terça-feira, julho 31, 2018

Quem são os “verdadeiros adoradores” em João 4:23?

Quem são os “verdadeiros adoradores” em João 4:23?

Quem são os “verdadeiros adoradores” em João 4:23?

“Mas a hora está chegando e já está aqui! Mesmo agora, os verdadeiros adoradores estão sendo guiados pelo Espírito para adorar o Pai de acordo com a verdade. Estes são aqueles que o Pai está procurando para adorá-lo.” 

(João 4:23 em Contemporary English Version)

Em sequência do diálogo entre Jesus e a samaritana, ele identificou o que chamou de αληθινοι προσκυνηται “verdadeiros adoradores” (Jo. 4.23b). Agora, seria de imaginar, como talvez muitos pensem que o contraste entre “verdadeiros adoradores” versus “falsos adoradores” está relacionado a questões teológicas, como a levantada no versículo 22, sobre o monte onde se deveria adorar ao Pai. Talvez, hoje, transferindo para os nossos dias, pensemos que os cristãos são os verdadeiros adoradores, excluindo as demais religiões. Se formos mais a fundo, e agora pegarmos apenas o cristianismo, diremos mais ainda, diríamos então que os verdadeiros adoradores, em contraposição aos falsos, são aqueles que pertencem ao cristianismo ortodoxo, contrário ao “cristianismo deturpado” como os mórmons, os espíritas, as testemunhas de Jeová, os adventistas, etc.

Ok. Agora estamos com um grupo mais refinado. Os verdadeiros adoradores são aqueles cristãos que fazem parte do chamado cristianismo ortodoxo (main stream, se você quiser ser chique). Mas tem um outro porém. É preciso passar a navalha no chamado cristianismo ortodoxo, aquele cristianismo que aceita alguns pilares da fé cristã, como a trindade, a imortalidade da alma, a inspiração das Escrituras, etc. As características vão variar de quais os pilares, mas independente disso, a Igreja Católica está excluída do grupo dos verdadeiros adoradores.

Aprofunde-se mais!

Ficamos agora com as igrejas protestantes. Pronto, agora achamos os verdadeiros adoradores, certo? Errado. Mesmo entre os protestantes, há a divisão entre Calvinista e Arminianos. Provavelmente você já viu o circo pegar fogo entre os dois grupos, provavelmente você já viu algum post no Facebook, onde chacotas e escárnios são lançados de um para outro.

No final, voltamos a questão: Onde devemos adorar? No monte Gerezim ou no monte em Jerusalém? Em que lado devemos estar, Cristianismo ortodoxo, não ortodoxo, calvinista, arminiano? Igreja A ou Igreja B?


Eu acredito que Jesus responderia: “crê-me que a hora vem em que, nem ortodoxos, nem não-ortodoxos, nem arminianos, nem calvinistas, nem igreja A nem igreja B adorareis ao Pai”. (v. 21) Isso porque a verdadeira adoração, aquela constituída pela verdade, e expressa pelos verdadeiros adoradores, não é baseada em conceitos teológicos e filosóficos. A verdadeira adoração é aquela feita em “espírito e verdade.”

Os verdadeiros adoradores não são um grupo de pessoas específicas dentro de uma caixa rotulada. São pessoas verdadeiras, puras no coração em buscar a verdade divina. Elas não acham que têm a única verdade, elas sabem que estão em uma eterna busca por uma verdade que é tão enorme, que jamais poderemos dizem: “Está aqui. Esta é a completa verdade. A busca acabou.”

Aprofunde-se mais! 

Os verdadeiros adoradores não são pessoas que dizem uma coisa e fazem outra, que acham que estão acima do restante da humanidade pelo simples motivo delas não possuírem o mesmo sistema de crenças que você. Os verdadeiros adoradores são transparentes, ao invés de sepulcros caiados (Mateus 23:27). Os verdadeiros adoradores estão sempre abertos para analisar todas as coisas e se apegar ao que é excelente (1 Tessalonicenses 5:21). Os verdadeiros adoradores são qualquer ser humano que, com um coração honesto, puro, transparente, busca produzir em suas vidas os frutos do Espírito Santo e rejeitam as obras da carne (Gálatas 5:22-23), pois somente pelos frutos reconheceremos os verdadeiros discípulos de Cristo (Mateus 20:20). Os verdadeiros adoradores não são reconhecidos por um sistema de crenças, pois nem todo aquele que disser “senhor, senhor” entrará no reino dos céus, mas se tiverem “amor” entre eles (João 13:35).

Aprofunde-se mais!