2019/09/02

Estudo sobre Ezequiel 24

Estudo sobre Ezequiel 24

Estudo sobre Ezequiel 24



Ezequiel 24

Jerusalém é sitiada (24.1-27)
A data (15 de janeiro de 588 a.C.) é a dada em Jr 52.4 para o início do cerco de Jerusalém. Ezequiel descobre isso na data de hoje (v. 2) pela palavra do Senhor (v. 1); não fosse por essa comunicação sobrenatural, passariam vários meses até que ele recebesse a notícia da queda da cidade um ano e meio mais tarde (33.21).
a) A alegoria da carne na panela (24.1-5). Os líderes do povo haviam se orgulhado anteriormente de que os habitantes de Jerusalém eram tão seguros quanto carne numa panela (11.3); mas o que aconteceria com eles quando a panela fosse colocada no fogo para esquentar e o conteúdo fosse cozido completamente?
b) A panela corroída (24.6-14). Numa variante da alegoria precedente, Jerusalém é agora comparada a uma panela corroída da qual a crosta e o resíduo grudados nela precisam ser queimados. A ferrugem e a sujeira são o derramamento de sangue e a idolatria da qual a cidade se tornou culpada. Para se livrar disso, os açoites não serão suficientes; a panela precisa ser aquecida até ficar vermelha; uma perspectiva terrível para quem está dentro dela.
v. 6,9. Ai da cidade sanguinária: a denúncia antes pronunciada contra Nínive (Na 3.1) agora cai sobre Jerusalém. Esvazie-a tirando pedaço por pedaço [...]: uma referência, como em 11.7, à deportação dos habitantes (foi sugerido que essa frase pertence aos v. 3-5). v. 7. ela o derramou na rocha nua: onde não poderia ser absorvido nem coberto de terra; sangue descoberto clama por vingança (cf. Gn 4.10; Jó 16.18; Is 26.21). v. 10. misturando os temperos: G. R. Driver faz uma tentativa de emenda com “cozinhe o ensopado” {Bíblica 19, 1938, p. 175-6). v. 11. Ponham depois a panela vazia: a LXX omite vazia. A carne cozida é queimada até virar cinza pela fúria do fogo e, acrescida das outras incrustações, precisa ser completamente purificada pelo fogo.
c) A morte da esposa do profeta (24.15-24). O profeta, que foi convidado por Deus a se juntar a ele no julgamento do povo, agora precisa mostrar solidariedade com o seu povo debaixo de julgamento. A sua mulher, o prazer dos [...] olhos dele, vai ser tirada dele por meio da morte, mas ele não deve fazer nenhum som ou sinal de luto (cf. Jr 16.5ss). Os seus vizinhos lhe perguntarão por que ele está agindo de forma tão estranha, e ele vai lhes contar. Quando o dia da desolação de Jerusalém vier, quando o templo, o prazer dos [...] olhos dela (v. 21), for destruído e os seus filhos forem mortos dentro dele, o golpe vai ser tão inimaginavelmente aterrador que não vai poder ser expresso por nenhum dos símbolos de aflição. Podemos lembrar de outro Filho do homem, a quem de fato foi dada toda a autoridade para executar o juízo, mas que foi afligido com as aflições do seu povo e absorveu o juízo deles na sua própria pessoa.
v. 17. Mantenha apertado o seu turbante...: o luto pelos mortos geralmente era mostrado pela cabeça descoberta e os pés descalços, a comida costumeira dos pranteadores: na ARC: ”o pão dos homens”; a referência pode ser à refeição de celebração do funeral, providenciada para os pranteadores por amigos, que concluía o período de jejum pelos mortos, v. 24. Ezequiel lhes será um sinal: cf. 12.6. Esse é o mais pessoal e comovente de todos os seus atos de simbolismo profético. Somente aqui e em 1.3, Ezequiel é mencionado pelo nome. Essa é a subscrição dos caps. 1—24 como 1.3 é o sobrescrito.
d) A promessa do fim da mudez do profeta (24.25-27). Desde o dia depois da morte da sua mulher (v. 18b-24) até que veio a notícia da queda de Jerusalém, Ezequiel permaneceu mudo — ele não tinha nem mesmo mais um oráculo para anunciar a seu povo (cf. 3.25-27). Com o cerco da cidade, o juízo tinha vindo; agora, que entrasse em ação. Acerca da vinda do fugitivo com a notícia da captura da cidade e do livramento que o profeta experimentou da sua mudez, v. 33.21,22. v. 26. naquele dia NEB: “logo”; na verdade, foi alguns meses depois da queda da cidade que ele recebeu a notícia (contraste com o v. 2 acima).

Índice: Ezequiel 1 Ezequiel 2 Ezequiel 3 Ezequiel 4 Ezequiel 5 Ezequiel 6 Ezequiel 7 Ezequiel 8 Ezequiel 9 Ezequiel 10 Ezequiel 11 Ezequiel 12 Ezequiel 13 Ezequiel 14 Ezequiel 15 Ezequiel 16 Ezequiel 17 Ezequiel 18 Ezequiel 19 Ezequiel 20 Ezequiel 21 Ezequiel 22 Ezequiel 23 Ezequiel 24 Ezequiel 25 Ezequiel 26 Ezequiel 27 Ezequiel 28 Ezequiel 29 Ezequiel 30 Ezequiel 31 Ezequiel 32 Ezequiel 33 Ezequiel 34 Ezequiel 35 Ezequiel 36 Ezequiel 37 Ezequiel 38 Ezequiel 39 Ezequiel 40 Ezequiel 41 Ezequiel 42 Ezequiel 43 Ezequiel 44 Ezequiel 45 Ezequiel 46 Ezequiel 47 Ezequiel 48

Nenhum comentário:

Postar um comentário