quarta-feira, julho 11, 2018

Livro de Malaquias

Livro de Malaquias
O Livro de Malaquias é último dos Profetas Menores e o último livro do Antigo Testamento. O livro traz as mensagens de Deus ao povo de Judá proferidas por Malaquias, em torno de 450 a.C., depois de haver sido reconstruído o Templo de Jerusalém. O povo não estava obedecendo às leis de Deus, e era necessário que eles abandonassem os seus pecados (2.10-16). Malaquias mostra que os sacerdotes eram culpados e, por isso, ele fala contra eles, pois não estavam cumprindo o seu dever de apresentar sacrifícios e ofertas que agradassem a Deus e falhavam na educação do povo (1.6—2.9). Malaquias anunciou que Deus viria purificar o seu povo, mas antes daquele dia enviaria o seu mensageiro para preparar o caminho. Aqueles que se arrependessem e voltassem para Deus seriam novamente o seu povo (2.17—4.6).


Conteúdo

Com base na forma e no conteúdo, o livro divide-se em seis oráculos distintos. Cada um segue um padrão dialético básico de afirmação, objeção (“disputa profética”) e substanciação da afirmação. Em cada oráculo o Senhor, através do profeta, responde ao questionamento cético do povo (“Você diz, 'Como…?'“), Ocasionalmente colocando uma questão própria (cf. Mal. 1:6, 8; 3:8).

Seguindo a inscrição para o trabalho (1:1), o livro começa com a declaração do profeta do amor de Yahweh por Israel (Jacó); embora não seja prontamente aparente em suas atuais circunstâncias políticas e econômicas, o favor de Deus pode ser percebido em contraste com seu tratamento enfurecido dos recalcitrantes edomitas (Esaú) (vv. 2-5).

No segundo oráculo, o Senhor denuncia a falta de respeito adequado demonstrado pelos sacerdotes: “Onde está a minha honra? … Onde está meu medo?” (1:6–2:9). Cansados de suas responsabilidades (1:13), eles não oferecem, de maneira idiota, alimento impuro e sacrifícios desonrosos (vv. 7–8, 12–14); de fato, até as nações o honram mais (v. 11). Além disso, os sacerdotes não conseguem instruir adequadamente as pessoas na lei (2:8–9; cf. vv. 6–7). Como então Israel pode esperar o favor de Deus (1:9)?

O terceiro oráculo (2:10-16) classifica os leigos para entrar em casamentos mistos, “profanando o pacto de nossos pais” por ser “infiel uns aos outros” e, portanto, a Deus (v. 10). Somente se permanecerem fiéis às suas esposas judaicas (em vez de “a filha de um deus estrangeiro”, v. 12) e evitar o divórcio (v. 16), Deus aceitará suas ofertas (v. 13).

O profeta então anuncia a vinda do Senhor em julgamento (2:17–3:5). Israel tem fatigado a Deus, dizendo que ele não exerce julgamento contra os ímpios (2:17). Mas seu mensageiro preparará o caminho para o dia do juízo de Deus (3:1–2), quando o Senhor “aperfeiçoará” o sacerdócio e julgará aqueles que oprimem os desafortunados e assim purificam a nação (vv. 3, 5).

No quinto oráculo (vv. 6-12), Malaquias ordena que o povo se arrependa de sua obstinação, tipificada pela recusa em contribuir com o dízimo apropriado (v. 8-10). Quando o fizerem, eles serão novamente “uma terra de prazer” (v. 12):”Volte para mim e eu voltarei para você” (v. 7).

O oráculo final (3:13-4:3 [MT 3:21]) rejeita aqueles que questionam o benefício da obediência a Deus (“é inútil servir a Deus”), acusando os malfeitores de prosperarem sem medo de reparação (3 :13-15). No entanto, os verdadeiramente fiéis encontram encorajamento na promessa do Senhor de um livro de recordações, segundo o qual, no tempo do juízo, ele distinguiria entre o justo e o iníquo (3:16–4:3 [MT 3:21]).

Malaquias conclui com o desafio de “lembrar-se da lei de meu servo Moisés” (4:4 [MT 3:22]) e preparar-se para Elias, que precede o terrível dia do Senhor (4:5,6–24).

