2016/11/24

Romanos 10 — Comentário Evangélico

Comentário Evangélico da Bíblia






Romanos 10

Nesse capítulo, Paulo explica por que Israel, como nação, está na si­tuação espiritual presente.

I.    O motivo da rejeição (10:1-13)
Nesse capítulo, a palavra-chave é “justiça”. Os judeus queriam justi­ça, mas tentaram obtê-la da forma errada. Os judeus, como o fariseu de Mateus 23:15, gastavam energia na manutenção de um padrão justo com Deus, porém faziam suas obras em ignorância. As “pessoas reli­giosas” de hoje não são diferentes; pensam que o Senhor as aceitará por causa de suas boas obras.
A Bíblia fala de dois tipos de justiça: “justiça decorrente da lei”, que se refere à obediência à Lei; e “justiça decorrente da fé”, que é uma dádiva do Senhor para os que creem em seu Filho. O orgulho ra­cial e religioso dos judeus afastou- os da fé simples e levou-os para a religião cega; eles não se submete­ram à justiça decorrente da fé. Eles não perceberam que a Lei preparava o caminho para Cristo, e que o rei­nado dela terminou na cruz; assim, rejeitaram a Cristo e agarraram-se à Lei. Deus passou a lidar conosco fundamentado na cruz, pois Cristo morreu por nós, e não com base na Lei mosaica. Levítico 18:5 descreve a justiça decorrente da Lei, e Deuteronômio 30:12-14, a decorrente da fé.
Usou-se a passagem de Deuteronômio para mostrar que a Palavra de Deus realmente está disponível para o pecador, e que Cristo está próximo dele e pronto para salvá-lo. Os versículos 6-8 são um bom exemplo de como Paulo usa pas­sagens do Antigo Testamento que transmitem a verdade do Novo Testamento. Em Deuteronômio 30:11- 14, Moisés advertiu o povo em re­lação à desobediência à Palavra do Senhor. A fim de que não argumen­tassem que a Lei estava longe deles (principalmente no período em que Israel se espalharia entre as nações; Dt 30:1-5), Moisés lembrou-os de que não precisavam subir ao céu ou atravessar o mar para encontrar a Palavra do Senhor: ela estava na boca e no coração deles. Paulo apli­cou isso a Cristo, o Verbo Jo 1:1), e mostra que Israel não precisa fa­zer Cristo descer do céu ou subir do abismo, porque a Palavra de salva­ção está perto deles, portanto po­dem crer e ser salvos. O pecador é salvo quando confessa “Jesus como Senhor [Deus Todo-Poderoso]” e crê, no coração, que Cristo ressus­citou. A boca confessa abertamente a crença do coração. Na época de Jesus, alguns judeus não o confes­saram abertamente (Jo 12:42-43). O pecador recebe a dádiva da justiça quando recebe Cristo pela fé e con­fessa-o abertamente como prova de sua fé.
No versículo 11, Paulo cita Isa- fas 28:16 (veja Rm 9:33) mais uma vez: “Todo aquele que nele crê não será confundido”. Como os judeus pensavam que eram o único “povo escolhido”, não gostaram da ex­pressão “todo aquele”. No versícu­lo 1 3, contudo, Paulo cita Joel 2:32 a fim de provar que todo aquele que invocar Cristo é salvo — não apenas os judeus!

II.     O remédio para a rejeição (10:14-17)
Aqui, a seqüência é a seguinte: (1) enviam-se os mensageiros; (2) eles anunciam a Palavra; (3) os pecadores ouvem a Palavra; (4) os pecadores crêem na Palavra; (5) eles invocam a Cristo; (6) e são salvos! O argumento é que o pecador não é salvo à parte da Palavra de Deus, pois “a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo” (v. 1 7). No versí­culo 15, Paulo faz referência a Isaías 52:7, versículo esse que apenas terá seu cumprimento integral quan­do a nação de Israel for estabelecida em seu reino. Imagine a alegria de Israel quando receber a notícia de que seu Messias reina! Paulo aplica essa passagem em relação ao envio do evangelho da paz (paz com Deus e entre judeus e gentios; Ef 2:13- 17) ao Israel perdido hoje. Usamos Romanos 10:14-15, com frequência, como fundamento para o envio de missionários às nações gentias, aplicação indubitavelmente correta, mas aqui a idéia básica é o envio do evangelho ao Israel atual. Levamos o evangelho aos judeus por causa de Romanos 10:14-15, não de Ro­manos 1:16 (“Primeiro do judeu”). Demonstraremos nosso desejo de compartilhar o evangelho com o povo de Israel, se compartilharmos a preocupação de Paulo para com ele. Sem dúvida, a testemunha que propaga o evangelho para o perdido (gentio ou judeu) tem “formosos [...] pés” aos olhos de Deus.
Qual é a atitude de Israel hoje? A de Isaías 53:1: “Quem creu?”. Hoje, Israel continua descrente como o foi na época de Cristo Jo 12:37-38) e durante o tempo de testemunho dos apóstolos (At 1—7). No versícu­lo 18, Paulo cita Salmos 19:4 a fim de mostrar que a Palavra de Deus alcançou, até por intermédio da na­tureza, a terra toda; portanto, Israel é indesculpável.

III.     O resultado da rejeição (10:18-21)
Como resultado da rejeição de Israel, Deus virou-se para os gen­tios e, agora, recolhe entre eles um povo para o seu nome (veja At 15). No entanto, isso não de­veria surpreender os judeus, pois, em Deuteronômio 32:21, Deus prometeu usar outros povos para provocar ciúmes nos judeus e, em Isaías 65:1-2, anunciou a desobe­diência de Israel, mas também que os gentios encontrariam o Senhor e a sua salvação.
Lembre-se que o Antigo Tes­tamento promete a salvação dos gentios, mas, em momento algum ensina que judeus e gentios fariam parte de um mesmo plano ou que os crentes das duas raças seriam um em Cristo. O desígnio do An­tigo Testamento estabelecia que os gentios seriam salvos pela ascensão de Israel, isto é, seu estabelecimen­to como reino. Todavia, Israel caiu! Portanto, o que Deus faria com os gentios? Em Romanos 9—11, Paulo indica que a misericórdia estendeu- se aos gentios com a queda de Isra­el (veja 11:11). Deus encerrou todos na desobediência; assim, podia ter misericórdia para com todos por meio da graça viabilizada pelo Cal­vário (11:32).
O versículo 21, com certeza, afirma a atitude de Deus, mesmo hoje, em relação a Israel. Embora a nação tenha sido posta de lado por causa da cegueira e da descrença (2 Co 3:15—4:6; Rm 11:25), o Se­nhor anseia pelo judeu não-salvo da mesma forma que pelo gentio per­dido. Com certeza, muitos judeus que ouvem o evangelho hoje crerão em Cristo após o arrebatamento da igreja e o início do período da tribulação. Em vez de criticar os judeus por sua cegueira, devemos agrade­cer a Deus nos ter dado a Bíblia e o Salvador e ter viabilizado a salvação para os gentios, embora o tenha fei­to pela queda dos judeus!
Observe diversos pontos práticos antes de deixarmos esse capítulo:
(1) A salvação não é difícil: “Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (v. 13).
(2) É importante apresentar a Palavra de Deus ao pecador perdi­do. A Palavra condena, produz fé e leva a Cristo.
(3)  Há apenas duas “religiões” no mundo: a justiça decorrente da Lei e a decorrente da fé. Ninguém pode satisfazer a primeira, mas to­dos podem responder à segunda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário