domingo, julho 29, 2018

Significado de “nem neste monte, nem em Jerusalém” em João 4:21

Significado de “nem neste monte, nem em Jerusalém” em João 4:21

Significado de “nem neste monte, nem em Jerusalém” em João 4:21

“Jesus disse a ela: Acredite em mim, está chegando a hora em que você não vai adorar o Pai nem nesta montanha nem em Jerusalém.” 
(Contemporary English Version)

Jesus não decide nem por um lugar nem pelo outro; nem, por outro lado, pronuncia os dois errados (B. Crusius); mas agora que Seu objetivo é dar a ela a água viva, a graça divina e a verdade, Ele eleva-se ao ponto de vista mais alto do futuro, de onde desaparecem os centros e as limitações locais da verdadeira adoração de Deus; e a questão em si não surge mais, porque com o triunfo de Sua obra, toda a localização externa da adoração de Deus chega ao fim, não de fato absoluta, mas como uma barreira à liberdade do serviço externo.

O termo προσκυνήσ (“adorareis”) tal como falado à mulher, não se refere à humanidade em geral (Godet), nem aos israelitas de ambas as formas de religião (Hilgenfeld, comp. Hengstenberg), mas à conversão futura dos samaritanos, que seriam assim libertados do ritual no Monte Gerizim (que é, portanto, nomeado em primeiro lugar), mas não deveria ser levado ao ritual em Jerusalém e, portanto, ἐν Ἱεροσολ tem sido tomado com referência aos samaritanos (contra Hilgenfeld no Theol. Jahrb. 1857, p. 517; e em seu Zeitschr. 1863, p. 103). O divino ordenamento do serviço no templo foi educativo. Cristo era o seu objetivo e fim, é πλήρωσις; a moderna doutrina do restabelecimento de Jerusalém em sua grandeza é um sonho de catequese (ver Rom 11: 27, nota).

Cristo não disse que nem os samaritanos nem os judeus estavam absolutamente certos em sua preferência por um santuário local, ou local de culto sacrificial; mas ele declarou a verdade sublime de que a adoração do Pai logo se mostraria independente dos dois e de todas as limitações de lugar e cerimônia. Cada lugar seria tão sagrado e santo quanto esses santuários notáveis, quando o caráter pleno e a verdadeira natureza do objeto de adoração se tornassem plenamente conhecidos. O Pai era um nome para Deus, não desconhecido dos judeus ou gentios; mas tão sobreposto, suspeito, difamado, esquecido, que a ênfase que Jesus colocou sobre ele veio com a força de uma nova revelação da relação de Deus com o homem. O homem nasce à imagem de Deus e participa da natureza e essência do Ser Supremo, e é na verdadeira natureza de Deus e nas verdadeiras relações com os homens que ele será eventualmente adorado. Quando Cristo fala de “meu Pai”, ele se refere à especialidade de revelação da paternidade em sua própria encarnação. O Pai era apenas parcialmente conhecido em e por todas as dispensações da natureza e graça, mas ele foi especialmente revelado em toda a série prolongada de fatos e símbolos e ensinamentos proféticos que constituíam a religião de Israel; e Cristo não permitirá que esta grande revelação do Pai passe despercebida ou seja ignorada por alguém que ele ensina a ensinar. (The Pulpit Commentary: St.John Vol. I. 2004 (H. D. M. Spence-Jones, Ed.) (p. 168). Bellingham, WA: Logos Research Systems, Inc.)

“As reivindicações rivais de Gerizim e Jerusalém não são determinadas pelo Senhor, pois elas desaparecem na revelação de uma religião universal.”  (The Gospel according to St. John Introduction and notes on the Authorized version. 1908. Editado por Arthur Westcott. (B. F. Westcott & A. Westcott, Ed.) (p. 72). London: J. Murray.)

“Até agora, a adoração pública e solene de Deus foi confinada a um só lugar. Tem sido uma questão controversa se esse lugar deveria ser Jerusalém ou o Monte Gerizim. Essa controvérsia é muito menos importante do que você supunha. A antiga dispensação está prestes a passar. Os ritos especiais dos judeus devem cessar. A adoração de Deus, por tanto tempo confinada a um único lugar, deve ser celebrada em todo lugar em breve, e com tanta aceitação em um lugar como em outro. Ele não diz que não haveria adoração a Deus naquele lugar ou em Jerusalém, mas que a adoração a Deus não seria "confinada" ali. Ele seria adorado em outros lugares assim como ali.” (Albert Barnes)