2019/08/23

Apocalipse 21 — Explicação das Escrituras

Apocalipse — Explicação das Escrituras

Apocalipse 21 — Explicação de Apocalipse




Apocalipse 21

Todo o capítulo 21 de Apocalipse, e os cinco primeiros versículos do Apocalipse 22, referem-se a cenas além do julgamento, e são descritivos do estado feliz e triunfante da igreja redimida, quando todos os seus conflitos devem ter cessado e todos os seus inimigos deve ter sido destruído. Esse estado feliz é retratado à imagem de uma bela cidade, da qual Jerusalém era o emblema, e foi revelado a João por uma visão daquela cidade - a Nova Jerusalém - descendo do céu. Jerusalém era considerada a morada única de Deus e, para os hebreus, tornou-se assim o emblema ou símbolo natural do mundo celestial. Ocorreu a concepção de descrever a condição futura dos justos sob a imagem de uma bela cidade, tudo o que se segue deve “manter-se” a isso, e é apenas uma realização da imagem. É uma cidade com belas muralhas e portões; uma cidade que não tem templo - pois tudo é um templo; uma cidade que não precisa de luz - pois Deus é sua luz; uma cidade em que nada impuro jamais entra; uma cidade cheia de árvores, riachos, fontes e frutas - o “Paraíso Recuperado”.

A descrição desse estado abençoado compreende as seguintes partes:

I. Uma visão de um novo céu e uma nova terra, como a morada final dos bem-aventurados, Apocalipse 21:1. O primeiro céu e a primeira terra faleceram no julgamento Apocalipse 20:11-15, para serem sucedidos por um novo céu e terra adequados para serem a morada dos abençoados.

II Uma visão da cidade santa - a Nova Jerusalém - descendo do céu, como a morada dos remidos, preparada como uma noiva adornada para seu marido - representando o fato de que Deus realmente viveria com os homens, Apocalipse 21:2-4. Agora todos os efeitos da apostasia cessarão; todas as lágrimas serão enxugadas e nesse estado abençoado não haverá mais morte, nem tristeza nem dor. Este contém a declaração “geral” do que será a condição dos remidos no mundo futuro. Deus estará lá; e toda tristeza cessará.

III Um comando para registrar essas coisas, Apocalipse 21:5.

IV. Uma descrição geral daqueles que devem habitar naquele futuro mundo de bem-aventurança, Ap 21:6-8. É para todos os que têm sede; para todos que desejam, e anseiam por isso; para todos que “vencem” seus inimigos espirituais, que mantêm um conflito constante com o pecado e obtêm uma vitória sobre ele. Mas todos os que são medrosos e incrédulos - todos os abomináveis, e assassinos, e feiticeiros, e idólatras e mentirosos - terão sua parte no lago que arde com fogo e enxofre. Ou seja, esse mundo será puro e santo.

V. Uma descrição minuciosa da cidade que representa a morada feliz dos remidos, Apocalipse 21:9-26. Esta descrição abrange muitos detalhes:

(1) Sua aparência geral, Apocalipse 21:11, Apocalipse 21:18, Apocalipse 21:21. É brilhante e esplêndido - como uma preciosa pedra de jaspe, clara como cristal e composta de ouro puro.

(2) Suas paredes, Apocalipse 21:12, 18. As paredes são representadas como “grandes e altas” e compostas de “jaspe”.

(3) Seus portões, Ap 21:12-13, 21. Os portões são doze em número, três de cada lado; e cada um é composto por uma única pérola.

(4) Seus fundamentos, Apocalipse 21:14, 18-20. Existem doze fundamentos, correspondentes ao número dos apóstolos do Cordeiro. Todos eles são compostos de pedras preciosas - jaspe, safira, calcedônia, esmeralda, sardônia, sardio, crisólito, berila, topázio, crisopraso, jacinto e ametista.

(5) seu tamanho; Apocalipse 21:15-17. É quadrado - o comprimento é tão grande quanto a largura, e a sua altura é a mesma. A extensão de cada dimensão é de doze mil pés - um comprimento de cada lado e uma altura de trezentos e setenta e cinco milhas. Parece, no entanto, que, embora a “cidade” tivesse essa altura, a “muralha” tinha apenas cento e quarenta e quatro côvados, ou cerca de duzentos e dezesseis pés de altura. A ideia parece ser que a cidade - as habitações dentro dela - se erguia bem acima do muro que foi lançado ao redor dela para proteção. Isso não é incomum em cidades cercadas por muros.

(6) Sua luz, Apocalipse 21:23-24; Apocalipse 22:5. Não precisa do sol, nem da lua, nem de uma lâmpada. Apocalipse 22:5 para iluminá-lo; e ainda não há noite lá, Apocalipse 22:5, pois a glória de Deus lhe ilumina.

(7) É uma cidade sem templo, Apocalipse 21:22. Não há um lugar nele que seja especialmente sagrado, ou onde a adoração a Deus seja comemorada exclusivamente. Será tudo um templo, e a adoração a Deus será celebrada em todas as partes.

(8) Está sempre aberto, Apocalipse 21:25. Não haverá necessidade de fechá-lo, pois as cidades muradas da Terra estão fechadas para manter os inimigos afastados, e não será fechada para impedir que aqueles que habitam lá saiam e entrem quando quiserem. Os habitantes não serão prisioneiros, nem correrão perigo, nem ficarão alarmados com a perspectiva de um ataque de um inimigo.

(9) Seus habitantes serão todos puros e santos, Apocalipse 21:27. De maneira alguma entrará ali algo que contamine, ou que pratique abominação, ou que seja falso. Só devem morar lá cujos nomes estão escritos no livro da vida do Cordeiro.

(10) seus compartimentos e arredores, Apocalipse 22:1-2. Uma corrente de água pura como cristal procede do trono de Deus e do Cordeiro. Esse córrego flui pela cidade e, nas suas margens, está a árvore da vida que constantemente produz frutos - frutos a serem desfrutados livremente. É o Paraíso recuperado - uma morada sagrada e bela, da qual o jardim do Éden era apenas um emblema imperfeito, onde não há proibição, como havia lá, de qualquer coisa que cresça e onde não há perigo de cair em pecado.

(11) é um lugar livre, consequentemente, da maldição que foi pronunciada sobre o homem quando ele perdeu as bênçãos do primeiro Éden e quando foi expulso das felizes moradas onde Deus o colocara.

(12) é um lugar onde os justos reinarão para sempre, Apocalipse 22:5. A morte nunca entrará lá, e a presença e a glória de Deus preencherão todos com paz e alegria.



Notas sobre Apocalipse 21

21.1 Novo (gr kainos “novo em qualidade além de novo temporalmente” cf. 20.11). Contemplamos um universo de tipo diferente no qual não há necessidade do Sol, da lua e das estrelas (v. 23). O mar já não existe. Talvez o mar simbolize a desordem, o conflito, a, maldade. O sentido seria que o mal é excluído da nova ordem. Bem pode ser literal esta visão da nova criação (cf. Rm 8.19-22). Em oposição ao pensamento filosófico grego que separa o mundo material da ordem espiritual, a Bíblia consistentemente ensina que o homem viverá eternamente sobre a terra redimida, perfeitamente adaptada à felicidade dos remidos.
21.2 Cidade Santa. A Nova Jerusalém é a Igreja, preparada como noiva, prefigurando a união entre Deus e Seu povo salvo e purificado (cf. Ef 5.26-27). A separação em decorrência do pecado no jardim (Gn 3) está superada.
21.3 O tabernáculo de Deus. Significa que Deus passa a conviver com Seu povo (cf. a mesma palavra Jo 1.14). Deus constituiu Seus filhos em Reino e Sacerdócio, e estes passam a ter o direito de viver na Sua presença.
21.4 Todos os males decorrentes do pecado no mundo atual serão esquecidos no mundo novo (cf. 1 Jo 3.2).
21.8 Mentirosos. Especialmente os que negam que Jesus é o Cristo (1 Jo 2.22).
21.9 A noiva. A cidade santa (v. 10) é a noiva (v. 2); foi esta cidade que Abraão aguardava pela fé obediente, Hb 11.10-16; cf. Ap 21.22-24. Alguns intérpretes situam esta santa cidade durante o milênio por causa das referências às nações (v. 24; 22.2).
21.11 Jaspe cristalina. O povo santificado compartilha da glória do próprio Criador, que já se descreveu como semelhante ao jaspe (4.3). Provavelmente a pedra em vista seja o diamante (cf. Ez 43.5).
21.12 Doze portas. Simbolizam o ingresso dos salvos, os 144.000 mencionados em 7.4-8.
21.14 Doze fundamentos. Cada seção da cidade, entre cada porta, teria um fundamente diferente, simbolizando os doze apóstolos, os quais, juntamente com as doze tribos mencionadas no v. 12, representariam a coletividade cristã, e não membros individuais, por importantes que estes sejam (veja os vinte e quatro anciãos em 19.4n).
21.16 Quadrangular. Alguns acham que este símbolo reflete o conceito grego que o cubo, igual em comprimento, largura e altura, representa a perfeição. Outros lembram que o Santo dos Santos no Tabernáculo também era um cubo perfeito. É inegável a ênfase na ideia do completo do belo, da simetria e do tamanho impressionante, que aponta para a obra de Deus como Edificador do Seu povo e Construtor da Igreja glorificada (cf. Ef 2.1922).
21.18 Ouro... vidro límpido. Aponta para a preciosidade, beleza perpétua e pureza cristalina da Igreja na presença de Cristo. Nunca mais estará sujeita à sedução do diabo (Gn 3.1-7), nem à contaminação do pecado (v. 27)
21.22 Não vi santuário. A presença do templo em Jerusalém era uma lembrança perpétua de que todo o pecador carece da glória de Deus, e que precisada salvação (cf. Rm 3.23-24). Entrar no Santo dos Santos significava a morte imediata do transgressor. Na nova terra, todo lugar é lugar de plena comunhão entre Deus e os remidos (22.3).
21.23 Glória. Cristo é a glória manifesta de Deus Pai (Jo 1.14). Na nova existência celestial, não haverá necessidade de luz ou calor irradiados de uma fonte física, pois Deus é todo em tudo (Is 60.19).

1.24 As nações. As nações e os povos serão representados, gozando dos benefícios que a salvação ofereceu universalmente ao mundo inteiro (Is 60.3; Ap 5.9; 7.9). Os reis. Podem ser aqueles que se convertem antes do julgamento, ou talvez seja a ocasião na qual todo joelho se dobrará perante Jesus Cristo, inclusive os dos Seus inimigos e algozes (Fp 2.4-11).
21.25 Jamais se fecharão. A cidade santa não conhecerá escuridão e nunca poderá ser ameaçada por qualquer perigo (cf. Is 11.9-10).


Índice: Apocalipse 1 Apocalipse 2 Apocalipse 3 Apocalipse 4 Apocalipse 5 Apocalipse 6 Apocalipse 7 Apocalipse 8 Apocalipse 9 Apocalipse 10 Apocalipse 11 Apocalipse 12 Apocalipse 13 Apocalipse 14 Apocalipse 15 Apocalipse 16 Apocalipse 17 Apocalipse 18 Apocalipse 19 Apocalipse 20 Apocalipse 21 Apocalipse 22

Nenhum comentário:

Postar um comentário