Significado de Ezequiel 37

Ezequiel 37

Ezequiel 37 é famoso pela visão do vale de ossos secos. O capítulo começa com o Senhor levando Ezequiel a um vale cheio de ossos secos. O Senhor ordena a Ezequiel que profetize aos ossos e, ao fazê-lo, os ossos ganham vida e se transformam em esqueletos completos.

O Senhor então ordena a Ezequiel que profetize ao sopro e, ao fazê-lo, o sopro entra nos corpos e eles ganham vida. O Senhor explica que essa visão representa a restauração de Israel. O Senhor promete trazer o povo de Israel do exílio de volta à sua terra e dar-lhes um novo coração e espírito.

O capítulo continua descrevendo a reunificação dos dois reinos de Israel e Judá, que haviam sido separados desde a época do rei Salomão. O Senhor declara que reunirá os dois reinos e os transformará em uma nação sob um rei.

O capítulo termina com a promessa da presença do Senhor com o seu povo. O Senhor declara que habitará entre eles e será o seu Deus. Ele promete que eles serão seu povo e que nunca mais os abandonará.

Em resumo, Ezequiel 37 é uma visão da restauração de Israel. O capítulo descreve a reunificação dos dois reinos de Israel e Judá, a restauração do povo do exílio e a entrega de um novo coração e espírito ao povo. O capítulo termina com uma promessa da presença do Senhor com seu povo e um lembrete de que ele nunca os abandonará.

Comentário de Ezequiel 37

Ezequiel 37:1-14 Nessa visão dos ossos secos Deus apresenta novamente o método e os meios pelos quais irá restaurar e reconstituir a nação de Israel na terra. A visão ilustra a bênção e a segurança prometidas na aliança de paz e na nova aliança. Nos versículos 1-6, o Senhor apresenta a visão e instrui o profeta; nos versículos 7-10, Ezequiel interage com a visão; e nos versículos 11-14, Deus interpreta a visão.

Ezequiel 37:1, 2 Esse texto remete às experiências passadas de Ezequiel em suas visões (Ez 1.1, 3;2.2;3.12, 14;8.1, 3, 7), embora a palavra visões não conste destes versículos. Esses ossos representam não apenas a morte, e com certeza muitas mortes, mas também o fato de serem deixados ao relento, que era um ato indecente e indigno de acordo com os costumes judaicos. Deixar cadáveres expostos sem serem enterrados até que os ossos ficassem à mostra era uma ideia inconcebível.

Ezequiel 37:3 Tu o sabes. O profeta baseava sua fé completamente no Deus vivo. Normalmente qualquer pessoa diria “não” à pergunta que Deus havia feito. No entanto, Ezequiel não limitava o Senhor; ele sabia que o Todo-poderoso poderia dar vida àqueles ossos.

Ezequiel 37:4 Profetiza sobre estes ossos. As profecias de Ezequiel muitas vezes haviam sido proclamadas a pessoas tão surdas como aqueles ossos velhos e secos.

Ezequiel 37:5 A palavra traduzida como espírito aparece em outros trechos como vento. O fôlego, ou espírito, enviado por Deus aos corpos sem vida simboliza o Espírito Santo (v. 14), que traz renovação, regeneração e renascimento (v. 6, 9; Jo 3.5-8; 6.44; 7.37-39; 16.5-15; Rm 8.9-11).

Ezequiel 37:6 E vivereis. Este trecho não fala a respeito da ressurreição da morte física, mas do renascimento da morte espiritual trazido pelo poder divino. O Salmo 87 é outro texto nas Escrituras hebraicas que trata de renascimento espiritual. A ideia implícita nas palavras de Jesus a Nicodemos em João 3.1-16 era que aquele indivíduo deveria ter conhecido e compreendido o conceito de um segundo nascimento.

Ezequiel 37:7, 8 O forte ruído e em seguida o ajuntamento dos ossos com nova carne deve ter sido uma experiência emocionante para o profeta. Essa é uma ilustração profética do renascimento de Israel (Rm 9 11).

Ezequiel 37:9 O vocábulo hebraico traduzido como espírito é o mesmo que, às vezes, aparece como ventos.

