2019/09/19

Estudo sobre Êxodo 8

Estudo sobre Êxodo 8

Estudo sobre Êxodo 8




Êxodo 8

As pragas dos piolhos e das moscas (8.16-32)
v. 16. piolhos: a NEB traz “larvas”, enquanto outras versões preferem “mosquitos” (BJ) ou semelhantes. Se foram mosquitos, então a praga poderia ser associada a uma inundação do Nilo. Os mosquitos procriam com mais facilidade em banhados. Mas o momento e as dimensões da praga não permitem uma explicação racional, v. 19. o dedo de Deus: cf. 31.18; Lc 11.20; consegue-se espremer mais uma permissão (cf. v. 8) dos egípcios, v. 20,21. Muitos eruditos do AT consideram a quarta praga meramente um relato variante da terceira. Essa não parece ser a maneira mais satisfatória de explicar a semelhança entre as duas pragas. Será que precisamos mesmo explicar essa semelhança? v. 21. enxames de moscas: a expressão em português completa a palavra hebraica que basicamente significa ”mistura”. A praga talvez tenha consistido em diferentes tipos de insetos. A LXX diz “mosca que ataca os cães”. Estamos novamente lidando com uma característica da vida egípcia; cf. Is 7.18, em que a mosca representa o exército egípcio, v. 22. Gósen estaria a salvo dos problemas que iriam afligir os egípcios. Em virtude de sua localização na região nordeste do delta do Nilo, essa região teria escapado dos piores efeitos de quaisquer condições anormais produzidas pela inundação do rio. v. 23. Mas a distinção entre os israelitas e os egípcios não é mero resultado de eventuais condições climáticas. A maior distinção de todas, na noite da Páscoa (cf. 11.7), não vai permitir nem mesmo a aparência de uma explicação natural, distinção: o hebraico na verdade traz “redenção”, que não cabe facilmente no contexto. A NVI apresenta uma pequena emenda e deve ser seguida, v. 25. A concessão só satisfaz a exigência de Deus pela metade. O faraó não vai se arriscar a perder seus escravos permitindo que vão ao deserto para adorar, v. 26. são um sacrilégio: cf. Gn 43.32; 46.34. Moisés argumenta que o seu povo iria atrair o ódio dos egípcios, visto que o seu ritual de sacrifícios incluía a morte de animais que os egípcios consideravam sagrados. Outros estudiosos ressaltam o fato de que o conceito de sacrifício animal era conhecido pelos egípcios e sugerem que seriam o ritual e o não oferecimento dos sacrifícios a um deus egípcio que provocariam as represálias. v. 28. O rei capitula, mas depois volta atrás (v. 32).

Índice: Êxodo 1 Êxodo 2 Êxodo 3 Êxodo 4 Êxodo 5 Êxodo 6 Êxodo 7 Êxodo 8 Êxodo 9 Êxodo 10 Êxodo 11 Êxodo 12 Êxodo 13 Êxodo 14 Êxodo 15 Êxodo 16 Êxodo 17 Êxodo 18 Êxodo 19 Êxodo 20 Êxodo 21 Êxodo 22 Êxodo 23 Êxodo 24 Êxodo 25 Êxodo 26 Êxodo 27 Êxodo 28 Êxodo 29 Êxodo 30 Êxodo 31 Êxodo 32 Êxodo 33 Êxodo 34 Êxodo 35 Êxodo 36 Êxodo 37 Êxodo 38 Êxodo 39 Êxodo 40

Nenhum comentário:

Postar um comentário