sexta-feira, julho 27, 2018

João 2 — Explicação Fácil

João 2 — Explicação Fácil

João 2 — Explicação Fácil

2:1 De acordo com os costumes do casamento judaico, o noivado durava cerca de um ano. À noite, a noiva foi levada para a casa do noivo para a cerimônia, seguida de um jantar. As festividades geralmente duravam mais de um dia. A mãe de Jesus, Maria, pode ter sido responsável pelos arranjos. (Veja também v. 5.) Seu nome nunca aparece no evangelho de João; ela é apenas referida como a mãe de Jesus. Caná é apenas cerca de sete milhas ao norte de Nazaré. Jesus participou do casamento, abençoando a ocasião festiva e alegre. Alguns de seus discípulos também compareceram - André, Simão, Filipe, Natanael e João. Sua presença em tais funções legítimas levou os fariseus a chamar Jesus de “bebedor de vinho”.

Caná da Galileia é uma aldeia a oeste do mar da Galileia. É mencionado apenas no evangelho de João e apenas em três ocasiões. Primeiro, é identificado como o lugar onde Jesus realizou seu primeiro milagre - mudar a água para o vinho (vv. 1, 11). Segundo, aqui Jesus falou a palavra que curou o filho de um nobre que adoeceu em Cafarnaum (4:46–54). Em terceiro lugar, Caná é nomeada como a cidade natal de Natanael (21:2). A localização geográfica exata de Caná ainda não foi apurada, mas dois locais são comumente propostos. O primeiro é cerca de quatro quilômetros a nordeste de Nazaré. O segundo, que a maioria dos estudiosos identifica como a provável localização da antiga vila, fica a 14 quilômetros ao norte de Nazaré. Ele tem o título árabe Khirbet Qana, altamente reminiscente do nome bíblico.

2:4 O termo mulher em grego (gunē) é de respeito (cf. 19:26). A minha hora ainda não chegou (cf. 7:8, 30; 8:20; 17:1) refere-se a Sua hora de crucificação, Sua maior preocupação. Ainda não era tempo de revelar a sua messianidade (cf. 8:20).

2:6 Os potes eram normalmente usados para lavar os pés. Eles tinha cerca de nove galões, então cada pote tinha entre 18 e 27 galões (capacidade total: 108 a 162 galões).

2:9 Muito tem sido escrito sobre o vinho que Jesus criou. Oinos é a palavra do Novo Testamento para o fruto da videira, mas nada implica em fermentação. Tudo o que Jesus recria (água) é melhor do que era e melhor do que o homem pode fazê-lo (vinho fermentado).

2:11 Os milagres de Jesus sempre tiveram um propósito. Este milagre resultou na manifestação da Sua glória (cf. 1:14), e na crença de Seus discípulos Nele (cf. 20:31).

2:14 Trocadores de dinheiro: Peregrinos em Jerusalém carregavam todo tipo de moeda, mas não traziam animais para sacrifícios. Trocas e compras poderiam ser feitas no templo.

2:15 Conduziu todos: Os evangelhos sinópticos relatam que Jesus limpou o templo, mas somente durante a última semana antes da crucificação (Mt 21:12-27; Mc 11:15-33; Lc 19:45-20:8). Somente João descreve tal limpeza no início do ministério de Cristo.

2:23-25 Muitos acreditaram em Jesus quando testemunharam Seus milagres, mas Jesus não confiou Seu destino a suas mãos, pois Ele sabia o que havia no homem. A mesma palavra, pisteuō (“acreditar”, ou “cometer”), é usada nos versos 23 e 24. Jesus conhecia os corações dos homens. Isso é ilustrado por suas entrevistas subsequentes com Nicodemos, a mulher no poço e o nobre.