2014/09/28

Comentário de Romanos 13:1-14 (J. W. Scott)

Comentário de Romanos 13:1-14 (J. W. Scott)

Comentário de Romanos 13



Romanos 13

Nesta segunda seção de admoestações, Paulo sai de assuntos puramente pessoais para o âmbito da moral política, e declara os deveres do cristão em face do Estado, assunto este relevantíssimo para os seus leitores romanos. O ponto de vista do apóstolo acerca do Estado, em relação com o crente, encerra o princípio da submissão cristã, que sempre tem sido reconhecida como da vontade divina, obrigatória à Igreja. As bases desta obediência aos poderes seculares podem ser expressas em três tópicos.

1. O GOVERNO CIVIL É INSTITUIÇÃO DIVINA (Rm 13.1-2) -Todo homem (1). Paulo exorta os cristãos romanos, não apenas como comunidade social, mas como indivíduos, que se sujeitem ao governo romano. O apóstolo sempre achará justos e prestativos os altos funcionários romanos, mas este fato não explica de todo o ditame inspirado sobre relações políticas. É a revelação divina para a Igreja em todas as épocas, da qual se fornecem fundamentos racionais. O primeiro é que toda autoridade procede elementarmente de Deus, e, por conseguinte, os poderes que existem são de origem e sanção divinas. Os governos têm seu lugar nos propósitos de Deus. Teologicamente, a doutrina é esta, que Igreja e Estado são fatores no reino de Deus, tendo cada qual sua função particular. O crente que se opõe à autoridade terrena está, de fato, desobedecendo a Deus. Por essa deslealdade, o rebelde incorrerá em juízo. Tem sido plausivelmente sugerido que no pensamento de Paulo, aqui, tanto judeus como gentios são encarados como possíveis, se não reais, opositores do governo. Os judeus em sua agressividade religiosa, e os crentes gentios, em seu dogmatismo cristão, podiam entregar-se a algum fanatismo exacerbado contra as autoridades que existem (1). Tal procedimento é condenado.

2. O GOVERNO CIVIL TEM A MISSÃO DE PROMOVER O BEM E PREVENIR O MAL (Rm 13.3-4) -A obediência às autoridades seculares é ordenada, ainda mais, por causa de servirem à justiça de Deus, que é o tema da epístola. Duas vezes aqui, Paulo diz que a autoridade secular é ministro de Deus (4), passando da idéia de sua ordenação divina para a de sua finalidade. O cristão deve obedecer ao magistrado porque a este, nas mãos de Deus, cumpre manter a ordem, louvando o bem e punindo o mal. Só os malfeitores é que temem diante dos juízes da terra, visto como estes estão do lado da justiça.

3. O GOVERNO CIVIL TEM A APROVAÇÃO DA CONSCIÊNCIA CRISTÃ (Rm 13.5-7) - Obediência às autoridades que existem é dever do cristão, não só por causa das consequências penais inevitáveis da oposição, senão por amor da consciência. A constituição moral do crente aprova o que a constituição moral do Estado realiza. Daí vem o dever de pagar impostos, devidos pelo fato de serem cidadãos de Roma, ou por serem um povo sob dominação (6). De fato, o apóstolo, ampliando o escopo da obrigação, declara que tudo quanto é devido deve ser pago (7; cfr. Mt 17.25; Mc 12.17; Lc 20.25).

Neste ponto, Paulo volta às exortações quanto às relações mútuas, seguindo o estilo do cap. 12. Acabou de dizer “Pagai a todos o que lhes é devido”, com o que volta ao princípio fundamental de toda ética, a lei do amor. O cristão tem uma dívida, denominada por Bengel “seu débito imortal”, Orígenes diz “É nosso dever pagar sempre, e sempre dever, esta dívida do amor”. O amor é a única obrigação que cumpre todas as outras. Realiza o fim de toda a lei (cfr. Gl 5.14). Como reforço desta exortação de amar, Paulo lembra a próxima volta de nosso Senhor. A iminência da Parousia é citada como um dos mais fortes motivos da vida cristã. Conheceis o tempo (11). É a época definida antes da segunda vinda, o período ainda a passar até que o Senhor apareça de novo, segundo a promessa (cfr. Mc 1.15; 1Co 7.29; Hb 9.9). A admoestação é para despertarmos (11), estarmos de pé, agindo e vivendo mais intensamente a vida cristã no seu amor dinâmico. O fim da “oportunidade” está próximo, cada dia mais perto. A ARA coloca a palavra “princípio” antes de cremos (11), com o que se ajusta corretamente o aoristo de um tempo definido, isto é, da conversão. O avivamento do crente com o estímulo dos sinais dos tempos resultará em três firmes deveres de uma vida mais elevada. Primeiro, revistamo-nos das armas da luz (12; cfr. 2Co 6.7; Ef 6.13; 1Ts 5.8), cuja atitude oposta é a abjuração de toda obra má, associada com a noite da ignorância. Segundo, andemos dignamente (13). O procedimento deve ser tão decente, como em pleno dia. A luz contrasta-se com as trevas, no vers. 12, e aqui é o dia que se opõe à noite, visto que a admoestação se baseia na transitoriedade da noite e a proximidade do dia do Senhor. Terceiro, revesti-vos do Senhor Jesus Cristo (14); em sentido negativo, é recusar todo incentivo ao homem inferior e suas cobiças. Cristo é aqui apresentado como a armadura completa do crente (cfr. Gl 3.27).

Índice: Romanos 1 Romanos 2 Romanos 3 Romanos 4 Romanos 5 Romanos 6 Romanos 7 Romanos 8 Romanos 9 Romanos 10 Romanos 11 Romanos 12 Romanos 13 Romanos 14 Romanos 15 Romanos 16

2 comentários:

  1. melhor observar o entendimento de outros homens de Deus sobre o assunto. Sugiro ler o comentario de Romanos 13, 1-7 do Pr Rushel Shedd

    ResponderExcluir