Ezequiel 37:10 Um exército grande em extremo. Os ossos no vale (v. 1, 2) provavelmente davam a impressão de uma terrível derrota militar da qual não houve sobreviventes sequer para enterrar os mortos. Entretanto, agora o exército se pôs em pé.

Ezequiel 37:11-15 Os ossos simbolizam toda a casa de Israel. Essa identificação remete a ilustrações já citadas: (1) àqueles identificados como espiritualmente secos ou mortos (v. 2-5); (2) àqueles identificados como sem esperança aparente de serem ressuscitados como o povo do Deus vivo; e, (3) àqueles descritos como dispersados antes de serem reunidos e edificados (v. 6-10). A ideia central desta passagem é a chegada de um renascimento espiritual para o povo escolhido por Deus mediante a atuação de Seu Espírito (v. 15-28; 36.22-32). O renascimento espiritual avivaria e restauraria milagrosamente os seres humanos para se tornarem como o Senhor havia desejado que fossem desde o início. A mesma sequência ocorre na criação de Adão (Gn 2.7).

Ezequiel 37:16 Um pedaço de madeira. Essa é a última encenação simbólica de Ezequiel utilizando um objeto (Ez4.1, 3.9;5.1).

Ezequiel 37:17-22 Muitos cidadãos do Reino do Norte haviam sido levados para o exílio pelos assírios cerca de 150 anos antes. No entanto, alguns de seus descendentes também retornariam, quando as duas nações novamente se tornariam uma só.

Ezequiel 37:22 A expressão montes de Israel representa a Terra Prometida (Ez 36.1-7, 12). O rei se refere ao governante futuro, o Messias prometido, também chamado de Pastor, Servo e Príncipe (v. 24, 25;7.27;34.11-31; Jo 10).

Ezequiel 37:23 O vocábulo hebraico traduzido como lugares de sua residência aparece como desviar em alguns manuscritos antigos. Em hebraico, as duas palavras diferem uma da outra pela posição de apenas uma letra.

Ezequiel 37:24, 25 O título meu servo Davi se refere ao Messias e Rei que viria da linhagem de Davi para salvar Israel (v. 22; 2 Sm 7.8-16).

Ezequiel 37:26-28 O Senhor havia feito um concerto perpétuo com Abraão, a nação de Israel e Davi (Ez 16.60, 61; Gn 9.16;17.7; Nm 25.12, 13; 2 Sm 7.13, 16;23.5; Jr 32.40). O santuário ou lugar santo do Deus vivo era Sua habitação entre Seu povo (Sf 3.15-18), meu santuário no meio deles. O termo meu tabernáculo, que significa lugar de habitação, é sinônimo de santuário. Ambos podem ser usados para descrever a habitação de Deus com Seu povo no deserto. No trecho em análise, aponta para a habitação futura do Deus vivo no meio de Seu povo para sempre. Também podemos estabelecer uma comparação com o uso que Paulo fez destes dois versículos em 2 Coríntios 6.16.

Ezequiel 37:1-10 (Devocional)

A Visão dos Ossos

Israel experimentará uma restauração dupla:

1. Haverá uma restauração nacional, uma existência própria de um povo com seu próprio governo.
2. Haverá também uma restauração espiritual, um novo eu interior, um novo coração e um novo espírito forjados pelo Espírito.

Vemos esses dois lados da restauração neste capítulo e também que esses dois lados ocorrerão em ordem cronológica: primeiro a restauração nacional e depois a restauração espiritual.

Este capítulo é a resposta para todos os que não veem restauração para Israel, nem nos dias de Ezequiel e nem em nossos dias. Na época de Ezequiel, a destruição do templo significa a perda de sua fé. O povo está absolutamente convencido do fim definitivo da nação e de que não haverá restauração (Ez 37:11; cf. Ez 11:17-20). O SENHOR responde ao desespero deles por meio de uma visão (Ez 37:1-14), um ato simbólico (Ez 37:15-25) e uma aliança (Ez 37:26-28).

Ezequiel tem uma visão especial (Ezequiel 37:1). Portanto, a mão do SENHOR vem sobre ele (cf. Ez 1:3; Ez 3:14; Ez 3:22; Ez 8:1; Ez 33:22; Ez 40:1). O SENHOR o levanta em espírito e o leva para fora de sua casa e residência e o coloca no meio de um vale (cf. Ez 3,22). O vale está coberto de ossos de homens. O vale não é um cemitério, mas um campo de batalha (cf. Ez 37,10). O campo de batalha está cheio de ossos dos mortos que foram deixados insepultos. É uma grande reprovação não ser enterrado (cf. 2Sm 21:12-14; Sl 141:7; Jr 8:1-2; Jr 22:19; Ez 6:5). Essa reprovação veio sobre Israel.

