Explicação de Ezequiel 37

Explicação de Ezequiel 37

Explicação de Ezequiel 37




Ezequiel 37 

37.1 A mão do Senhor. A influência de Deus, em certos momentos, neutraliza a personalidade do profeta para conceder-lhe uma revelação que nada de humano contém (Ez 1.3; 33.22; 40.1).
• N. Hom. 37.9 Profetiza ao Espírito. O objetivo do ato de profetizar é, invariavelmente, fazer alguém escutar a palavra de Deus (4). “A fé vem pela pregação, e a pregação pela palavra de Cristo” (Rm 10.17). A palavra traduzida por “pregação” é “ouvir”, no original. Fazer alguém ouvir a palavra produz a fé que justifica para a vida eterna (Rm 5.1), e também põe o ouvinte em contato com o Espírito Santo, com Sua obra tríplice de inspirar as palavras da Bíblia, converter o homem a Cristo e santificar o convertido, inculcando-lhe no íntimo o pleno sentido da palavra.
37.11 Aqui vem a aplicação imediata da mensagem; os prisioneiros israelitas, sem nenhuma força política, haveriam de formar uma nação; sem nenhuma força moral, iam vencer a idolatria e formar uma religião pura. Isto se faria não por força, nem por poder, porém pelo Espírito do próprio Deus (Zc 4.6).
37.12 Ó povo meu. Este grupo é o povo do cativeiro, nada tendo a ver com os rebeldes que viviam tramando idolatria e política internacional, nos anos anteriores à queda de Jerusalém, e que já agora não mais existiam; a estes, Deus nunca chamou de “povo meu”. Veja 34.17n.
37.13 A expressão figurada refere-se ao povo “enterrado” na Babilônia, que ficava sem expressão política e religiosa. É claro, porém, que dar vida aos que morrem dia a dia nos seus delitos, e a ressurreição final dos mortos, coisas que pertencem à primeira e à segunda vindas de Cristo, propiciarão a todos os seres no universo o conhecimento de Deus (Fp 2.9-11), não no sentido de salvação universal mas de submissão ao Senhor.
37.14 Porei em vós o meu Espírito. A promessa para os tempos imediatos .é a revelação do poder de Deus na restauração física e coletiva de Israel: a vinda do Consolador ainda estaria no futuro (Jo 14.16-17).
37.16 Judá. Os homens de Judá também se chamam “filhos de Israel”, sendo membros das doze tribos. José. Era um dos doze filhos naturais de Israel, mas visto que Levi era pai dos sacerdotes e levitas, e não contava como tribo, ambos os filhos de José, Efraim e Manassés, deram seu nome a uma tribo. Efraim passou a ser: a maior, das dez tribos que se separaram e por isso o seu nome, muitas vezes, já representava o reino destas dez.
37.20 Ezequiel ainda está usando métodos audiovisuais, parábolas ensinadas por meio de atos visíveis. O sentido desta reunião dos israelitas nota-se na expressão “aliança de paz” (26) e “o meu tabernáculo estará com eles” (27), cujo cumprimento só se acha na obra de Jesus Cristo (Ef 2.11-22; Ap 21.1 -8).

Índice: Ezequiel 1 Ezequiel 2 Ezequiel 3 Ezequiel 4 Ezequiel 5 Ezequiel 6 Ezequiel 7 Ezequiel 8 Ezequiel 9 Ezequiel 10 Ezequiel 11 Ezequiel 12 Ezequiel 13 Ezequiel 14 Ezequiel 15 Ezequiel 16 Ezequiel 17 Ezequiel 18 Ezequiel 19 Ezequiel 20 Ezequiel 21 Ezequiel 22 Ezequiel 23 Ezequiel 24 Ezequiel 25 Ezequiel 26 Ezequiel 27 Ezequiel 28 Ezequiel 29 Ezequiel 30 Ezequiel 31 Ezequiel 32 Ezequiel 33 Ezequiel 34 Ezequiel 35 Ezequiel 36 Ezequiel 37 Ezequiel 38 Ezequiel 39 Ezequiel 40 Ezequiel 41 Ezequiel 42 Ezequiel 43 Ezequiel 44 Ezequiel 45 Ezequiel 46 Ezequiel 47 Ezequiel 48