2015/09/08

Significado de Apocalipse 7

Significado de Apocalipse 7

Significado de Apocalipse 7 



Apocalipse 7

7.1Existem duas visões nesse capítulo: os 144 mil servos de Deus (v.1-8) e a incontável multidão agora no céu (v.9-17). Os quatro anjos parecem ser agentes do Senhor associados aos juízos, e os quatro ventos representam forcas destrutivas de todas as direções.

7.2, 3 — Antes de os juízos serem desatados, Deus prepara os 144 mil de Seus servos para serem selados na fronte. Os selos são sinais de posse ou autoridade, que, nos tempos antigos, eram estampados em documentos pressionando-se um carimbo ou cilindro em um pedaço de argila no local onde o documento era aberto ou fechado. O Altíssimo tem autoridade para abrir qualquer selo que Ele desejar (Mct. 27.66) ou colocar em Seus filhos um selo que ninguém mais pode quebrar (Ef 1.13; 4.30). As duas perspectivas proporcionam confiança e segurança aos crentes. Nesse caso, o selo garante-lhes a preservação durante a tribulação. A identificação deles, como servos de forma declarada (em suas frontes), indica que estão regenerados por meio da fé em Cristo e que confessam sua fé abertamente.

7.4 — O número 144 mil pode ser considerado tanto um numero real como um símbolo de totalidade (12x12x1000), referindo-se a todos que serão salvos (no AT e no NT). A primeira opção e mais provável por causa dos detalhes desenvolvidos nos v.5-8. Os filhos de Israel são entendidos por alguns como agrega, anova Israel (Gl. 6.16), e por outros como a nação de Israel [ou ambos].

7.5-8 — Judá esta em primeiro lugar nessa lista das tribos de Israel porque Cristo, o Messias, e o Leão da tribo de Judá (Ap 5.5; Gn 49.8-10). Rubem e a seguinte, como o primogênito de Jacó (Gn 49.3,4). As tribos de Da e Efraim são omitidas, talvez por causa da idolatria deles no período dos Juízes, ilustrada pelo incidente em Da (Jz 18). Jose e seu filho Manasses estão incluídos, assim como Levi, chegando a 12 o numero das tribos.

7.9, 10 — A grande multidão, além de louvar o Altíssimo e o Cordeiro pela salvação, mais adiante, glorificara a Deus por julgar a Babilônia (Ap 19.1-3) e proclamara as bodas do Cordeiro (v.6,7). Essa multidão de caráter multinacional poderia muito bem representar o fruto evangelístico do trabalho dos 144 mil durante o período de sete anos de tribulação. Em Seu furor, Deus se lembrara da misericórdia. As vestes brancas podem ser as dos crentes vencedores (Ap 3.5,18) ou as dos mártires (Ap 6.11). Palmas eram normalmente agitadas pela multidão em celebrações de vitória (Jo 12.13).

7.11, 12 — A intensificação do cenário de adoração continua na sala do trono celestial (Ap 4; 5) com a adição do elemento das ações de graças (Ap 7.12), aparentemente por causa da salvação da grande multidão (v. 9). Salvação em Cristo e algo pelo qual se deve ser eternamente agradecido!

7.13Um dos anciãos (como ele faz parte da Igreja no céu, sabe a resposta. Compare com 1 Coríntios 13.12) perguntou a João a identidade da grande multidão, evidentemente para chamar a atenção para a natureza básica deles.

7.14 — Essa vasta multidão vem da grande tribulação, referindo-se a hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo (Ap 3.10). Como resultado da grande perda de vidas durante esse período, o martírio e, provavelmente, o meio de escape deles. A tribulação já foi experimentada pela Igreja na época de João (Ap 2.10; At 14-22). No entanto, a grande tribulação, profetizada em Daniel 12.1, será de uma intensidade tão grande, como nunca houve desde o principio do mundo ate agora, nem tampouco haverá jamais (Mt 24.21). Lavaram as suas vestes [...] no sangue do Cordeiro pode indicar martírio, mas e mais provável que se refira a perdão de pecados por meio da fé em Cristo e de Seu sangue derramado (Ap 1.5; 5.9).

7.15 — A grande multidão (v.9) servira ao Cordeiro de dia e de noite. Os 144 mil são descritos mais adiante como os que seguem o Cordeiro para onde quer que vai (Ap 14.4). Servir indica serviço sacerdotal diante do Senhor (Ap 1.6; 5.10). O sacerdócio dos cristãos atingira uma nova fase na presença de Deus no céu. O templo, na verdade, refere-se ao santuário interior do templo, e não ao pátio externo (Ap 11.19). Dizer que Ele os cobrira com a sua sombra significa que viverão em uma tenda. Esse versículo remete a João 1.14. Os crentes que não viram Jesus quando Ele viveu na terra em Sua primeira vinda irão para o céu, onde Cristo habitara entre eles.

7.16,17 — E lhes servira de guia para as fontes das águas da vida lembra o Salmo 23. O Senhor, que e o Pastor no Salmo 23.1, e identificado aqui com o Cordeiro. Tanto o rei Davi quanto a grande multidão (v.9) habitarão na Casa do SENHOR por longos dias (SI 23.6), com Cristo como seu Pastor. As águas da vida explicam por que não se tem sede (Ap 7.16). A água da vida esta disponível livremente a todos que se achegarem a Cristo pela fé (Ap 22.17). A declaração de que Deus limpara de seus olhos toda lagrima significa que não haverá choro, tristeza nem dor na presença do Altíssimo.

Índice: Apocalipse 1 Apocalipse 2 Apocalipse 3 Apocalipse 4 Apocalipse 5 Apocalipse 6 Apocalipse 7 Apocalipse 8 Apocalipse 9 Apocalipse 10 Apocalipse 11 Apocalipse 12 Apocalipse 13 Apocalipse 14 Apocalipse 15 Apocalipse 16 Apocalipse 17 Apocalipse 18 Apocalipse 19 Apocalipse 20 Apocalipse 21 Apocalipse 22

Um comentário:

  1. A Paz de Deus.
    Muito glorioso o comentário e sua Santa interpretação

    ResponderExcluir