Explicação de Ezequiel 30

Ezequiel 30

30:1-12 Este capítulo tem dois anúncios de julgamento: o julgamento sobre o Egito (Ez 30:1-19) e o julgamento sobre Faraó (Ez 30:20-26). A primeira seção pode ser dividida em duas seções: Ez 30:1-12 trata do dia do julgamento para todo o Egito; Ez 30:13-19 trata do julgamento sobre as cidades individuais do Egito.

A palavra do SENHOR vem a Ezequiel (Ez 30:1). Ele é ordenado a lamentar por causa do dia do julgamento que virá sobre o Egito em nome do Senhor (Ez 30:2). Esse dia do julgamento é chamado “o dia do Senhor” (Ez 30:3) e é visto como “próximo”. Essa expressão geralmente é usada para se referir ao período que começa com o Senhor Jesus tomando Sua autoridade pública em Suas mãos e culminando no reino da paz. Em um sentido mais restrito, o dia do Senhor se refere à primeira vez desse período quando Ele começa a julgar o mundo, que é após o arrebatamento da igreja e especificamente o tempo da grande tribulação.

O julgamento sobre o Egito lembra aquele dia e aponta para ele. As nuvens indicam fortes tempestades e simbolizam o tempo dos julgamentos vindouros sobre as nações.

A espada do rei da Babilônia virá sobre o Egito quando os exércitos de Nabucodonosor invadirem o Egito (Ez 30:4). Ele matará muitos com a espada. A matança será tão feroz que a Etiópia ao sul do Egito será tomada de angústia quando a mensagem chegar até eles. Nabucodonosor roubará a abundância do Egito e derrubará seus alicerces, impossibilitando a reconstrução da terra.

Nabucodonosor também lidará com pessoas de todos os tipos de países que apoiam o Egito (Ez 30:5). Provavelmente podemos pensar em mercenários daqueles países que o Egito contratou para serem mais fortes contra o rei da Babilônia. Por “o povo da terra que está na liga [literalmente “da aliança”] pode ser entendido os judeus que fugiram para o Egito. Mas todos “os que apoiam o Egito cairão” (Ez 30:6). O orgulho do Egito afundará e desaparecerá. A terra e as cidades do Egito serão devastadas (Ez 30:7).

O SENHOR entregará o Egito ao fogo da destruição (Ez 30:8). Todos os que ajudarem o Egito serão esmagados. Assim saberão que Ele é o Senhor. Ele lida com eles, usando Nabucodonosor como Sua ferramenta. Os egípcios em fuga, como verdadeiros emissários do SENHOR, sairão em navios para os países vizinhos para lhes contar o que lhes aconteceu da parte do SENHOR (Ez 30:9). A notícia do “dia do Egito”, ou seja, o dia em que o julgamento virá sobre o Egito – e “eis que vem! “, esse dia certamente chegará! –, causará terror e dor paralisante a todos que ouvirem falar dele.

O instrumento que o SENHOR usará para julgar o Egito é Nabucodonosor, rei da Babilônia (Ez 30:10). Ele porá fim às hordas do Egito. Os exércitos de Nabucodonosor são formados pelas pessoas mais violentas das nações que ele conquistou (Ez 30:11). A composição de seu exército garante uma matança implacável, que arruinará a terra e será preenchida com os mortos.

Por “homens maus” e “estrangeiros” se entendem os babilônios (Ez 30:12). O Senhor usa a “mão” deles para trazer devastação sobre o Egito. Eles vão drenar os canais, os braços do Nilo. Esses canais fornecem fertilidade para a terra. Quando a água não puder mais ser trazida sobre a terra, ela murchará e se tornará um deserto. Eles “farão desolação a terra e tudo o que nela há”. Assim acontecerá, pois Ele, o Senhor, falou.

30:13-19 Começando em Ez 30:13, trata-se do julgamento sobre as cidades do Egito. Cada cidade tem seus próprios deuses e templos. O Senhor mostra que nenhum deus no Egito é poderoso o suficiente para resistir a Ele. Ele também mostra que é diferente dos outros deuses porque Jerusalém foi destruída e, no entanto, Ele tem o poder de destruir o Egito.

Ele começa com uma palavra sobre a destruição dos “deuses fedorentos” e “as imagens” (Ez 30:13). Os egípcios confiam nesses deuses, assim como o povo de Deus. A inutilidade desses deuses é aparente. A loucura de confiar neles é demonstrada. Quando os ídolos se forem, os egípcios não mais consultarão os demônios. Também não haverá mais liderança humana, “príncipe”, pois os príncipes também foram mortos. Essa situação causará medo no Egito, um medo que Deus colocará naquele povo, dando ainda mais ênfase à Sua exaltação sobre eles.

Ez 30:14-18 lista várias cidades egípcias que são objetos especiais do julgamento de Deus. Deus usa uma grande variedade de palavras para expressar o que Ele fará e o que isso causará. Fala-se nestes versos de :

1. desolado (cf. Lv 26:32; Os 2:12),

2. ateie fogo (Ez 30:14, 16),

3. executar julgamentos (Ez 30:14, 19),

4. derrama a ira (Ez 14:19, 30:15),

5. cortado (Ez 14:13, 17; 21:3; 25:13, 16; 29:8; 30:15; 35:7),

6. se contorcer de angústia (Is 26:17; Ez 30:16),

7. violado,

8. angústias diárias,

9. cair pela espada (Ez 5:12 Ez 17:21 Ez 30:17, 33:27),

10. ir para o cativeiro (Ez 30:17-18).

