2009/06/24

Comentário de João 16:23

Naquele dia, nada me perguntarás,... Significando, não a Dispensaçcomentario biblico, evangelho de joão, novo testamentoão do Evangelho inteiro, assim chamado frequentemente, em linguagem profética: "aquele dia"; e é, no Testamento Novo, contrário à noite da escuridão Judia e Pagã; e, em comparação da Dispensação anterior, é um tempo de grande luz espiritual e conhecimento: nem a parte posterior daquele dia, quando não haverá mais escuridão e deserção, de erro e segurança, de aflição e perseguição, com a igreja; quando a terra será enchida do conhecimento do Senhor; quando serão ensinados todos os filhos de Deus,[1] e nem haverá nenhuma necessidade para dizer: conheçam o Senhor; pois todos o conhecerão, do menor para o maior deles:[2] nem o dia de julgamento que, por via de ênfase, é chamado assim frequentemente, "aquele dia": nem o estado de última felicidade, o dia perpétuo de glória; quando todas as imperfeições serão feitas plenas, quando os santos o conhecerão, assim como eles são conhecidos, e verão Jesus como é ele,[3] e não precisarão perguntar qualquer coisa dele: mas o tempo quando Cristo, e os seus apóstolos, devessem se encontrar novamente, e verem um ao outro, em suas faces com alegria e prazer, é o significado aqui; e o tempo que segue nisso, especialmente o dia de Pentecostes, quando o Espírito foi vertido desde o alto sobre eles, e, de acordo com a sua promessa, veio a eles, lhes ensinou todas as coisas, e os conduziu em todas as verdades. Este “perguntar” mencionado não será entendido de pedir em oração; pois isto parece, pelo que segue, que eles deveriam pedir então no seu nome, e ele encoraja a isto; mas de lhe fazer perguntas,[4] e não de qualquer tipo; pois isto é certo, que, dentro deste tempo, eles perguntaram muitas coisas. Pedro perguntou o que João, o discípulo amado, deveria fazer;[5] e todos eles lhe perguntaram, um pouco antes da sua ascensão, se ele ia, naquele momento, restabelecer o reino novamente para Israel;[6] mas será contido a tais coisas que eles tinham sido, ou eram, cobiçosos de lhe perguntar; como, para onde vais? Mostra-nos o Pai? Como é que te manifestas a nós e não ao mundo? E mais especialmente, estas últimas perguntas, eles grandemente desejavam pôr a ele: o que é isto, "um pouco mais de tempo e vós não me vereis? ", e o que é isto, "um pouco mais de tempo e me vereis novamente? ", e qual é o significado destas palavras: "porque eu vou para o Pai? " João 16:17. Agora nosso Senhor afirma que, neste momento, todas estas coisas estariam tão claras e evidentes a eles, que eles não deveriam lhe perguntar mais nada. Mas ele soma a isso...

Em verdade, em verdade, eu vos digo, o que quer que peças ao Pai, em meu nome, ele vo-lo dará [isso]. Pedir aqui significa oração, e uma palavra diferente é aqui usada do que a primeira. O objeto de oração é o Pai, embora não para a exclusão do Filho e Espírito, que eram tanto separadamente, ou juntos com o Pai, feito oração aqui; veja Atos 7:59. O meio de acesso para o Pai é o nome de Cristo; ele é o Mediador entre Deus e o homem, o caminho de acesso até o Pai; tudo que é perguntado, será perguntado com base em seu sangue, retidão, e sacrifício, e então há nenhuma dúvida de sucesso; tudo que é perguntado será dado; o sangue dele fala mais alto do que todas as bênçãos em conjunto; a sua retidão, com ela Deus sempre está contente; o seu sacrifício é um doce cheio: a mediação dele é poderosa; e o nome dele sempre é prevalecente.


___________
Notas
[1] Cf. Isaías 54:13. N do T.
[2] Cf. Hebreus 8:11. N do T.
[3] Cf. 1 Coríntios 13:12. N do T.
[4] No texto em inglês da King James, usada como texto base para a Exposição Bíblica de Gill, se usa a palavra inglesa “ask”, assim temos: “And in that day ye shall ask [ερωτάω Gr.: erotao, “perguntar”, “fazer uma pergunta”, “indagar”. Diferente do segundo “ask” usado] me nothing. Verily, verily, I say unto you, Whatsoever ye shall ask [αιτέω Gr.: aiteo, “pedir”, “implorar”, “desejar”, “ansiar”, e expresar isso por meio de um pedido] the Father in my name, he will give it you.” Devido a sua ambigüidade em inglês, podendo significar “pedir” ou “perguntar”, o Dr. John Gill parece explicar o sentido em que o leitor, em inglês, deve entender por “ask” no texto, para que não surja uma suposta contradição bíblica; pois se o leitor entendesse o primeiro “ask” como “pedir”, ele teria lido: “...naquele dia não me pedireis nada... e o que quer que peças ao Pai em meu nome, ele vo-lo dará.” Então, para tirar essa suposta contradição Gill explica o sentido acima. – Veja sobre a diferença dos dois termos gregos no Dicionário Expositivo de Vine do N.T no verbete “Pedir”. N do T.
[5] Cf. João 21:21. N do T.
[6] Cf. Atos 1:6. N do T.

Nenhum comentário:

Postar um comentário