2016/08/26

Significado de Apocalipse 16

Significado de Apocalipse 16

Significado de Apocalipse 16 



Apocalipse 16



16.1 — A grande voz vinda do templo é como a voz de Deus, já que nenhum outro ser celestial podia entrar no santuário celestial até que se consumassem as sete pragas dos sete anjos (Ap 15.8).

16.2 — O efeito da primeira taça sendo derramada é uma terrível chaga sobre todos que têm o sinal da besta (Ap 13.16,17). Os egípcios enfrentaram uma aflição parecida durante a sexta praga do êxodo (Ex 9.9-11). Assim como o grande poder de Deus não podia ser negado pelos egípcios e por seus magos (v.ll), assim os infiéis serão incapazes de negar a justiça soberana de Deus à medida que as taças do juízo divino avançarem rapidamente (v.9,11,21).

16.3 — A segunda taça transforma o mar em sangue, assim como a segunda trombeta (Ap 8.8,9). No entanto, apenas um terço do mar foi afetado pela trombeta (v. 8,9). Tal taça traz a morte de toda alma vivente no mar. Esse versículo é parecido com Exodo 7.17-21, no qual o rio Nilo é transformado em sangue; no entanto, o juízo aqui é infinitamente pior devido ao seu alcance global.

16.4 — A terceira taça, como a terceira trombeta (Ap 8.10), tem como objetivo os rios e as fontes das águas. Dessa vez, no entanto, o impacto é mundial (compare com versículos 10,11), e as fontes de água se tornam em sangue no lugar de apenas se transformarem em absinto (v.l 1).

16.5 — O anjo das águas provavelmente é o mesmo que derramou a terceira taça (v.4), e não outro. Como Deus é justo para sempre, Seu juízo sobre os habitantes da terra (v.10) e sobre suas obras violentas e injustas é perfeitamente justo.

16.6 — Deus força os infiéis impenitentes (v.9) que derramaram o sangue do povo de Deus a beber sangue, a fim de vingar a morte dos mártires, como alguns deles pediram em Apocalipse 6.10. Santos são aqueles que estão separados por causa de seu relacionamento comjesus Cristo. Em Apocalipse, os santos podem ser os cristãos em geral (Ap 5.8), ou aqueles crentes enfrentando perseguição e martírio (Ap 13.7). O termo profetas pode referirse a todos os porta-vozes de Deus que foram mortos como resultado de perseguição, ou especificamente às duas testemunhas que profetizaram durante três anos e meio (Ap 11.3-13,18).

16.7 — Em Apocalipse 6.9,10, os santos martirizados clamam a Deus para que Ele mostre a Sua justiça julgando os maus. Como o Senhor está agindo assim agora, os santos afirmam que o Seu juízo é verdadeiro e justo.

16.8 — A quarta taça lembra a quarta trombeta em seu efeito sobre o sol (Ap 8.12). Porém, nessa praga, o calor do sol é intensificado, em vez de ser reduzido.

16.9 — Aqueles que seguiram a besta blasfemam o nome de Deus, assim como a própria besta fez (Ap 13.5,6). Eles não podem argumentar contra a existência ou o poder do Altíssimo, mas, mesmo assim, não se arrependem nem dão glória a Deus (Ap 16.11,21). As boas-novas de Cristo ainda estão em vigor até a iminência de Sua volta (Ap 19.11-21), embora Ele seja rejeitado praticamente por todos os infiéis que ainda estão vivos.

16.10,11 — A quinta taça se concentra contra o trono da besta, aparentemente em relação ao seu reino e à sua autoridade no mundo (Ap 13.7). A frase o trono de Satanás é usada em Apocalipse 2.13 para aludir à cultura satânica em Pérgamo como resultado do predomínio do culto ao imperador naquele lugar. (Todos os outros usos da palavra trono no Apocalipse referem-se ao trono do Senhor.)

A escuridão relatada em Apocalipse 6.12-17 fez com que até mesmo os líderes mundiais temessem a ira do Cordeiro (Ap 6.16). Nesta data mais recente, a besta e seus seguidores ainda blasfemam o Deus do céu e recusam a arrependerem-se das suas obras.