O SENHOR o faz andar ao redor dos ossos no espírito por todos os lados (Ezequiel 37:2). Isso permite que ele absorva todo o espetáculo. Ele observa que são muitos e também que são muito secos. Foi um massacre feito minuciosamente. Toda a vida há muito desapareceu deles.

Então o SENHOR pergunta a Ezequiel se esses ossos voltarão à vida (Ezequiel 37:3). A única resposta que Ezequiel pode dar é que o SENHOR sabe. Sua resposta indica que ele não sabe a resposta para a pergunta ou até a considera impossível de saber, pois a cena realmente não oferece nenhuma esperança de vida. Ao mesmo tempo, sua resposta indica que ele está convencido de que o SENHOR sabe a resposta e também é capaz de dar vida onde a situação é tão desesperadora (cf. Gn 18,14; Jr 32,17-18). Ele, como todo crente do Antigo Testamento, acredita na ressurreição como um ato do poder do Senhor (Is 25:8; Is 26:19; Dn 12:2; Os 6:2).

Após sua resposta, que mostra confiança no SENHOR, ele recebe a ordem de profetizar sobre os ossos (Ezequiel 37:4). Ele deve se dirigir aos ossos secos e ordená-los a ouvir a palavra do Senhor. Humanamente falando, é tolice falar com ossos mortos secos como se eles pudessem ouvir e obedecer como seres vivos. Mas para Deus, isso não é problema. Isso mostra a Sua Divindade. Ele chama as coisas que não são, como se fossem, e traz vida onde reina a morte (Rm 4:17). É o mesmo em um sentido espiritual. Estávamos mortos em delitos e pecados, mas quando a voz do Filho de Deus soou para nós, houve uma passagem da morte para a vida (João 5:24-25).

O Senhor DEUS fala através de Ezequiel aos ossos que Ele dará fôlego, ou espírito, de vida neles, pelo qual eles voltarão à vida (Ez 37:5; cf. Gn 2:7; Nm 16:22; Sl 104 :29; Ec 3:21). Para isso, Ele dará aos ossos tudo o que precisam para formar um corpo, como tendões, carne e pele (Ez 37:6; cf. Jó 10:11). Ele também lhes dará fôlego, ou espírito, para que os ossos possam voltar à vida. Por este ato do SENHOR, os ossos saberão que Ele é o SENHOR. A glória deste evento é para Ele.

Ezequiel faz o que lhe é ordenado (Ezequiel 37:7; cf. Ezequiel 12:7; Ezequiel 24:18). Sua profecia tem resultados imediatos. Primeiro, há o barulho, um chocalhar. Esse barulho é ouvido porque os ossos começam a se mover. Cada um ocupa seu lugar em relação aos outros ossos. Assim, eles se juntam para formar esqueletos ordenados. Então Ezequiel vê como os tendões e a carne vêm sobre eles e como o SENHOR os cobriu com a pele (Ezequiel 37:8). Mas ainda não há fôlego, ou espírito, nos corpos. Eles ainda permanecem cadáveres.

Para trazer o sopro, ou o espírito, da vida aos corpos, o SENHOR usa Ezequiel (Ezequiel 37:9). Ezequiel deve profetizar para a respiração, ou o espírito, para entrar nos mortos. Ele deve chamar o sopro, ou o espírito, para “vir dos quatro ventos”, o que é uma referência ao fato de que os israelitas estão espalhados por todos os cantos da terra e devem ser reunidos a partir daí (cf. Jer 31 :8; Is 43:5-6). Esse sopro, ou esse espírito de vida, vem de Deus e sopra por toda a natureza e dá vida a todas as criaturas.

Ezequiel novamente faz como ordenado pelo SENHOR (Ezequiel 37:10). Então a respiração, ou o espírito, entra neles e os corpos ganham vida. Um grande exército surge assim. Ezequiel fica visivelmente impressionado com o tamanho daquele exército e fala de “um exército muito grande”.