Resumo: Malaquias 1 Malaquias 2 Malaquias 3 Malaquias 4

Origens

Embora o relato bíblico não forneça informações diretas sobre o autor anônimo de Malaquias, o livro fornece informações suficientes sobre as condições na Palestina no momento de sua profecia para postular algo sobre sua data e antecedentes. Israel é governado por um governador (heb. peḥâ; 1:8), colocando assim o livro no período persa. Desde a preocupação do profeta com a indiferença sacerdotal a questões de ritual, parece que o templo havia sido reconstruído o suficiente no passado (515 a.C.) para permitir que a observação entusiasta diminuísse. O problema dos casamentos mistos reflete as circunstâncias abordadas por Esdras e Neemias. Consequentemente, a maioria dos estudiosos data o profeta e suas elocuções para meados do quinto século, seja nas décadas antes de Neemias (assim, cerca de 460) ou imediatamente antes de seu segundo termo administrativo (ca. 432); alguns o colocariam um pouco mais tarde, argumentando que as condições registradas indicam uma redução na eficácia das reformas de Neemias. Outros o namoram até o início do terceiro século.

A designação desta coleção de profecias como um “oráculo” (heb. maśśā˒; KJV “fardo”) levou alguns estudiosos a agrupar o livro de Malaquias com “oráculos” semelhantes no livro anterior (cf. Zf. 9:1 12:1) e considerar todos os três como o trabalho de um único autor.

Estudo: Malaquias 1 Malaquias 2 Malaquias 3 Malaquias 4

O Profeta

Sob o aspecto histórico, nada sabemos sobre a vida do profeta Malaquias. Tudo o que entendemos é o que deduzimos de suas declarações. Não há como ter certeza de que Malaquias, que significa “meu mensageiro”, é o nome do profeta ou apenas seu título. Josefo, que menciona Ageu e Zacarias, não faz referência a este nome. O Targum para fraseia 1.1 assim: “Como pela mão do meu mensageiro, cujo nome se chama Esdras, o escriba”. A Septuaginta também traduz “meu mensageiro”, mas intitula o livro “Malaquias”. Archer observa: “Todos os outros livros proféticos do Antigo Testamento trazem o nome do autor. Seria estranho se unicamente este fosse anônimo”. Visto que a questão permanece sem solução, nos referimos ao profeta como Malaquias. Embora não tenhamos certeza quanto ao nome do profeta, não temos dificuldade em formar uma concepção clara e precisa sobre a personalidade de Malaquias. O pequeno livro de sua autoria apresenta um pregador impetuoso e vigoroso que buscava sinceridade na adoração e santidade de vida. Possuía intenso amor por Israel e pelos serviços do Templo. E verdade que deu mais destaque à adoração do que à espiritualidade. Contudo, “para ele o ritual não era um fim em si mesmo, mas uma expressão da fé do povo no Senhor”. 

Interpretação: Malaquias 1 Malaquias 2 Malaquias 3 Malaquias 4

Contexto Histórico

Os judeus tinham voltado do cativeiro extremamente esperançosos. Ao interpretar que as bonitas promessas de Ezequiel e Zacarias tinham um cumprimento imediato, muitos devotos criam que a era messiânica estava bem perto. A expectativa era que a nação encontrava-se a ponto de recuperar a glória perdida do reino de Davi. O solo ficaria milagrosamente fértil e as cidades, populosas. Logo surgiria o rei ideal, e todas as nações iriam a Jerusalém para servir ao Senhor. Mas, com a passagem dos anos, a desilusão se instalou. A prosperidade e bênção esperadas não se materializaram. A vida era dura. As colheitas eram fracas, os parasitas acabavam com as plantas e os frutos eram insatisfatórios. Visto que estas condições persistiram ano após ano, e os sonhos maravilhosos dos velhos tempos não se concretizaram, um espírito de pesada depressão se alojou na comunidade. Os sacerdotes relaxaram no desempenho dos deveres e negligenciaram a instrução religiosa concernente ao cargo. Os judeus passaram a reclamar que Deus não os amava ou não se importava com eles. Um espírito de cinismo se espalhou pela população e, até os que permaneceram fiéis a Deus, começaram a perguntar: “Por quê?” Muitos retiveram os dízimos e ofertas. A injustiça social tomou-se comum. O casamento com os pagãos vizinhos era praticado livremente. O divórcio virou a ordem do dia enquanto o povo se esqueceu do concerto com Deus. Todo o mundo estava disposto a questionar a autoridade e os caminhos do Senhor. Este é o pano de fundo no qual devemos estudar as profecias de Malaquias. Era uma situação que exigia um profeta destemido, um homem de Deus para enfrentar a situação difícil e crítica. Seu livro poderia ter o subtítulo “uma mensagem para tempos de desânimo”. E, portanto, pertinente aos nossos dias e a todo período de depressão espiritual.

Data

As condições descritas acima apontam para o período imediatamente precedente ao ministério de Esdras e Neemias. Os abusos são precisamente os descritos neste primeiro livro e os que ocupavam a atenção do segundo. Esdras voltou da Babilônia em 458-457 a.C. Neemias tomou-se governador em 444 a.C. e sua segunda administração começou em 433 a.C. Foi durante seu segundo governo que ele tratou do problema de casamentos mistos, mas seria muito duvidoso determinar a localização de Malaquias entre estas duas administrações. Ao considerar que o profeta não faz referência a Neemias, as profecias têm de ser datadas poucos anos antes do início do primeiro período em que este judeu foi governador. Uma data entre 460 e 450 a.C. é geralmente aceita.

