2019/09/02

Estudo sobre Ezequiel 30

Estudo sobre Ezequiel 30

Estudo sobre Ezequiel 30



Ezequiel 30
c) O juízo do Egito (30.1-19). v. 3. o dia do Senhor para o Egito será o seu tempo de juízo. A Etiópia (Cuxe, v. 4) era usada como paralelo do Egito desde a dinastia da Etiópia (25-; 715—663 a.C.); cf. Is 20.3ss; Na 3.9. Acerca deFute&Lude(“Lídia”, NTLH; v. 5) cf. 27.10; Líbia traduz o ininteligível Kub no TM.
v. 6. Desde Migdol até Sevene, cf. 29.10. v. 9. mensageiros-, cf. Is 18.2; esses mensageiros navegam Nilo acima em navios para assustar (advertir) o povo da Etiópia, pois ele é complacente em relação à destruição iminente.
v. 11. a nação mais impiedosa, cf. 28.7, e, acerca do sentido geral, cf. 29.19,20. v. 12. Eu secarei os regatos do Nilo-, i.e., o delta (cf. Is 19.5ss; 11.15), do qual dependia a vida do Egito.
v. 13. Os ídolos e as imagens são “grandes homens” e “príncipes” na LXX, de onde ”fidalgotes” e “jovens príncipes” na NEB. Mênfis-, a BJ translitera o hebraico e traz “Nof’, a capital do baixo Egito, a 25 quilômetros ao sul do Cairo. Não haverá mais príncipe, i.e., de uma dinastia nativa egípcia. Essa foi a situação durante muitos anos após a conquista do Egito pela Pérsia em 525 a.C. v. 14. alto Egito', a BJ traz “Patros” (também em 29.14). Zoã'. Tânis, em outros lugares Avaris, fundada pelos hicsos c. 1720 a.C. (cf. Nm 13.22), mais tarde reconstruída como uma fortaleza da fronteira por Ramsés II (Ex 1.11). Tebas: a BJ translitera o hebraico e traz “Nô” (cf. Na 3.8), a capital do alto Egito. v. 15. Pelúsio: uma fortaleza na fronteira perto do Mediterrâneo, no canto nordeste do delta. Tebas: aqui seria melhor “Mênfis”, segundo a LXX (assim a NEB: “Nof”). v. 16. Pelúsio: aqui melhor seria “Sevene” (Assuã), segundo a LXX. Mênfis estará em constante aflição: NEB: “e as águas da enchente irromperão sobre ela”, v. 17. Heliópolis: a 10 quilômetros a nordeste do Cairo. Bubastis: (a atual Tell Basta), a 65 quilômetros a nordeste do Cairo. v. 18. Taf-nes: conhecida dos gregos como Dafnae, daí a atual Tell Defneh na zona do canal. Foi o cenário do oráculo de juízo de Jeremias contra o Egito (Jr 43.8-13), que pode ter se cumprido em 568/7 a.C.
d) O braço quebrado do faraó (30.20-26). A fraqueza do Egito é descrita em termos de uma fratura do braço do faraó, que o incapacitaria de usar a espada. A data (v. 20) é 29 de abril de 587 a.C. A quebra do braço armado do faraó talvez tenha sido a derrota do seu exército que tentou aliviar o cerco de Jerusalém (17.17); ele já não estava em condições de ir à batalha contra os babilônios, e o ataque posterior deles contra o Egito seria como quebrar o seu outro braço. v. 21. enfaixado para sarar. NEB (seguindo a LXX): “com emplastro e bandagem”.

Índice: Ezequiel 1 Ezequiel 2 Ezequiel 3 Ezequiel 4 Ezequiel 5 Ezequiel 6 Ezequiel 7 Ezequiel 8 Ezequiel 9 Ezequiel 10 Ezequiel 11 Ezequiel 12 Ezequiel 13 Ezequiel 14 Ezequiel 15 Ezequiel 16 Ezequiel 17 Ezequiel 18 Ezequiel 19 Ezequiel 20 Ezequiel 21 Ezequiel 22 Ezequiel 23 Ezequiel 24 Ezequiel 25 Ezequiel 26 Ezequiel 27 Ezequiel 28 Ezequiel 29 Ezequiel 30 Ezequiel 31 Ezequiel 32 Ezequiel 33 Ezequiel 34 Ezequiel 35 Ezequiel 36 Ezequiel 37 Ezequiel 38 Ezequiel 39 Ezequiel 40 Ezequiel 41 Ezequiel 42 Ezequiel 43 Ezequiel 44 Ezequiel 45 Ezequiel 46 Ezequiel 47 Ezequiel 48

Nenhum comentário:

Postar um comentário