Ezequiel 37:11-14 (Devocional)

Explicação da Visão

Então o SENHOR dá a Ezequiel a explicação da visão (Ezequiel 37:11). Os ossos mortos não são apenas uma imagem de Judá, mas de “toda a casa de Israel”. Todo o povo perdeu a esperança de uma existência nacional. Eles se veem como separados da terra de Deus e das bênçãos de Deus. Esta é realmente a situação deles como resultado de seus pecados. Eles levam uma existência seca e morta (cf. Salmos 31:12; Salmos 32:4).

Depois do campo de batalha como uma imagem da morte, agora temos os túmulos como uma imagem da morte. O vale de ossos secos fala da totalidade da derrota. Não sobrou ninguém para enterrar os ossos. A sepultura fala da impossibilidade de voltar à vida. O povo está enterrado, por assim dizer, na Babilônia e em outras terras. Portanto, Ezequiel deve profetizar que o Senhor DEUS abrirá as sepulturas para sair de suas sepulturas e trazê-los “para a terra de Israel” (Ezequiel 37:12).

Ele os chama de “Meu povo” aqui. Ele os levantará da sepultura porque Israel é o Seu povo. Essa profecia não se refere à multidão apóstata, mas ao remanescente que Ele, de acordo com a eleição de Sua graça, sempre preserva para Si (Rm 11:5).

Esta profecia é uma promessa maravilhosa da restauração de Israel como nação em sua terra. O retorno da Babilônia é como uma ressurreição da sepultura e da morte. Mas isso é apenas uma ressurreição parcial e também temporária. No futuro, essa ressurreição será expressamente para todo o povo.

Eles saberão que Ele é o Senhor quando Ele fizer esta poderosa obra de dar vida ao Seu povo, abrindo suas sepulturas e levantando-os de suas sepulturas (Ezequiel 37:13). Então Ele também lhes dará Seu Espírito e eles, após sua restauração nacional, também serão restaurados interiormente e receberão uma nova vida (Ezequiel 37:14). Eles verão que o que o SENHOR falou também foi cumprido por Ele. O Espírito ainda está por vir (Jl 2:28-32). Ele está vindo em um Israel convertido. É, como já foi dito, uma restauração em duas etapas: primeiro nacionalmente, depois espiritualmente.

Ezequiel 37:15-28 (Devocional)

Deus reunirá Judá e Israel

A palavra do SENHOR vem a Ezequiel (Ezequiel 37:15). Ele deve realizar outro ato significativo (Ez 37:16; cf. Ez 4:1; Ez 4:9; Ez 5:1; Ez 6:11; Ez 12:3; Ez 24:16). Ele deve pegar uma vara. Nela ele deve escrever “para Judá”, que é o reino das duas tribos. Ele também deve escrever nele “para os filhos de Israel”. Isso não significa todo o reino das dez tribos, mas se refere aos “companheiros” de Judá entre os israelitas. Por esses companheiros podemos pensar na tribo de Simeão (Js 19:1-9) e na tribo de Benjamim. Também podemos pensar naqueles que se juntaram ao reino das duas tribos ao longo do tempo, vindos do reino das dez tribos, porque queriam permanecer fiéis ao serviço do Senhor no templo em Jerusalém (2Cr 11:13-14; 2Cr 15:9; 2Cr 30: 11; 2Cr 30:18; 2Cr 31:1).

Ezequiel deve então pegar outro pedaço de pau e escrever nele “para José”. É “a vara de Efraim” – nome frequentemente usado para designar o conjunto das dez tribos – “e toda a casa de Israel, seus companheiros”. “Seus companheiros” são todos os que pertencem às dez tribos.

Ezequiel deve então juntar esses dois bastões e juntá-los “um ao outro em um só bastão”, de modo que em sua mão eles se tornem um (Ezequiel 37:17). O simbolismo do ato é claro. No entanto, o SENHOR espera que os exilados façam perguntas sobre o que Ezequiel está fazendo (Ezequiel 37:18). O simbolismo é que as duas casas de Israel se tornarão uma novamente. Mas não há crença nisso entre as pessoas que foram levadas embora. Então eles perguntam não tanto o que isso significa para eles, mas o que significa para Ezequiel.

