Interpretação de Números 9

Interpretação de Números 9

Interpretação de Números 9


Números 9
I. Primeira Páscoa Comemorativa e Primeira Páscoa
Suplementar. 9:1-14.
A Páscoa original foi comemorada quando Israel saiu do Egito, no primeiro mês, no mês quando a cevada ('eibib) acabava de amadurecer. Agora o povo celebrava a primeira Páscoa (pesah) em comemoração a este acontecimento, começando com o décimo quarto dia do primeiro mês do segundo ano. O propósito desta seção não é falar da Páscoa, mas falar de uma provisão feita por aqueles que não foram capazes de comemorar a Páscoa. Por isso esta seção foi inserida aqui, pois a guarda desta Páscoa suplementar começou no décimo quarto dia do segundo mês, um mês e meio depois da data inicial do livro. Israelitas fiéis que tinha se isolado devido à contaminação por causa de um morto ou que estivessem de viagem durante a comemoração regular da Páscoa, pediram a Moisés que tivessem permissão de fazer esta oferta ao Senhor.
Moisés foi instruído pelo Senhor a que desse essa permissão com a condição de que todos os que fossem comemorar a Páscoa com atraso de um mês, tivessem motivos legítimos. Deus ainda advertiu severamente que qualquer uru que negligenciasse a guarda da Páscoa no devido tempo seria eliminado do meio do povo. No segundo dia desta segunda Páscoa a nuvem começou a levantar-se de cima do Tabernáculo e o povo começou a se preparar para a viagem (10:11).
1. No mês primeiro (Êx. 12:2; 13:4; Dt. 16:1). Este mês, o tempo em que a cevada ('eibib) acabava de amadurecer, era na primavera, tempo em que a Páscoa sempre foi comemorada. Depois do Exílio (587 A.C.) os israelitas gradualmente adotaram o calendário da Babilônia e o tem usado desde então Ro'sh Hasheina (o atual “Ano Novo” dos judeus) comemora-se no outono, segundo a contagem babilônica. Embora este fato histórico não seja conclusivo ajuda a refutar a teoria de que a maior parte do livro de Números foi escrito por sacerdotes pós-exílicos.
Os livros pós-exílicos da Bíblia, tais como Esdras, Neemias e Ester, mostram conhecimento do calendário babilônico. Antes desse período, os hebreus numeravam seus meses, e não lhes davam nomes, e também usavam termos relacionados com a agricultura como 'eibib, mas não terminologia cultual (cons. Gezer Calendar, BASOR 92; veja também comentário sobre Nm. 32).
2. A seu tempo. Esta é a mesma palavra que foi usada em relação ao Tabernáculo quando foi chamada de “tenda da congregação”, significando o lugar onde o povo se congregava segundo as instruções de Deus no devido tempo. Era à volta desta lei ritual do Tabernáculo que o povo de Israel vivia a sua vida religiosa. Quebrar estas leis dos tempos e lugares determinados era negar o Senhor e desacatar Sua mensagem revelada.
3. Ao crepúsculo. Literalmente, entre as duas tardes. Assim como o termo “dual” da palavra “esplendor” (seihar) se refere ao ponto alto do sol que nós chamamos de meio-dia, o termo dual da palavra “tarde” ('ereb) se refere àquela meia luz que chamamos de crepúsculo. Provérbios 7:9 equipara este período com o crepúsculo em contraste com o meio da noite.
