

O pressuposto dessa resposta é que Israel se manteve muito tempo no pecado, mas Deus, na sua graça, trouxe o Messias para o Seu povo, para revelar a Sua graça e a verdade. Este Messias, através de sua vida, ensinamentos, morte e ressurreição, inaugurou o reino dos céus. Todos aqueles que respondem a Jesus na fé e na fidelidade pactual desfrutam desse reino (4:17, 8:14-17, 16:21, 20:28, 26:29).

Onde estamos nós? Mateus apresenta o novo povo de Deus como um povo que habita um mundo em que esta vida é preliminar a uma vida mais plena, mais gloriosa, que virá quando o Filho do homem aparece na Sua glória (16:28, 25:1-46). Assim, a igreja é o povo de Deus, que participa na longa história de Israel, e está a viver um pouco além da bifurcação na estrada que separava o Israel físico, do Israel escatológico (a igreja). Dito de outro modo, o exílio de Israel termina o seu tempo horrível no nascimento do Messias (cf. 1:11-12 e 1:16-17). Assim, a igreja está no mundo, vivendo na Era do Messias, que inaugura a restauração de Israel, mas ainda à espera (com o resto da história de Israel) a Era final que vem, quando o Filho do Homem aparece para trazer as promessas de Deus para Israel para a Sua consumação.

O que é o nosso problema? O problema de Israel, e, portanto, do novo povo de Deus, é a desobediência de Israel, que está relacionado com o Estado de Roma, como castigo de Deus por desobediência, e, para a Igreja, especialmente, a presença de “ervas daninhas” no meio do trigo (ou seja, a aurora do Reino de Deus, e a presença ainda dos incrédulos e do pecado 13:24-30, 36-43). Evangelho de Mateus deve inferir-se também na letargia moral que parece estar em frente à igreja, portanto, Mateus ressalta a extrema importância na vida justa e o juízo final (5-7, 23; 25:31-46). Assim, o Evangelho aborda o problema de um Israel ainda liderado pelos fariseus, embora, é claro, o Messias de Deus, Jesus, nomeasse os apóstolos como os novos pastores do Israel (9:35-11:1; 23).

Qual é a solução? As palavras de Jesus, citadas no início do Evangelho de Mateus, enunciam a solução: “Arrependei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo” (4:17). Todos em Israel devem agora voltar-se para Jesus, o Messias, neste momento crucial na história, e assim devem abandonar o pecado para seguir a Jesus, assim como os discípulos de Jesus (4:18-22). As implicações do arrependimento e o ato de seguir Jesus são explicados no Sermão da Montanha (caps. 5-7), um sermão que foi registrado por Mateus para apresentar à igreja à procura da Aliança de Deus para o novo povo dEle. Além disso, a igreja deve viver pacientemente em um mundo de sofrimento e aguardar o julgamento de Deus sobre os infiéis líderes de Israel e aqueles que os perseguem (23:1-24:36). Naquele tempo, os apóstolos de Jesus vão reinar (19:28). Mais uma vez, no entanto, esta solução pressupõe a vida e ministério de Jesus: a salvação através de Jesus, o reino de Deus, que veio para o Seu povo. (1:21).


Fonte: Baker's Evangelical Dictionary of Biblical Theology. Editado por Walter A. Elwell.

Nenhum comentário:

Postar um comentário