O SENHOR diz a Ezequiel o que responder (Ezequiel 37:19). Então parece que o que Ezequiel deve fazer são as ações do próprio Senhor. Ele, o SENHOR, toma Efraim como um bastão e o acrescenta ao bastão que representa Judá. Assim, Ele os torna uma só vara. O lugar onde isso acontece é a mão Dele. Em Sua mão eles se tornam um. A união é Sua obra. À medida que Ezequiel transmite o que o Senhor diz, ele deve segurar a vara, na qual escreveu os nomes, em sua mão diante dos olhos de sua audiência (Ezequiel 37:20).

A seguir, o SENHOR diz a Ezequiel que diga a seus semelhantes como Ele fará dos dois bastões um só bastão (Ezequiel 37:21). Ele tomará os filhos de Israel dentre as nações para as quais foram dispersos e os trará para sua própria terra. Então Ele fará deles uma nação nas montanhas de Israel (Ezequiel 37:22). Eles terão então um Rei sobre eles, que é o Messias, e não serão mais divididos em dois reinos. Esta profecia não foi cumprida no retorno do exílio babilônico, mas será cumprida no futuro.

Então, quando viverem em sua terra e desfrutarem da bênção do governo do Messias, não cairão mais na idolatria (Ezequiel 37:23). Seu retorno será acompanhado por uma obra de purificação do Senhor. Ele só pode reconhecer um povo limpo e puro como Seu povo e desse povo ser o seu Deus. Seu servo Davi é o Messias (cf. Is 9:6; Jr 23:5; Jr 30:9; Jr 33:17; Am 9:11; Mq 5:2-4). Ele será Rei e Pastor (Ezequiel 37:24). O Senhor Jesus, que já é o nosso Pastor, será então também o Pastor do Seu povo. Sob tal liderança de cuidado amoroso e autoridade beneficente, eles andarão nas provisões do Senhor e observarão Suas ordenanças. Eles não vão querer fazer o contrário.

A terra em que vivem é a terra que o SENHOR prometeu a Seu servo Jacó há muitos séculos (Ez 37:25; Gn 28:13). Naquela terra viveram seus descendentes. Nessa terra, os futuros descendentes também viverão, para sempre. A garantia disso é que o Messias será seu Príncipe para sempre. Por “para sempre” entende-se a era vindoura do reino da paz, quando o Senhor Jesus reinará.

Uma confirmação adicional dessa bênção contínua é a “aliança de paz” que o Senhor fará com eles (Ez 37:26; Nm 25:12; Ez 34:25). Esta aliança é também uma “aliança eterna” (cf. Gn 9:16; Gn 17:7; Gn 17:13; Gn 17:19; Êxodo 31:16; Lv 24:8; Nm 18:19; 2Sa 23: 5; 1Cr 16:17; Sl 105:10; Is 24:5; Is 55:3; Is 61:8; Jr 32:40; Jr 50:5; Ez 16:60), que só pode ser feito no base no sangue de Cristo (Hb 13:20).

O SENHOR lhes dá um lugar de bênção onde também os fará numerosos. Esta numerosa posteridade será dedicada a Ele, para que Ele possa colocar Seu santuário no meio deles. Esse santuário também estará lá para sempre. Desde o êxodo do povo do Egito, o Senhor tem desejado habitar com um povo redimido. Assim acontecerá de maneira perfeita, porque as pessoas estarão em total sintonia com Ele.
Assim, há uma garantia tríplice de que a bênção durará para sempre, ou seja, durante todo o período do reino da paz:

1. Seu príncipe reinará para sempre.
2. A aliança é uma aliança eterna.
3. O santuário do SENHOR estará no meio deles para sempre.

Seu tabernáculo, Sua morada, está então com eles (Ezequiel 37:27). Então, aquela comunhão perfeita entre Deus e Seu povo pode ser desfrutada, para a alegria de Seu coração e para o bem de Seu povo. Pela presença do Seu santuário no meio do Seu povo, as nações saberão que Ele é o SENHOR, que santifica Israel (Ez 37:28).

É claro que Israel não deve a si mesmos estar de volta à terra e desfrutar de bênçãos abundantes. Seu retorno e as bênçãos que podem experimentar são um testemunho da glória do Nome do Senhor. Toda honra será dada a Ele. Ele receberá essa honra tanto de Seu povo como das nações.