Explicação de Juízes 15



Explicação de Juízes 15

Explicação de Juízes 15

Juízes 15

15.1 Sua mulher. O tipo de casamento de Sansão era o mesmo contratado por Gideão (8.31). A mulher permanecia na casa dos pais, enquanto seu marido a visitava de vez em quando, trazendo um presente, não raro, um cabrito (cf. Gn 38.17).
15.4 Raposas. Mais provavelmente foram chacais. A palavra do original pode ser traduzia de qualquer forma. O chacal é relativamente fácil de se prender, o que não se dá com a raposa.
15.5 Molhos. O tempo da colheita do trigo, naquela região da Palestina, seria o fim do mês de maio, nos dias da festa de Pentecostes.
15.6 Queimaram. Bem mais fácil era desafogarem sua fúria sobre os timnitas do que prenderem Sansão.
15.7 Me vingar. Somente no contexto daquela guerra santa em que Deus, segundo Seu plano divino, iria separar ao Seu povo, dos idólatras, é que se pode admitir a inocência (3) de Sansão. À luz do NT, nutrir um espírito de vingança é pecado, contrário à vontade de Deus (Mt .5.31 -48;^ Rm 12.19-21).
15.8 Carnificina. É uma tentativa de traduzir a frase hebraica que reza, literalmente, ”quadril e coxa”. O significado “original nos escapa. Etã. Não aquela de 2 Cr 11.6 entre Belém e Tecoa, mas uma caverna peto de Zorá, com acesso por uma fenda com menos de um metro de largura.
15.9 Subiram. A palavra hebraica indica um avanço do exército. A reputação de Sansão já crescera em proporções astronômicas.
15.10 Por que subistes contra nós? Fica claro que os homens de Judá se tinham submetido inteiramente aos filisteus. Não queriam provocar a ira dos filisteus, que em armamentos de ferro e força bélica sobrepujavam aos israelitas campesinos.
15.12 Não me acometereis. Sansão não temia seus compatriotas; apenas não queria se desviar de seu propósito de lutar contra os filisteus.
15.16 Jumento um montão. As palavras traduzidas “jumento” e “montão” são idênticas no original, hamor, que em heb significa “animal de cor avermelhada”, o que se assemelha ao montão dos filisteus, malhados da cor de sangue. Pode ser um jogo de palavras, “Com a queixada de um jumento tornei-os em jumentos”.
15.17 Ramate-Leí. O outeiro da “queixada”.
15.18 Clamou ao Senhor. Sansão, como Elias posteriormente (1 Rs 18 e 19), revela sua humanidade fraca. Não temeu os filisteus, quando possuído pelo Espírito do Senhor; mas ficou apavorado em face da ameaça de morte pela sede. • N. Hom. “Grande Salvação” -1) Não adianta um exército para conseguir a vitória, basta uma integral submissão ao Senhor, 2) Não importa a falta dos melhores armamentos; basta uma queixada nas mãos daquele sobre quem dominar totalmente o Espírito do Senhor; 3) Não adianta a vitória contra o inimigo externo, se não formos sustentados interiormente com rios de água viva (Jo 7.37-39).
15.19 En-Hacoré. En, “fonte”; hacoré, “aquele que clamou”. O milagre tão extraordinário foi motivo de se mudar o nome do local, lembrando o fato de que a fonte aparecera em resposta à oração.
15.20 Vinte anos. A melhor sugestão acerca da data em mira seria entre 1080 e 1060 a.C. Sansão, aparentemente, não exerceu juizado, no sentido específico da palavra. Teria sido contemporâneo de outro juiz.

Explicação de Juízes 15 Explicação de Juízes 15 Reviewed by Biblioteca Bíblica on terça-feira, janeiro 10, 2017 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.