2016/10/08

Números 8 — Análise Bíblica

Análise Bíblica de Números 8





Números 8

Nm 8:1-26 A obediência de Arão e dos levitas. O compromisso de obedecer dizia respeito a toda a comunidade, incluindo os sacerdotes, levitas, príncipes das tribos e todos os seus representantes. Esse capítulo começa enfatizando a obediência de Arão, o sumo sacerdote, verificada em seu cuidado de colocar as sete lâmpadas no santuário para iluminá-lo conforme a instrução de Deus (8:1-3), e a obediência demonstrada na confecção do candelabro de ouro exatamente como Deus o havia descrito (8:4). Os detalhes do desenho e da confecção do candelabro de ouro foram fornecidos anteriormente (Êx 25:31-40; 37:17-24), mas sem referência às suas lâmpadas, que são mencionadas apenas aqui. Essas lâmpadas provavelmente foram acesas como parte da consagração do tabernáculo.
O restante desse capítulo trata da ordenação dos levitas como assistentes dos sacerdotes. A cerimônia que os dedicou oficialmente para realizar suas respectivas tarefas apresenta algumas semelhanças com a cerimônia prescrita para a ordenação dos sacerdotes em Levítico 8. No entanto, enquanto os sacerdotes foram santificados, os levitas foram apenas purificados (8:5-6; Lv 8:30); os sacerdotes foram lavados e ungidos, mas os levitas foram apenas aspergidos com a água da expiação (8:7a; Lv 8:6,12); os sacerdotes receberam vestes novas, mas os levitas apenas lavaram suas vestes (8:76; Lv 8:7-9,13); o óleo foi aplicado nos levitas para ungi-los, mas nesse caso, foi apenas misturado com a farinha para a oferta de manjares realizada pelos levitas (8:8; Lv 8:12,30).
O Senhor instruiu Moisés a colocar os levitas diante do tabernáculo, onde toda a congregação deveria impor as mãos sobre eles (8:9-10). Pode-se presumir que, para a realização desse ritual, representantes das outras tribos impuseram as mãos sobre todos os levitas. A imposição de mãos simbolizou o papel dos levitas como substitutos dos primogênitos de Israel (8:16-18; cf. tb. 3:11-13,40-51). A alusão aos primogênitos associa esse acontecimento diretamente à celebração da Páscoa em Números 9, lembrando os leitores do motivo pelo qual a Páscoa foi instituída e pelo qual a comunidade devia celebrá-la antes de iniciar a marcha.
Os levitas deviam ser separados para servir na tenda ia congregação como assistentes de Arão e seus filhos, isto é, dos sacerdotes (8:11,13-15,19a, 22). Mas, antes de poderem realizar essa função, era necessário oferecer um sacrifício de expiação por seus pecados (8:12). Mais adiante nesse capítulo, também se diz que outra função dos levitas era fazer expiação pelo povo de Israel (8:196). A run de compreender essa declaração, devemos esclarecer o significado de “expiação”.
No hebraico, o verbo traduzido por “expiar” significa, literalmente, “cobrir”, “espalhar algo por cima”. É usado de forma figurativa para expressar a ideia de apaziguar, aplacar ou reconciliar-se com alguém (Gn 32:20; 2Sm 21:3; Pv 16:14). Outro significado do termo é “perdoar” ou “sofrer as consequências de” (Dt 21:8; 32:43; 2Cron 30:18; Sl 65:34; 78:38; 79:9; Pv 16:6: Is 6:7: 22:14; Jr 18:23; Ez 16:63). Também pode se referir ao ato de “cobrir ou abolir algo” (Is 28:18), ou, ainda, de “realizar o ritual de expiação” (Êx 29:33.36.37; 30:10,15,16; 32:30; Lv 1:4; 4:20,26,31,35; 5:6,10,13).
O ritual de expiação para o povo culminava no Dia da Expiação (Êx 30:10). Nesse dia, também chamado em hebraico de Dia da Cobertura dos Pecados, observava-se o único jejum prescrito no AT e realizava-se um ritual complexo no qual o sumo sacerdote oferecia sacrifícios para expiar pela contaminação da casa e do povo de Deus pelo pecado (Lv 16; 23:26-32; Nm 29:7-11). É a esse ritual que o autor de Hebreus se refere quando fala de Cristo como nosso sumo sacerdote, aquele que oferece expiação por nós (Hb 9; 10). Pode-se dizer que Jesus “cobriu” os pecados do mundo.
Assim, a declaração de que os levitas deviam fazer expiação pelo povo (8:19) não deve ser interpretada como uma referência ao ritual, mas, sim, ao significado mais simples da palavra, a saber, cobrir algo. Os levitas deviam servir de “véu” entre o povo e Deus, protegendo o povo da praga que sobreviría caso indivíduos que não eram santos ou separados para o serviço de Deus tentassem servir no Lugar Santo.
Como os capítulos anteriores, o capítulo 8 termina enfatizando a obediência de Moisés, de Arão, dos levitas e de toda a comunidade ao fazer exatamente conforme Deus havia ordenado (8:20-22).
Uma vez que a harmonia seria essencial na jornada para a terra prometida, algumas regras são estabelecidas em mais detalhes, abrangendo até mesmo questões secundárias, como a idade certa para o serviço. Os levitas só podiam começar a servir na tenda da congregação a partir dos 25 anos (8:24). Supõe-se que com essa idade eram considerados maduros o suficiente para saber como se comportar e ter discernimento. Depois dos 30 anos, eram considerados aptos para realizar a tarefa solene de carregar o tabernáculo e seus utensílios (4:3). Jesus começou seu ministério com essa idade (Lc 3:23).
Os levitas encerravam seu ministério aos cinquenta anos de idade (8:25). Depois disso, podiam ajudar seus irmãos, mas não deviam mais fazer o serviço (8:26). Essa aposentadoria precoce significava que o trabalho devia ser realizado por aqueles que possuíam força e energia para fazê-lo bem. Ao mesmo tempo, os homens mais velhos se aposentavam enquanto ainda tinham vigor, tomando-se conselheiros respeitados dos levitas mais jovens.
Infelizmente, na África muitos líderes parecem pensar que, depois de assumir seu cargo, devem mantê-lo até a morte, como se ninguém mais fosse capaz de liderar ou servir a nação ou a igreja como eles. O padrão estabelecido nessa passagem de Números é muito mais salutar. Os mais velhos se aposentam do serviço ativo, mas continuam sendo considerados consultores e conselheiros sábios em razão de sua experiência, enquanto os mais jovens assumem os seus cargos. Se fosse adotada na África, tal abordagem promoveria mudanças consideráveis em nosso continente.

Mais: Números 1 Números 2 Números 3 Números 4 Números 5 Números 6 Números 7 Números 8 Números 9 Números 10 Números 11 Números 12 Números 13 Números 14 Números 15 Números 16 Números 17 Números 18 Números 19 Números 20 Números 21 Números 22 Números 23 Números 24 Números 25 Números 26 Números 27 Números 28 Números 29 Números 30 Números 31 Números 32 Números 33 Números 34 Números 35 Números 36

Nenhum comentário:

Postar um comentário