2016/10/08

Números 2 — Análise Bíblica

Números 2 — Análise Bíblica

Números 2 — Análise Bíblica


Números 2

2:1-34 A ordem das tribos no arraial Quando o povo de Israel se deslocava, era acompanhado da tenda da congregação, ou seja, da presença de Deus. A tenda indicava que Deus habitava no meio do seu povo. Uma vez que ele é um Deus de ordem e tudo deve ser “feito com decência e ordem” (ICo 14:40), Deus forneceu instruções para que o arraial não se tomasse tumultuado e caótico. Devia ser organizado de tal modo que a tenda da congregação, o local que representava a presença de Deus com os israelitas, ficasse no centro (2:1-2). Sua marcha pelo deserto devia ser caracterizada pela santidade, pois Deus é santo (Lv 19:2). Mais uma vez, Deus concedeu a Israel a dádiva da adoração para conduzi-lo em sua jornada. Desse modo, o povo poderia manter seu relacionamento com o Deus santo.
Cada uma das tribos devia ocupar determinada posição em relação à tenda da congregação. As tribos de Judá, Is-sacar e Zebulom acampariam do lado leste (2:3-9); as de Rúben, Simeão e Gade acampariam do lado sul (2:10-16). A tenda da congregação e os levitas ocupariam o centro do arraial (2:17). As tribos de Efraim, Manassés e Benjamim se posicionariam a oeste da tenda da congregação (2:18-24), e as tribos de Dã, Aser e Naftali acampariam do lado norte (2:25-31).
A comunidade israelita foi dividida, portanto, em quatro grupos de três tribos, e uma tribo de cada grupo foi designada para liderá-lo. Judá era a líder do grupo do leste (2:9a); Rúben, do sul (2:16a); Efraim, do oeste (2:24); e Dã, do norte (2:31).
Quando chegasse a hora de os israelitas se deslocarem, deviam partir nessa mesma ordem. À frente, iria o grupo do leste sob a liderança de Judá (2:9b), seguido do grupo do sul, sob a liderança de Rúben (2:16ò). Em seguida, vi-riam os levitas, carregando a tenda da congregação desmontada (2:17; 1:51). Seriam seguidos pelo grupo do oeste, sob a liderança de Efraim (2:246), e o grupo do norte sob a liderança de Dã ocuparia a retaguarda (2:316).
É impressionante como um grupo de escravos fugidos do Egito se tomou uma comunidade organizada tendo Deus como seu líder e Moisés, Arão e os chefes das tribos como representantes de Deus na terra. Assim, repleto de expectativa, o povo de Israel se pôs a caminho numa jornada religiosa. Contudo, a atenção dedicada aos preparativos e à ordem dessa marcha santa sugere que Israel precisaria de coragem para enfrentar as incertezas do futuro. A organização e os procedimentos visavam dar ainda mais esperança, mas a jornada exigiría, acima de tudo, que os israelitas andassem pela fé, e não pelo que vissem (2Co 5:7).
A ordem na qual as tribos deviam marchar também é significativa. Seria de esperar que as tribos de Rúben e Simeão liderassem a marcha, pois seus fundadores eram os filhos mais velhos de Jacó e são mencionados primeiro no censo (1:20-22). Em vez disso, porém, os descendentes de Judá iriam à frente. Esse fato havia sido predito muitos anos antes na bênção de Jacó que prometeu a liderança a Judá (Gn 49:10) e afirmou que Rúben e Simeão não teriam o primeiro lugar esperado por causa de sua ordem de nascimento (Gn 43—44). Tanto o grande rei Davi quanto o Messias seriam descendentes de Judá (Rt 1:1; 4:18-21; Mt 1:1-16). Essas inversões fazem parte do conceito veterotestamentário segundo o qual Deus trabalha de maneiras misteriosas e inesperadas. Ele usa pessoas e acontecimentos incomuns para realizar seu propósito. Como Deus lembrou os israelitas, “os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos” (Is 55:8).
Mais uma vez, o capítulo termina em tom de obediência. Em 2:1, o Senhor transmite instruções a Moisés e Arão acerca dos israelitas, e o capítulo se encerra informando: Assim fizeram os filhos de Israel; conforme tudo o que o Senhor ordenara a Moisés (2:34). No AT, a obediência não consiste simplesmente em seguir um conjunto de regras. Antes, envolve fé naquele que definiu essas regras. O propósito das regras e dos mandamentos não é servir de fardo para o povo, mas, sim, servir de parâmetro para aprimorar o relacionamento com Deus. Em outras palavras, as regras são uma dádiva para tornar a vida ainda melhor. O tema predominante e recorrente é “Deus fala”. A obediência é possível porque Deus dá ordens e apresenta claramente seu propósito, a saber, garantir o sucesso de Israel em sua rimada ramo à terra prometida.


Mais: Números 1 Números 2 Números 3 Números 4 Números 5 Números 6 Números 7 Números 8 Números 9 Números 10 Números 11 Números 12 Números 13 Números 14 Números 15 Números 16 Números 17 Números 18 Números 19 Números 20 Números 21 Números 22 Números 23 Números 24 Números 25 Números 26 Números 27 Números 28 Números 29 Números 30 Números 31 Números 32 Números 33 Números 34 Números 35 Números 36

Nenhum comentário:

Postar um comentário