2019/09/02

Estudo sobre Ezequiel 11

Estudo sobre Ezequiel 11

Estudo sobre Ezequiel 11




Ezequiel 11
Denúncia contra falsos conselheiros (11.1-13)
A atenção do profeta é dirigida àqueles homens de influência em Jerusalém que expressam confiança nas perspectivas da cidade e descartam profecias de calamidade. E difícil encaixar essa visão na sequência cronológica do seu contexto; talvez esteja registrada aqui em virtude de seu tema relacionado.
v. 1. o Espírito me ergueu: cf. 3.12,14; 8.3. a porta: cf. 10.19, mas não há menção aqui dos querubins nem da shekiná. vinte e cinco homens: como em 8.16, mas um conjunto diferente de homens. Jazanias: distinto do seu homônimo em 8.11. líderes do povo: NEB: “de alta patente”, v. 3. Não está chegando o tempo: (LXX: “não está próximo o tempo?”) é preferível à nota de rodapé da NVI; construir casas é um sinal de segurança, normalidade e expectativa de residência duradoura; cf. o conselho de Jeremias aos exilados (Jr 29.5). Essa sensação de segurança provavelmente está expressa na metáfora Esta cidade é uma panela, e nós somos a carne dentro dela — i.e., estamos tão seguros quanto a carne numa panela. Em outro contexto, o provérbio poderia significar “estamos em perigo de ser cozinhados vivos”; mas isso não seria adequado aqui.
v. 7. Os corpos [...] são a carne: é incerto se a expressão Os corpos deve ser compreendida como as vítimas da crueldade desses líderes ou como aqueles condenados a serem mortos pela espada na captura de Jerusalém. esta cidade é a panela: Ezequiel desenvolve essa figura em aspectos diferentes em 24.314. eu os expulsarei dela: a cidade não vai lhes proporcionar nenhuma proteção; eles serão conduzidos para a execução, v. 10. eu os julgarei nas fronteiras de Israel: em Ribla (cf. 6.14). v. 13. Pelatias, filho de Benaia, morreu: na sua visão, Ezequiel o viu morrer; se ele de fato morreu naquele momento é incerto, ainda mais porque Ezequiel acabara de predizer a sua morte (com a de seu colega) na mão dos babilônios. Pode ser que a sua morte na visão de Ezequiel estivesse confirmando o cumprimento certo dessa predição quando o tempo viesse. Destruirás totalmente. ..h cf. 9.8.0 nome de Pelatias significa “Javé preserva (um remanescente)”.

5) A promessa da restauração (11.14-21)
Destaca-se novamente que a esperança de Israel está nos exilados, e não no povo de Jerusalém: os exilados serão restaurados e purificados, para se tornarem novamente o povo da aliança de Deus. Essa promessa antevê a declaração mais abrangente em 36.16-32.
v. 15. Eles estão longe do Senhor: a implicação das palavras dos habitantes de Jerusalém é que a presença de Javé está confinada à terra de Israel (cf. 1Sm 26.19); os que foram deportados para uma terra distante podem, portanto, ser rejeitados e esquecidos. E a nós que esta terra foi dada, para ser nossa propriedade: cf. 33.24. v. 16. tenho sido um santuário para eles: Javé pode habitar entre o seu povo numa terra estrangeira, tão certamente como ele pode abrir mão da sua habitação em Jerusalém. por breve período: pela duração do seu exílio, v. 17. lhes devolverei a terra de Israel: a vocês, os exilados, e não à atual população de Jerusalém, v. 19. Darei a eles um coração não dividido (o centro da vontade) e porei um novo espírito (o princípio da vida) dentro deles: cf. SL 51.10. No lugar de um coração não dividido a LXX traz “outro coração” (optando por ler o heb. como ’aher no lugar de 'ehad). Embora Ezequiel não use aqui a palavra “aliança” (mas v. 16.60; 34.25; 37.26), esse texto (como a sua ampliação em 36.16-32) é o seu correlato ao oráculo da “nova aliança” de Jr 31.31-34, em que Deus toma a iniciativa de colocar a sua lei dentro do seu povo e a escreve nos seus corações. Um coração de carne, diferentemente de um coração de pedra, e sensível e responsivo à vontade de Deus. v. 20. Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus: o antigo juramento da aliança (cf. Lv 26.12; Os 2.23; Jr 7.23 etc.; e no NT 2Co 6.16; Ap 21.3).

6) O fim da visita em êxtase (11.22-25)
Ezequiel vê a shekiná partir não somente do templo, mas também da cidade: ambos estão agora desolados. Então ele retorna (como tinha vindo) “pelo Espírito de Deus” e torna a se ajuntar aos exilados.
v. 23. o monte que fica a leste dela: o monte das Oliveiras, do qual em 43.2 a glória do Senhor retorna ao novo templo, v. 24. o Espírito de Deus ergueu-me e em visão levou-me: cf. 8.3; o seu retorno, como a sua vinda a Jerusalém, foi em forma de êxtase. Findou-se então a visão que eu havia tido: ele retornou do seu estado de êxtase a seu estado normal de consciência.

Índice: Ezequiel 1 Ezequiel 2 Ezequiel 3 Ezequiel 4 Ezequiel 5 Ezequiel 6 Ezequiel 7 Ezequiel 8 Ezequiel 9 Ezequiel 10 Ezequiel 11 Ezequiel 12 Ezequiel 13 Ezequiel 14 Ezequiel 15 Ezequiel 16 Ezequiel 17 Ezequiel 18 Ezequiel 19 Ezequiel 20 Ezequiel 21 Ezequiel 22 Ezequiel 23 Ezequiel 24 Ezequiel 25 Ezequiel 26 Ezequiel 27 Ezequiel 28 Ezequiel 29 Ezequiel 30 Ezequiel 31 Ezequiel 32 Ezequiel 33 Ezequiel 34 Ezequiel 35 Ezequiel 36 Ezequiel 37 Ezequiel 38 Ezequiel 39 Ezequiel 40 Ezequiel 41 Ezequiel 42 Ezequiel 43 Ezequiel 44 Ezequiel 45 Ezequiel 46 Ezequiel 47 Ezequiel 48

Nenhum comentário:

Postar um comentário