“Pecado”, a fortaleza do Egito (Ez 30:15), não impressiona Nabucodonosor, nem uma multidão ou força juvenil ou beleza juvenil (Ez 30:17). Ele quebrará o jugo de poder com o qual o Egito subjugou outras nações (Ez 30:18). Nada restará do “orgulho de seu poder”. Uma nuvem de desastre e miséria terá descido sobre o Egito, não deixando nada reconhecível de sua atratividade original. Isso é enfatizado pelo cativeiro de suas filhas, com o qual também desaparece a perspectiva de uma restauração.

Todos esses julgamentos, que vêm como castigos sobre o Egito, são feitos pelo SENHOR (Ez 30:19). Nisto conhecerão que Ele é o Senhor.

Notas Adicionais:

30.3 O tempo dos gentios. A época da supremacia do paganismo.

30.5 Pute. Uma cidade aliada aos egípcios, na costa do Mar Vermelho. Lude. A Lídia, que mandava mercenários para o Egito.

30.6 Migdol até Sevene. São os limites do Egito; Migdol no norte, e Sevene e Asuan, na divisa entre o Egito e a Etiópia.

30.9 Navios. O Nilo era o caminho mais rápido para uma invasão.

30.12 Os rios. Fonte única de irrigação do Egito.

30.13-15 Estas cidades do Egito já eram antigas naquela época.

30.17 Pi-Besete. Em egípcio quer dizer “cidade de Bast”. Bast é o nome de uma deusa, em cuja cidade havia múmias dos gatos sagrados. Cada cidade aqui mencionada tinha sua forma específica de idolatria, o que Ezequiel tinha em vista.

30.18 Se escurecerá o dia. Um símbolo de declínio; mais amargo pelo fato de haver, naquelas cidades, templos onde o Sol era adorado, por sacerdotes que pensavam que com isso podiam controlar a vinda dos benéficos raios solares.

30.20 Aqui, voltamos para março/abril de 587 a.C., a data da queda de Jerusalém, depois de terminado o assunto que começou em 29.17.

30.21 Eu quebrei. O braço do rei do Egito é a força política internacional dos egípcios, que foi quebrada na mesma época da invasão de Jerusalém pelos caldeus. Esta; invasão pôs fim às pretensões dos egípcios, de reger toda a antiga terra da Palestina, inclusive Judá, Filístia, Samaria e Síria.

30.22 O forte. O outro braço se estendia ao longo do Nilo, inclusive à Etiópia e abrangendo a várias tribos africanas. Toda civilização da época se estendia em faixas estreitas de terras que acompanhavam os rios e as praias do mar. Os territórios do Egito, Palestina é Mesopotâmia, que continham quase todas as nações mencionadas na Bíblia, formam uma estreita meia-lua.

30.25 A minha espada. Fica bem claro que nenhuma nação consegue vencer na guerra sem permissão de Deus, e quando as nações pensam que estão cumprindo sua própria vontade ainda levam avante os planos de Deus.

N. Hom. 30.26 Saberão que eu sou o Senhor. Esta frase, tão típica nestas profecias, mostra que o eterno propósito divino no decurso da história do mundo é revelar-se aos homens. Abraão e seus descendentes haviam de ser os instrumentos humanos desta revelação, mas se rebelaram completamente, como se nota nos caps. 16 e 23. Por isso Deus mandou seu Filho, nascido como israelita, para pagar o castigo daqueles que não conseguiram viver à altura da lei que lhes foi confiada, e para derramar seu Espírito sobre eles, para que a vontade divina seja uma realidade gravada no seu íntimo, concedendo-lhes o poder de obedecer, Gl 4.4-7; Ez 11.19-20.

Índice: Ezequiel 1 Ezequiel 2 Ezequiel 3 Ezequiel 4 Ezequiel 5 Ezequiel 6 Ezequiel 7 Ezequiel 8 Ezequiel 9 Ezequiel 10 Ezequiel 11 Ezequiel 12 Ezequiel 13 Ezequiel 14 Ezequiel 15 Ezequiel 16 Ezequiel 17 Ezequiel 18 Ezequiel 19 Ezequiel 20 Ezequiel 21 Ezequiel 22 Ezequiel 23 Ezequiel 24 Ezequiel 25 Ezequiel 26 Ezequiel 27 Ezequiel 28 Ezequiel 29 Ezequiel 30 Ezequiel 31 Ezequiel 32 Ezequiel 33 Ezequiel 34 Ezequiel 35 Ezequiel 36 Ezequiel 37 Ezequiel 38 Ezequiel 39 Ezequiel 40 Ezequiel 41 Ezequiel 42 Ezequiel 43 Ezequiel 44 Ezequiel 45 Ezequiel 46 Ezequiel 47 Ezequiel 48