2009/06/16

Comentário de João 9:23-25

9:23 - Portanto, disseram seus pais: ele é de idade,... Veja as notas de Gill em João 9:21.comentario do evangelho de João, comentario biblico

9:24 - Então, novamente, chamaram o homem que era cego,… Que tinha sido cego. Depois que eles examinaram seus pais, e não puderam conseguir nada deles para seu propósito, eles tentaram uma segunda vez o que eles poderiam fazer com o seu filho:

E lhe disseram: dá louvor a Deus,... Uma expressão usada quando confissão de pecado era exigida; ver Jos. 7:19; e este pode ser o significado aqui; confessar a fraude e impostura diante do Deus Onisciente, o pesquisador dos corações, e fazê-lo para a Sua glória e perfeição. Uma única e a mesma palavra, ידה, significa tanto confessar a verdade de qualquer coisa, como uma ação pecadora, Pro. 28:13, e dar graças e louvor a Deus por qualquer misericórdia e bênção, Sal. 45:17. Alguns tomam isso como sendo a forma de um juramento, e que os fariseus usavam pelo Deus vivo, de que ele iria dizer a verdade, e descobrir as trapaças e conluio utilizado, neste caso, do recebimento de sua visão e com o pensamento de dissuadi-lo de falar deste benefício que ele tinha recebido de Cristo, especialmente de modo a refletir eventuais honra ao autor do mesmo. Ou pode ser o sentido, se isso realmente é a questão de fato, ‘que tu nascido cego, e quem recebeu vista,’ por meio deste homem, dá toda a glória a Deus, a quem por si só é devido, e não para ele. Deus, por vezes, usa ímpios como instrumentos, quando a glória do que é feito não deveria ser atribuída a eles, mas para ele.

Sabemos que esse homem é um pecador;… Isso eles concluíam por causa da quebra do dia de Sábado, como eles pensavam; embora eles repudiassem seu caráter, e acusarem ele de outras coisas, ainda que de forma falsa; veja Mat. 11:19; nem podiam eles provar um único exemplo de pecado nele, embora eles expressassem aqui com tanta segurança.

9:25 - Ele respondeu e disse,… Ou seja, o homem que tinha sido cego, que não se importou com a confissão que eles o pressionaram a dar, que é o que ele não poderia fazer; não havendo nenhum complô nesse caso, ele apenas replica com respeito ao caráter que eles lhe deram de seu benfeitor.

Se ele é um pecador ou não, eu não sei: Ou “se ele é um pecado eu não sei”, como a versão da Vulgata Latina verte, sugerindo que ele não sabia que ele era um pecador; ele não poderia culpá-lo de ser pecador; ele não poderia se juntar com eles em dizer que ele era um pecador; nem pensava ou acreditava que ele fosse isso: portanto, ele estava certo de que ele tinha feito uma boa ação a ele, e nisso não podia haver pecado; e que prova eles tinham de sua pecaminosidade, ele não poderia dizer: e se qual for, ele acrescenta:

Uma coisa eu sei, considerando que eu era cego, agora eu vejo;... Como se ele dissesse, o que vocês trazem como acusações contra a pessoa que fez-me este favor, que não sou capaz de responder agora, vocês não podem me convencer do contrário, estou certo de que, uma vez que eu não tinha visão nos meus olhos, agora eu tenho, e que por meio deste homem vocês censuram. E assim é com pessoas esclarecidas no sentido espiritual, qualquer que sejam as coisas que eles podem ser ignorantes, embora possam não saber a hora exata da sua conversão, nem tenham tanta luz do Evangelho e do conhecimento como outros, ou serem capazes de expressar por si mesmos, ou de Deus sobre eles, como alguns podem, nem disputar com um adversário pelas verdades do Evangelho, ou que tenham garantia de que a fé, e as descobertas do amor de Deus, e a aplicação de tais grandes e preciosas promessas que outros fizeram, mas eles sabem isto, uma vez que eram cegos, como para o conhecimento das coisas espirituais, como a salvação de um conhecimento de Deus em Cristo, como a uma verdadeira visão e sentido em si, dos seus pecados e condição perdida, quanto à forma de justiça e de salvação por Cristo, ou a obra do Espírito de Deus sobre suas almas, ou quanto a qualquer verdade e discernimento espiritual das Escrituras, e as doutrinas da graça neles: mas agora eles são confortavelmente assegurados, de que eles veem o pecado, a praga de seu próprio coração, a insuficiência da sua justiça para justificá-los perante Deus, e pela beleza, riqueza, e capacidade de Cristo como Salvador, e que a sua salvação é, e deve ser pela graça, e que veem as verdades do Evangelho em uma outra função que não o fizeram antes, e passam a ter alguns vislumbres da eterna glória e felicidade, na esperança de que se regozijem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário