Interpretação de Números 7

Interpretação de Números 7

Interpretação de Números 7



Números 7

F. Ofertas dos Príncipes Tribais. 7:1-89.
Depois que todo o Tabernáculo (‘ohel mo’ed) foi levantado, ungido e santificado (veja Êx. 40:17), os príncipes (cons. Nm. 1:5-16) trouxeram as ofertas necessárias para o transporte do Tabernáculo. Apresentaram seis carros e doze bois aos filhos de Gérson (4:24-26) e Merari (4:31, 32). (Uma vez que os filhos de Coate estavam proibidos de carregar as coisas santíssimas em carros, eles as levavam por meio de varais sobre os seus ombros.) Além disso, em doze dias diferentes, os príncipes traziam, cada um no seu dia, provisões de ofertas idênticas para a dedicação do altar (vs. 11, 88). O último versículo deste capítulo revela que Deus comunicou-se com Moisés por meio de uma voz que saía do propiciatório, entre os querubins (cons. Êx. 25:22).
1. No dia em que Moisés acabou de levantar. Não foi um dia específico. O significado é simplesmente que depois que Moisés terminou o levantamento e a unção, etc., os príncipes fizeram suas ofertas (veja v. 88).
3. Seis carros cobertos. A palavra hebraica rara usada aqui para carros é cognata do subbu acadiano, significando “uma carreta ou liteira”. A palavra por si mesma não especifica se os carros eram cobertos ou abertos.
10. Para a consagração do altar. Críticos têm insistido em aplicar esta frase ao período dos Macabeus, durante o qual a Festa da Dedicação teve origem. Eles proclamam que hanukka (“dedicação”) é uma palavra posterior. Mas eles admitem (ICC, pág. 76) que a raiz desta palavra é antiga, conforme se verifica do seu uso na palavra Enoque (hanok; Gn. 4:17; 25:4; 46:9) e na palavra usada em relação aos experimentados homens de Abraão (hanik; Gn. 14:14). Embora a palavra seja rara, a Bíblia ilustra que era largamente usada. O Rei Davi organizou um hanukka para o seu palácio, de acordo com o título do Salmo 30. Salomão, semelhantemente, dedicou o altar do Templo (II Cr. 7:9).
Neemias dedicou o muro de Jerusalém (Ne. 12:27). E Judas Macabeu rededicou o Templo depois de sua profanação (I Mc. 4:51). Em todos os casos foi usada a mesma palavra hebraica. É provável que Judas Macabeu conhecesse a antiga tradição do hanukka, pois a sua festa não foi um dia de inovação.
12. Naassom. . . pela tribo de Judá. A ordem na qual os príncipes vieram, diferente de Números 1, foi de acordo com a linha de marcha (cap. 2).
14. Um recipiente de dez siclos de ouro. Um pires de ouro (não uma colher) cheio de incenso encaixa-se bem com a descrição do altar do incenso em Êx. 30:1-10 (cons. Ap. 8:3, 4).
88. Depois que foi ungido. Uma frase semelhante a esta em 7:10, 84 – “no dia em que foi ungido” – evidentemente não faz referência a um dia particular (7:11, mas é simplesmente uma cláusula temporal. Este versículo (88) torna claro que a dedicação do altar aconteceu algum tempo depois da unção registrada em Lv. 8:11.
89. Ouvia a voz que lhe falava de cima do propiciatório. Moisés recebeu revelação divina quando falava com Deus. Um emprego raro de uma raiz hebraica aqui, dá ao verbo “falar” um significado correspondente de “conversar” (KB, pág. 200). O mesmo emprego foi feito para mostrar que Ezequiel estava conversando com Deus (Ez. 2:1; 43:6; cons. II Sm. 14:13). Em MI. 3:16 usou-se um verbo relacionado deste modo para dizer que “falavam um com o outro”. Assim, quando Moisés entrou... para falar com (Deus), então ouviu uma voz conversando com ele de cima do propiciatório”. 

Índice: Números 1 Números 2 Números 3 Números 4 Números 5 Números 6 Números 7 Números 8 Números 9 Números 10 Números 11 Números 12 Números 13 Números 14 Números 15 Números 16 Números 17 Números 18 Números 19 Números 20 Números 21 Números 22 Números 23 Números 24 Números 25 Números 26 Números 27 Números 28 Números 29 Números 30 Números 31 Números 32 Números 33 Números 34 Números 35 Números 36