Dores e chagas podem ser, em termos gerais, paralelos ao tormento sofrido pelos afligidos pelos gafanhotos demoníacos durante o juízo da quinta trombeta (Ap 9.5-10). No entanto, é mais provável que as dores se refiram ao abrasamento provocado pelo sol nos versículos 8 e 9, e chagas, aos efeitos da primeira taça (v.2).

16.12-14 — A sexta taça inclui o rio Eufrates, da mesma maneira que a sexta trombeta (Ap 9.14). Os dois juízos lidam com forças militares diabolicamente inspiradas. O exército de duzentos milhões (v.16) matará um terço de toda a humanidade (v.l8); o exército nos versículos de 12 a 14 batalhará contra Deus (v.19-21).

16.12 — Com a água do rio Euf rates completamente seca, a invasão do oriente seria muito mais fácil. Os reis que vêm do oriente são entendidos como os exércitos partas que ameaçaram a metade do império romano oriental, embora qualquer força poderosa da Ásia combinasse com a redação desse versículo.

16.13,14 — Espíritos imundos espalharam palavras de autoridade do dragão (Satanás, Ap 12.9), da besta e do falso profeta — uma trindade diabólica. Haverá grande engano envolvido nos sinais (Ap 13.13,14) que são usados para convencer os reis de todo o mundo a reunirem-se para a batalha contra Deus.

Em Apocalipse 6.15,16, os reis da terra recuam de medo diante do julgamento do Cordeiro. Aqui, os governantes estão dispostos a guerrear contra o Todo-poderoso. A diferença parece ser a confiança deles no poder da besta, já que eles argumentam: Quem poderá batalhar contra ela? (Ap 13.4). A batalha do grande Dia acontece no Armagedom (v.16; 19.17-21).

16.15 — Bem-aventurado indica que essa é a terceira das sete bem-aventuranças em Apocalipse (1.3; 14.13; 19.9; 20.6; 22.7,14). Venho como ladrão relembra o aviso de Jesus aos crentes para estarem vigilantes por causa da hora inesperada de Sua volta (Mt 24.43,44). 

16.16 — O lugar da batalha falado no versículo 14 é o Armagedom, uma palavra hebraica que significa colina de Megido. Alguns acreditam que não é um local real, mas um símbolo da batalha final entre o bem e o mal. 

16.17 — A sétima taça é o clímax de todos os juízos em Apocalipse. Está feito. Esse é o ato final do juízo de Deus antes de Cristo voltar.

16.18 — Um grande terremoto, como nunca tinha havido antes, vai muito mais além das grandes destruições sismológicas ao longo da história e dos recentes terremotos em Apocalipse 6.12; 8.5; 11.13,19.

16.19,20 — A grande cidade da Babilônia (Ap 11.8) parece ser o epicentro do mais destrutivo terremoto que o mundo verá. O tremor parece ocorrer no mundo inteiro, levando destruição às cidades das nações.

A Babilônia não ficou esquecida diante de Deus. Aqui, Ele age de acordo com a Sua promessa anterior, de que a Babilônia cairia (Ap 14-8) e o cálice da Sua ira seria dispensado (v.10). Babilônia, aqui, pode referir-se à reconstrução da antiga cidade, ou ser um nome simbólico para Roma (Ap 17.9). É possível que seja um modo de referir-se a qualquer sociedade humana cheia de orgulho que tente viver separada do Senhor. As clássicas manifestações de rebelião da Babilônia contra Deus são a Torre de Babel (Gn 11.1-9) e o império babilônio sob o comando de Nabucodonosor (Dn 4.30).

16.21 — Saraiva caindo do céu, com cada pedra pesando cerca de 35kg (um talento), seria extraordinariamente destrutivo. Ainda assim, os infiéis blasfemaram de Deus, em vez de arrependerem-se (Ap 16.9,11). A essa altura, aparentemente, o coração deles está tão endurecido, que eles não responderão de forma adequada ao Senhor, independente de Sua demonstração de poder e juízo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário