2009/08/10

Comentário de John Gill: João 1:12

comentário do evangelho de joão

1:12 - Mas a tanto quantos o receberam,... Isso é explicado, na última parte do texto, por acreditar em seu nome; porque a fé é recebê-lo como a Palavra, e o Filho de Deus, como o Messias, Salvador, e Redentor; um recebimento de graça de sua plenitude, e cada benção dele, como retidão justificativa, perdão de pecados, e uma herança entre eles que são santificados; porque embora a generalidade o tenha rejeitado, houve poucos e alguns que o receberam:

E a eles deu poder para se tornar filhos de Deus;... Assim como eram tão cedo chamados, em distinção dos filhos dos homens, ou do mundo; veja Gên. 6:2. Ser os filhos de Deus é um favor muito especial, uma grande benção, e uma alta honra: os santos, de fato, não são, em tão grande sentido, Filhos de Deus assim como Cristo é; nem em tão baixo sentido como os anjos são; nem em tal sentido como os Magistrados civis; nem meramente pela profissão da religião; muito menos pela descendência natural; mas pela adoção da graça, e nisso, em Cristo, a Palavra, que é o ponto central, assim como todas as três pessoas divinas. O Pai predestinou os homens a adoção de Filhos, garantiu essa benção a eles no pacto da graça, aplicou essa benção a eles, e testemunhou a seus espíritos;
[1] mas, na verdade, derramou sobre eles o “poder”, como é aqui chamado, para tornarem-se Filhos de Deus: pela qual é significado, não o poder da livre vontade para fazerem de si mesmos Filhos de Deus, se eles farão uso disso; mas significa a honra e dignidade conferida a tais pessoas: Assim Nonnus o chama, “a honra celestial”; como de fato, o que poderia ser maior? É mais honroso do que ser filho ou filha da maior autoridade na terra: e é expressivo de ser um privilégio; porque é algo distinto e imerecido, e é assistido com muitos outros privilégios; porque tais são da casa de Deus e família, e são servidos por muitos; têm uma liberdade com ele; são os homens livres de Cristo, e são herdeiros de uma herança incorruptível. Esse é um privilégio que ultrapassa todos os outros, até mesmo a justificação e remissão dos pecados; e é algo eterno: e também dá a entender um direito aberto com o qual os crentes têm esse privilégio: como segue...

Porque acreditaram em seu nome;... Ou seja, nele mesmo, em Cristo, a Palavra: a frase é explanatória da primeira parte do versículo, e é descritiva de uma manifestação do caráter dos Filhos de Deus; porque embora o eleito de Deus, pela virtude da graça eleita, e o pacto da graça, sejam os Filhos de Deus diante da fé; e foram assim considerados a dádiva deles para com Cristo, e quando ele entrou no mundo para unir os seus, e salvá-los; e assim, antecedente ao Espírito de Deus, sendo enviados para seus corações, para fazer isso conhecido a eles; ainda assim nenhum homem pode saber de sua adoção, nem usufruir o conforto dela ou interesse nisso, até que eles acreditem.
______________

Notas
[1] Cf. Romanos 8:16. N do T.

Nenhum comentário:

Postar um comentário