2009/06/24

Comentário de João 16:2

Expulsar-vos-ão das sinagogas,.... Os judeus já tinham feito uma lei, que qucomentario biblico, evangelho de joão, novo testamentoem confessasse que Jesus era o Messias, deveria ser expulso das suas sinagogas;[1] e eles tinham posto isto em execução no homem cego que Cristo restabeleceu a visão, pela sua profissão de fé nele; que golpeou com tal terror nas pessoas, que até mesmo muitos dos principais governantes que acreditaram que Jesus era o verdadeiro Messias, não o confessavam, por causa desta lei; era algo do qual eles não puderam agüentar os pensamentos, de serem julgados e tratados como os hereges e apóstatas, e, por cima, o mais vil e infeliz deles: pois esta expulsão da sinagoga, não era a menor excomunhão que foi chamada נדוי "Niddui", e uma "separação" durante algum tempo de uma sinagoga em particular; mas a maior excomunhão, ou por חרם, "Cherem", ou שמתא, "Shammata"; quando uma pessoa estava cortada do corpo inteiro da igreja judia, chamado frequentemente de sinagoga, ou congregação do povo; era dedicada uma sentença de destruição desde o mais alto poder eclesiástico deles, a raiva deles e malícia poderiam ser proferidas a tais; e a este os apóstolos deviam esperar; não, não só isto, mas terem as suas vidas tiradas por eles, debaixo de um pretensão de zelo pelo serviço de Deus, e interesse de religião:

Sim, vem a hora que quem quer que vos mate, pensará que fez um serviço a Deus. Pois isto não será entendido deles serem entregues às mãos dos magistrados civis, e deles serem julgados e condenados, e entregues à morte pelas ordens deles, mas deles serem assassinados por um grupo de homens chamaram os "zelotes"; quem, em imitação a Finéias,
[2] como fingiam eles, sempre que eles achavam qualquer pessoa culpado de um crime importante, como idolatria, blasfêmia, etc, ou o que eles julgavam assim, e, sem qualquer dificuldade, eles o matavam; nem era eles responsáveis em qualquer tribunal de judicatura para tal ação, e que era considerado algo louvável e piedoso: em deste modo, e pelas mãos de tais, Estevão, o protomártir, perdeu a sua vida;[3] pois, embora eles o tivessem levado diante de um conselho, e subordinado testemunhas contra ele, contudo, quando na sua própria defesa, ele disse o que estes "zelotes" interpretaram como blasfêmia, eles correram imediatamente até ele, e o expulsaram da cidade, e o apedrejaram até morte; sem qualquer licença ou autoridade do Sinédrio, como é relatado: e estes homens foram considerados homens bons, zelosos, קנאתו של מקום (y) "com um zelo para Deus", a sua honra e glória; e se deu muito valor em tais chacinas e desumanidades, e pensamentos, como nosso Senhor diz aqui, que eles “fizeram o serviço de Deus"; ou como a versão Siríaca verte, דקורבנא מקרב, "ofereciam um sacrifício a Deus", e assim a Árabe e Etíope: e realmente esta é uma regra com os judeus (z), e o qual eles formam no exemplo a partir de Finéias;

“Quem quer que derrame o sangue de homens iníquos, (e como estais eles reconheciam ser os discípulos e seguidores de Cristo) , “é a mesma coisa como se ele tivesse oferecido um sacrifício”.

Eles consideravam isso como um sacrifício aceitável a prazeroso a Deus: assim como o Apóstolo Paulo, em seu estado antes de ser regenerado, achava que devia fazer muitas coisas contra o nome de Cristo: e que ele achava que estava fazendo o serviço de Deus, quando ele perseguiu a igreja, e entregou muitos dos santos à morte.


____________
Notas

(y) Jarchi & Bartenora em Misn. Sanhedrin, c. 9. sect. 6.
(z) Bemidbar Rabbit, Parash, 21. fol. 229. 3.
[1] Cf. João 9:22. N do T.
[2] Cf. Números 25:7-9. N do T.
[3] Cf. Atos cap. 7.

Nenhum comentário:

Postar um comentário