2018/08/09

João 16 – Contexto Histórico Cultural

Contexto Histórico Cultural



João 16

16:1-4
A Missão do Consolador

16:1. Advertência antecipada foi útil; cf. comentário em 13:19.

16:2–4. Os cristãos nos dias de João estavam sendo expulsos de muitas sinagogas locais, talvez sob a influência da propaganda farisaica palestina (veja a introdução de João; cf. comentário em 9:34 e 12:42). Os não-cristãos judeus hostis na Ásia Menor não parecem ter matado diretamente os cristãos; mas a participação deles nas mortes dos cristãos não foi menos significativa. Ao trair os cristãos judeus às autoridades romanas e alegando que os cristãos não eram judeus, eles deixaram os cristãos sem nenhuma isenção legal de adorar o imperador. Preocupados com o fato de que os cristãos eram um movimento messiânico e apocalíptico que poderia colocá-los em problemas com Roma, muitos líderes de sinagogas podem ter pensado que a traição deles aos cristãos protegeria o resto de sua comunidade (cf. 11:50). Sobre a perseguição sendo vista como adoração a Deus, ver Isaías 66:5.

16:5–15
A testemunha do espírito

O Espírito testifica de Jesus ao mundo (16:8-11, duplicando o testemunho terreno de Jesus) e aos seguidores de Jesus (16:13-15). Os opositores dos leitores de João não alegavam ter o Espírito ou ouvir o Espírito falando aos seus corações como ele havia falado aos profetas (muitos podem ter afirmado que se sentiam próximos de Deus, mas não afirmam ouvi-lo diretamente, em contraste com Cristãos e alguns visionários apocalípticos). João encoraja seus leitores que seu relacionamento íntimo e pessoal com Deus no Espírito os distingue de seus oponentes.

16:5–7. O Advogado chega aos crentes, o que implica que o seu ministério para o mundo (16:8-11) é através deles (cf. Ne 9:30). Essa ideia se encaixa no Antigo Testamento comum e posteriormente na perspectiva judaica do Espírito de Deus como o Espírito de profecia.

16:8-11. O defensor dos crentes se torna um “promotor” do mundo, como às vezes no Antigo Testamento (Jr 50:34; 51:36; Lam 3:58-66; cf. Sl 43:1; 50:8). Muitos judeus acreditavam que Deus faria Israel prevalecer sobre as nações antes de seu tribunal no dia do julgamento; para João, o julgamento já começou (Jo 3:18-19). Os tribunais romanos não tinham promotores públicos e dependiam de uma parte interessada para fazer acusações, embora retóricos treinados então debatessem em nome daqueles que podiam pagar por eles. O Espírito aqui traz acusações contra o mundo perante a corte celestial de Deus (ver Mt 5:22).

Os versículos 9–11 provavelmente significam que a descrença do mundo constituiu seu pecado; Cristo sendo o Advogado celestial (1 João 2:1) constituiu a justiça dos crentes; e o julgamento do governante do mundo (ver comentário em 12:31) significava o julgamento do mundo. Assim, para João, não é Jesus e seu povo (caps. 18-19), mas o mundo que está sendo julgado. Pode-se comparar um motivo comum nos profetas do Antigo Testamento: o processo da aliança onde Deus convoca seu povo para dar conta da quebra do pacto.

16:12-13. Os Salmos falam de Deus guiando seu povo em verdade, em seu caminho de fidelidade (Sl 25:5; 43:3; cf. 5:8); em João, esta linguagem implica uma revelação mais completa do caráter de Jesus (14:6). O Espírito se relacionará com os discípulos como Jesus (15:15), de modo que o relacionamento dos crentes com Jesus nos dias de João (e nas gerações subsequentes) não seja menos íntimo do que os relacionamentos com ele antes da cruz.

16:14-15. Essa intimidade (v. 13) é expressa em uma partilha de posses que caracterizava a amizade ideal na antiguidade (ver comentário em 15:15); o ponto da linguagem neste contexto, entretanto, é que Deus compartilha seu coração com todo o seu povo, como ele uma vez compartilhou sua palavra com seus profetas (Gn 18:17; Amós 3:7).

16:16-33
Vendo Jesus novamente

Depois de sua ressurreição, Jesus voltaria aos discípulos para transmitir vida (14:18-19), e através do dom de seu Espírito permaneceria com eles para sempre (20:19-23).

16:16-22. As mulheres frequentemente morrem no parto. Os profetas comumente usaram dores de parto como uma imagem de sofrimento, muitas vezes decorrente do julgamento (Is 13:8; 21:3; 26:17; 42:14; Jr 4:31; 6:24; 13:21; 22:23 30:6; 49:22-24; 50:43; Miq 4:9-10; cf. Sl 48:6). Em alguns textos do Antigo Testamento, essas dores significaram as dores do parto de uma nova era messiânica (Is 66:7-10; Miq 5:1-4; cf. Is 9:6; 53:12-54:1; 62:5; Os 13:13-14).

O judaísmo primitivo às vezes chegava a aplicar essas dores de parto especificamente ao período final de sofrimento antes do fim dos tempos, que seria seguido pela ressurreição dos mortos. O túmulo de Jesus é o útero de sua ressurreição e sua ressurreição inaugura uma nova era. A ressurreição de Jesus significa que a vida do mundo vindouro está agora disponível aos discípulos no presente (ver comentário em 3:16).

16:23-24. Veja o comentário em 14:12–14, especialmente sobre o uso do “nome” na oração.

16:25-28. Seguindo a tradição de sabedoria do Antigo Testamento, os professores judeus costumavam usar provérbios e enigmas. Embora os discípulos não estejam preparados para o pleno entendimento do novo relacionamento com Deus descrito por Jesus (16:12), ele está preparando-os.

16:29-30. No contexto do Quarto Evangelho, que Jesus conhece a questão deles antes que eles perguntem revela sua percepção especial; veja comentários em 1:42 e 2:24–25.

16:31-32. A dispersão de ovelhas pode se referir a Zacarias 13:7 (cf. Mt 26, 31). O Antigo Testamento frequentemente relata que o rebanho de Deus foi espalhado por falta de um pastor devotado (cf., Is 53:6; Jr 23:1; 50:17; Ez 34:6, 12, 21), como se esperaria com rebanhos (por exemplo, Sl 119:176; 1 Macc 12:53).

16:33. Este versículo revela a situação dramática dos primeiros cristãos que reconheceram que a vitória final viria, como profetas e professores judeus disseram, quando o Messias vier no futuro; mas eles também reconheceram que o Messias já havia chegado e, portanto, havia inaugurado o triunfo no meio da tribulação atual.

Índice: João 1 João 2 João 3 João 4 João 5 João 6 João 7 João 8 João 9 João 10 João 11 João 12 João 13 João 14 João 15 João 16 João 17 João 18 João 19 João 20 João 21

Nenhum comentário:

Postar um comentário