6. O cadáver de um homem. Uma interessantíssima expressão hebraica, porque a palavra geralmente traduzida para “alma” pela E.R.A., tem desta vez o significado de “cadáver”. A palavra nepesh é mais frequentemente usado em conjunto com as funções animais do corpo, as paixões e os apetites, mais do que em referência à existência imaterial. Em Gênesis, os animais (2:19), tal como os homens (2:7), são chamados de nepesh haya, “criaturas viventes (seres, vidas)”. E em Dt. 12:23, 24 nepesh é o principio da vida que está no sangue (cons. também Pv. 12:10, Êx. 21:23). A palavra geralmente representa o “ego” ou a “pessoa” e geralmente está associada com o corpo. Isto é verdade quanto ao SI. 16:10, onde a ressurreição – não a imortalidade espiritual – é o que está se considerando (cons. Atos 2: 27-31). À luz disto não é difícil compreender como nepesh 'eideim, “o ser humano”, veio a significar “cadáver”.
12. Não quebrarão osso algum. Entre as leis da Páscoa inclui-se este detalhe mais ou menos pequeno, que também foi ordenado em Êx. 14:46. A insignificância desta regra, que não está mencionada em nenhuma outra passagem do V.T., reforça o seu cumprimento como prova de que o Cristo do Calvário era verdadeiramente o Cordeiro Pascal de Deus, que tira o pecado do mundo (Jo. 19:36).
13. Tal homem levará sobre si o seu pecado. Se ele trouxesse a oferta ao Senhor, aquele cordeiro levaria o seu pecado; mas se ele negligenciasse esta oferta, ele mesmo levaria o seu pecado. O que se tem em vista aqui é a expiação substitutiva, pois o substituto indicado por Deus devia levar o pecado do homem, se este homem quisesse permanecer como objeto do favor divino.
14. Se um estrangeiro . . . celebrar a páscoa. Sempre se faria provisão pelos convertidos (prosélitos), mas todos eles tinham primeiro de se tornarem israelitas por meio da ordenança da circuncisão (Êx. 12:48, 49).
1. A Nuvem sobre o Tabernáculo. 9:15-23.
A presença da nuvem não era experiência nova para os israelitas (Êx. 13:21, 22). Agora que o Tabernáculo estava de pé, a nuvem tomou sua posição em cima dele. Através dos movimentos da nuvem o povo se lembrava de que devia partir novamente (Nm. 10:11, 12). (Os tradutores da LXX tropeçaram aqui na redundância e deixaram de fora algumas frases. O estilo repetitivo não é mero maneirismo literário, mas um meio de se enfatizar a importância da orientação divina. Para os israelitas o movimento da nuvem era o mandamento do Senhor. Por ela deviam viajar e por ela deviam acampar. Quer ela repousasse apenas uma noite, ou dois dias, um mês ou muito tempo, eles só deviam repousar ou caminhar com ela, em indiscutível obediência a Deus. Dentro de uru tempo muito curto, falharam nisso miseravelmente.
16. Assim era de continuo: a nuvem o cobria. Isto é o começo de uma narrativa de acontecimentos passados ou instrução (v. 17) sobre como os israelitas deviam agir no futuro? Considerando que em hebraico o tempo dos versos é geralmente obscuro, basta dizer que os verbos nesta passagem descrevem uma situação contínua.
20. Às vezes a nuvem ficava poucos dias sobre o tabernáculo. Segundo a interpretação acima, podemos traduzir este versículo assim: “E às vezes a nuvem ficava apenas alguns dias sobre o Tabernáculo; de acordo com a palavra do Senhor eles acampavam e então de acordo com a palavra do Senhor eles viajavam”.
22. Ou um ano. A E.R.C. geralmente traduz a palavra hebraica “dias” por “um ano”. Gênesis 24:55 mostra que esta palavra significa um certo número de dias, possivelmente dez; mas geralmente significa mais de um mês.

Índice: Números 1 Números 2 Números 3 Números 4 Números 5 Números 6 Números 7 Números 8 Números 9 Números 10 Números 11 Números 12 Números 13 Números 14 Números 15 Números 16 Números 17 Números 18 Números 19 Números 20 Números 21 Números 22 Números 23 Números 24 Números 25 Números 26 Números 27 Números 28 Números 29 Números 30 Números 31 Números 32 Números 33 Números 34 Números 35 Números 36