Explicação de Ezequiel 40

Explicação de Ezequiel 40

Explicação de Ezequiel 40




Ezequiel 40 

40.1 No ano vigésimo quinto. Em 573 a.C., treze anos depois da maioria das profecias da restauração (33.21), quatorze anos depois das profecias recebidas, no ano da queda de Jerusalém sobre a destruição das nações pagãs da época (26.1). A única indicação de que Ezequiel estava plenamente ativo naquele ínterim e depois se descreverem 29.7-21, uma profecia de 571 a.C.
40.2 Em visões, Deus. Esta visão é tríplice. A, primeira parte revela o Templo ideal, caps. 40-42, no qual as aspirações espirituais do povo de Deus se simbolizam pela arquitetura. A segunda parte, o Culto ideal, caps. 43-46, no qual participam a glória de Deus, o ministério dos sacerdotes, a contribuição do povo, e os ritos presididos pelo suma sacerdote e pelo príncipe. A terceira parte revela a Nação ideal, caps. 47-48, que tanto física como espiritualmente tem sua vida ao redor do culto no templo, de onde extrai sua alimentação, seu refrigério e sua inspiração.
40.3 Um homem. Um anjo igual àqueles que tiveram o encargo de destruir o antigo templo profanado pela, idolatria (9.2). Cordel. Este era usado para grandes medidas (47.3).
40.4 Anuncia. Isto não é uma planta arquitetônica para entreter um sacerdote: estas reformas são mensagem e evangelho para serem proclamados.
40.5 Um côvado e quatro dedos. O acréscimo de quase um palmo restaura o comprimento do côvado ao seu, valor original usado no templo de Salomão. Entrementes, a medida diminuída, “o primitivo padrão” (2 Cr 3.3) sendo de 52 cm, a nova, de 46 cm. Até hoje os israelitas têm um “côvado para construção”.
40.6-17 O que se deduz de tais medidas é a ordem, a decência e a simetria da casa de Deus; o profeta supõe que todos conheçam o templo de Salomão, e limita-se a descrever essa adição que a visão lhe trouxe: o plano das câmaras ao redor das portas.
40.23 Porta do átrio interior. A casa cheia de câmaras descrita em 40.16 é um tipo de portão de entrada ao átrio exterior (17-19). Para se passar do átrio exterior para o interior, precisava-se passar por outro portão, quase igual (20-23). O prédio do templo agora está protegido por magníficas entradas, dentro das quais os vários oficiais do templo têm suas câmaras, podendo, assim, vigiar as pessoas que entravam. Há três portas no muro exterior do templo, e três no muro do átrio inferior, ao norte, ao oriente e ao sul (27).
40.26 Sete degraus. Quem vai passando da parte de fora para a de dentro, vai subindo escadas enquanto se aproximam do templo propriamente dito: tudo está construído no cume do monte, subindo-se sucessivamente, até chegar ao templo, que é o ponto culminante do conjunto.
40 28 Pela porta do sul. Esta descrição está seguindo um plano simétrico: vv. 24-31 descrevem a entrada do sul do templo, primeiro pela porta exterior (24-27), depois pela porta que dá para o átrio interior, 28-31. O profeta tendo entrado pela porta exterior do oriente (6 e 17), já se detivera a descrever os pormenores da sua construção, 6-16. Havendo uma, porta igual para o norte (20-22), para o sul (24-26), e mais outras três em cada uma destas direções para entrar no átrio interior (23, 27-31, 32-34); não é repetida a descrição que já fora dada à primeira instância.
40.35 À porta do norte. É por essa porta que o profeta está adentrando o átrio interior do templo, depois de subir os oito degraus do versículo 37. Ao entrar, vai-se deparar com os dispositivos para a oferta de sacrifícios, visto que a lei manda que se ofereçam ao lado do altar para a banda do norte (Lv 1.11).
40.38 A sua entrada. A porta interior desta portaria do átrio interior dá diretamente para o local de ofertas de sacrifícios.
40.39 No vestíbulo. Metade das mesas para a preparação de sacrifícios estava protegida dentro da portaria, e metade ficava ao ar livre, dentro do átrio interior do templo (40). Oferta pelo pecado e pela culpa. No novo templo, Ezequiel está pensando mais na expiação dos pecados do que em cumprir todos os sacrifícios tradicionais (Êx 29.36; cf. Hb 1.3, o que indica a expiação operada pelo Senhor Jesus Cristo, quando sacrificara sua própria vida para purificar os pecadores).
40.43 Oblação. Heb korban, uma oferta voluntária (Mc 7.11).
40.44 Cantores. Estes sempre estavam presentes nos atos de culto, desde o primeiro culto espontâneo descrito em Êx 15.1-21.
40.46 Filhos de Zadoque. Ezequiel distingue claramente entre os levitas em geral (muitos dos quais tinham serviços nos ritos do paganismo, Jz 17.7-13) e os descendentes do sumo sacerdote fiel; que servia nos tempos de Salomão (1 Rs 1.31-40). Os motivos para a distinção se dão em 44.10-16.
40.48 O vestíbulo do templo é de modo igual ao das portarias internas, sendo duas vezes maior (47) e tendo as duas colunas equivalentes às duas mencionadas no templo de Salomão, Boaz e Joaquim (veja seu significado em 1 Rs 7.21n).
• N. Hom. 40.49 Por degraus. Não se podia entrar na casa de Deus sem passar por três portarias imponentes, e subir por três escadarias. A verdadeira adoração exige uma concentrada despedida das banalidades do mundo e um esforço para elevar nossos olhos para as coisas dos céus, porque o culto só nos valerá se elevar nossas almas às alturas onde Cristo está, pronto a nos atender (CI 3.1-4; Hb 4.14-16).

Índice: Ezequiel 1 Ezequiel 2 Ezequiel 3 Ezequiel 4 Ezequiel 5 Ezequiel 6 Ezequiel 7 Ezequiel 8 Ezequiel 9 Ezequiel 10 Ezequiel 11 Ezequiel 12 Ezequiel 13 Ezequiel 14 Ezequiel 15 Ezequiel 16 Ezequiel 17 Ezequiel 18 Ezequiel 19 Ezequiel 20 Ezequiel 21 Ezequiel 22 Ezequiel 23 Ezequiel 24 Ezequiel 25 Ezequiel 26 Ezequiel 27 Ezequiel 28 Ezequiel 29 Ezequiel 30 Ezequiel 31 Ezequiel 32 Ezequiel 33 Ezequiel 34 Ezequiel 35 Ezequiel 36 Ezequiel 37 Ezequiel 38 Ezequiel 39 Ezequiel 40 Ezequiel 41 Ezequiel 42 Ezequiel 43 Ezequiel 44 Ezequiel 45 Ezequiel 46 Ezequiel 47 Ezequiel 48