2015/10/15

Adão e Eva no Novo Testamento

Adão funciona em uma variedade de maneiras, a partir de um componente em listas genealógicas simples (Lc 3:38; Jd 14) para uma verdadeira figura da ressurreição de Cristo (1 Cor 15: 45-49).

1.1. Imago Dei. De acordo com Gênesis 1:26-27 macho e fêmea foram criados à imagem e semelhança de Deus. O autor da carta de Tiago refere-se a esta imagem para proscrever xingamentos aos outros seres humanos “que são feitos à semelhança de Deus” (Tg 3:9). Paul, no entanto, tende a interpretar o portador dessa imagem não agora como Adão, mas como Cristo, a quem os crentes devem ser conformados (Rm 8:29; 2 Co 4: 4; cf. Fl 2, 5-11; Cl 1:15-20; 3: 9-10; Ef 4: 22-24).

1.2. Pecado. A associação dominante no NT é entre o par primordial e a origem do pecado. A longa descrição do pecado humano em Romanos 1:18-32, que é salpicado com alusões a Gênesis 1-3, é sintetizada em Romanos 3:23 em uma descrição sumária da situação de Adão — “todos pecaram e ficam aquém da a glória de Deus” — e interpretado de novo na imputação a Adão da origem do pecado e a propagação da morte em Romanos 5:12-21 (cf. Rm 7: 7-25). Da mesma forma, Paulo contrasta Adão e Cristo em 1 Coríntios 15:20-22 e seus respectivos corpos (com base na exegese do Gn 2:7), em 1 Coríntios 15:45-49. O autor das Epístolas Pastorais atribuiu o pecado a Eva, pois “Adão não foi enganado, mas a mulher foi enganada e caiu em transgressão” (1 Tm 2: 13-14).

1.3. Transformação. Alusões a Gênesis 1-3 em 2 Coríntios 3:4-4:6 sugerem quão integralmente Paul interpreta as narrativas da criação em um esforço para descrever o poder transformador de Cristo. Ele traça o paralelo, por exemplo, entre a criação e conversão: “Pois é Deus que disse: ‘Das trevas, deixem brilhar a luz’, que brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, o rosto de Jesus Cristo” (2 Co 4:6). Na verdade, muitas partes do NT são caracterizadas por contrastes, todas as quais podem ser informadas pela concepção da vida “em Adão” em contrastes com a vida “em Cristo”. (Esses contrastes jazem na capacidade de traduzir a palavra hebraica ˒ādām quer como “humano” ou “Adão”) O crente é mencionado como uma “nova criação” (Gl 6:15; 2 Co 5:17); consequentemente, a idade humana (vida adâmica), deve ser suplantada pelo novo ser humano (Rm 6:6), que é renovado de acordo com a imagem e semelhança de Deus (Cl 3: 9-10; Ef 4:22-24). Este novo ser humano também pode ser entendido corporativamente como uma reconciliação de judeus e gentios (Ef 2: 13-18).

1.4. Escatologia. Como a corrupção física caracteriza a era atual, de acordo com Paulo, assim será ressuscitado, a existência escatológica traz em sua sucessão o esquecimento do pecado e da morte e a restauração do paraíso edênico. O mundo, que está agora sujeito à decadência (Rm 8:19-22), será transformado no futuro aparecimento de Jesus (Rm 8:18; cf. Ef 1:9-10; Cl 3:1-4).

1.5. Casamento. A declaração de casamento em Gênesis 2:24 reaparece no NT — nos Evangelhos em conjunto com Gênesis 1:27 como afirmação de Jesus sobre a inviolabilidade do casamento (Mc 10, 6-9; Mt 19: 4-6), em 1 Coríntios 6:16 para provar que a união sexual com uma prostituta é a união de dois em uma só carne, e em Efésios 5:31 para reforçar a analogia estabelecida entre o casamento humano e o amor de Cristo pela Igreja. Além disso, a criação da mulher a partir do homem funciona em duas passagens espinhosas, 1 Coríntios 11:2-10 e 1 Timóteo 2:11-15, para sugerir a prioridade e liderança do marido sobre a esposa, embora o argumento de Paulo reflita, pelo menos, um nível elevado de ambivalência em relação a esta avaliação do casamento (por exemplo, 1Co 11:11; ver DPL, Adão e Cristo).[1]





[1]Porter, S. E., & Evans, C. A. (2000). Dictionary of New Testament Background : A compendium of contemporary biblical scholarship (electronic ed.). Downers Grove, IL: InterVarsity Press.

Nenhum comentário:

Postar um comentário