O Livro

O livro de Malaquias traz evidências de ter sido “elaborado para tomar a verdadeira forma de disciplina de debate público”. Difere grandemente dos outros escritos bíblicos. Este profeta não apresenta seus sermões ou os endereça de modo formal como fazem os outros mensageiros, mas se lança em argumentação com os ouvintes. O diálogo de pergunta e resposta reflete a situação vigente, na qual Malaquias se encontrava, e os frequentes conflitos verbais em que se envolvia com seus contemporâneos. Nestas perguntas e respostas o vemos defender publicamente a honra e a justiça de Deus contra os ataques dos oponentes céticos. O exímio argumentador toma cada objeção e a responde antes de passar para a seguinte. “Ao longo de todo o diálogo, descreve o amor divino, revela a incredulidade e ingratidão do povo, exige arrependimento genuíno, responde aos céticos, desafia a irreligiosidade em vigor e faz promessas gloriosas aos fiéis”. Já não era possível um profeta de Deus obter atenção do povo apenas com a afirmação: “Assim diz o Senhor”. Eram tempos de racionalismo e até os judeus exigiam um argumento lógico e racional. Queriam que as afirmações fossem justificadas e as objeções satisfeitas. Ao empregar o artifício do diálogo, Malaquias condenou os pecados dos israelitas e os chamou ao arrependimento. Porém, a salvação última não estaria neste ato, mas na ação de Deus. O grande dia do Senhor amanheceria e nele Deus purificaria os justos e aniquilaria os ímpios. Esse momento seria anunciado pela vinda de Elias. Com o profeta Malaquias, cessam as profecias do Antigo Testamento até a vinda de João Batista. No entanto, nos versículos finais do livro temos uma mensagem esplendorosa acerca da nova era de Deus. “Malaquias é como o fim da tarde que encerra um dia longo, entretanto, é, ao mesmo tempo, o crepúsculo da manhã que traz em seu cerne um dia cheio de glória”. 

Explicação: Malaquias 1 Malaquias 2 Malaquias 3 Malaquias 4

Teologia

A tradição rabínica considera Malaquias um dos últimos - se não o último - dos profetas israelitas, cuja morte contribuiu para grande angústia entre o povo (cf. 1 Mac. 9:27). As questões e circunstâncias abordadas por este profeta anônimo indicam que já em seus dias Israel estava experimentando insatisfação com suas fortunas políticas, econômicas e até mesmo naturais. Na falta de instrução religiosa sã (Mal. 2:8-9), eles representavam seu desespero por meio de decadência moral e apatia cúltica. Até mesmo os fiéis ficaram perplexos, como fica evidente pelo ceticismo expresso quando tentavam entender os caminhos de seu Senhor. Em resposta a essa situação, Malaquias proclama a fidelidade de Yahweh ao seu povo escolhido, expresso em termos de seu relacionamento histórico de aliança (por exemplo, 2:11; 3:1; cf. o antigo nome de Deus, “o Senhor dos Exércitos”; por exemplo 1:6, 9, 14). Se a intimidade desse relacionamento for restaurada, o povo deve se arrepender (heb. Šûḇ “volte, retorne”) de seus caminhos enganosos (3:7, 10).

O terrível dia do Senhor, sua vinda em julgamento, permeia o pensamento de Malaquias. Ele reitera a visão profética padrão deste dia como um tempo de ira para “os arrogantes e todos os malfeitores” (3:5; 4:1 [MT 3:19]; cf. Am 5:18-20; Zac. 1:7-18). Ainda neste dia, ele declara, os justos que reverenciam e servem a Deus (alguns interpretam Mal. 1:11 para significar aqui mesmo aqueles além de Israel) serão poupados; de fato, para eles “o sol da justiça se levantará, com cura em suas asas” (4:2 [MT 3:20]; cf. 3:16–18). Exclusivo para a escatologia de Malaquias é o conceito de um “mensageiro” (3:1), um precursor que preparará o caminho do Senhor. Embora alguns interpretem essa figura como o profeta cujas palavras estão registradas aqui, a tradição posterior identifica-o como “Elias, o profeta” (cf. 4:5 [MT 3:23]; Mt 11:14; 17:10-12 par. João 1:21).

Bibliografia
J. G. Baldwin, Haggai, Zechariah, Malachi. Tyndale (1972); R. A. Mason, The Books of Haggai, Zechariah, and Malachi. CBC (1977).