2019/09/19

Estudo sobre Êxodo 7

Estudo sobre Êxodo 7

Estudo sobre Êxodo 7




Êxodo 7

7.1. Dou-lhe a minha autoridade (no heb., “eu o coloco por Deus”): em primeiro lugar, a comparação tem a intenção de explicar a relação funcional entre Moisés e Arão quando estivessem na presença do faraó. Mas provavelmente existe algo mais nessa expressão. O faraó era um deus para os egípcios; então, Moisés recebe a certeza de que tem autoridade divina em tudo que diz diante dos ouvidos do rei. porta-voz transmite bem a ideia do original. Há também o conceito de profecia por trás da afirmação; os oráculos proféticos estavam diretamente debaixo do controle de Deus. v. 2. A exigência agora é que os hebreus sejam completamente libertos da escravidão, v. 3. Eu, porém, farei o coração do faraó resistir, cf. comentário de 4.21. v. 4. os meus exércitos: cf. 13.18. v. 7. oitenta anos de idade. cf. At 7.23,30. v. 11. Não há nenhuma indicação da origem do poder pelo qual os magos atingem os seus resultados; pode ter sido por meio de truques manuais (cf. Stalker). A tradição judaica tinha os nomes de dois magos (cf. 2Tm 3.8).

6) O Nilo se transforma em sangue (7.14-24)
Essa é a primeira das dez pragas. O objetivo principal dos relatos das pragas é demonstrar a superioridade do Deus dos israelitas sobre todas as forças tenebrosas em ação no Egito. Explicações racionais dos principais elementos nas primeiras nove pragas são possíveis e têm talvez a vantagem de mostrar que as pragas exigem uma relação definida com as condições ecológicas do vale do Nilo. Nesse caso, o elemento miraculoso dos relatos “deve ser encontrado no tempo em que ocorreram, na sua intensidade e distribuição” (H. R. Jones, NBC, 3. ed.). Childs faz objeção às tentativas conservadoras de explicações racionais com base no fato de que “esse gênero de literatura apologética sofre da estranha anomalia de defender o ‘sobrenaturalismo’ bíblico com base em argumentos racionais”. A objeção de Childs inclui questões mais amplas do que as que podem ser tratadas neste breve comentário, mas devemos expressar a nossa discordância em relação a um ponto. E inútil atribuir a racionalização dos elementos da história das pragas ao desejo de “defender o sobrenaturalismo bíblico”. Os relatos das pragas pedem uma certa medida de explicação racional exatamente porque descrevem condições que, mesmo que com menor intensidade, existiram no vale do Nilo em uma ou outra época. v. 15. O próprio Nilo era considerado um deus, e a visita do rei poderia ter ocorrido por rotivos cerimoniais. Na época da inundação, as cerimônias de homenagem ao rio tinham uma importância especial (Cf. comentário do v. 17). v. 16. cf. 5.1. v. \1. ferirei-. o pronome se refere apropriadamente a Deus; a mensagem divina e o oráculo profético se fundem e assim se tornam indistinguíveis, e elas se transformarão em sangue-, o v. 18 mostra que uma ilusão ótica, como a que enganou os moabitas em outra ocasião (2Rs 3.22,23), não é a explicação provável, sangue não precisa ser entendido literalmente. Quando o Nilo inunda entre julho e setembro, grandes quantidades de barro vermelho são levadas rio abaixo a partir dos planaltos da Etiópia, produzindo por um período o fenômeno do “Nilo Vermelho”. Nas Admoestações de Ipuwer (provavelmente compostas no período de 2200-2050 a.C.), o sábio egípcio se queixa da revolta, da distorção de valores e da violência criminal dos seus dias. A certa altura, ele lamenta o fato de que o “o rio está cor de sangue”. Talvez isso tenha de ser interpretado à luz de outra observação: que as vítimas da violência eram lançadas no Nilo. Mesmo assim, é possível que foi a familiaridade de Ipuwer com o ”Nilo Vermelho” que sugeriu essa metáfora; ele de fato menciona um pouco antes o transbordamento do rio. v. 18. Cf. Nm 11.5 acerca da importância dos peixes na alimentação egípcia. De acordo com uma teoria, foi a presença de flagelados no rio, e não a quantidade anormal de glóbulos de barro suspensos, que causou a morte dos peixes, v. 19. O Egito era, nas palavras de um provérbio antigo, “o presente do Nilo”. Quase toda a água do país vinha do rio. nas vasilhas de madeira e nas vasilhas de pedra-, lit. “nas árvores e nas pedras”; a tradução da NVI é hipotética, mas não houve sugestão melhor até hoje. v. 22. Não somos informados acerca de como os magos obtiveram água limpa e tampouco como (cf. v. 11) eles realizaram o seu “milagre” — só é dito que foi “por meio das suas ciências ocultas”.

7) A praga das rãs (7.25—8.15)
As pragas não são apresentadas como interdependentes, mas essa possibilidade não deveria ser descartada por causa disso. Havia rãs em grande quantidade no vale do Nilo, especialmente após a inundação. As únicas outras referências a rãs no AT também são associadas à segunda praga (SL 78.45; 105.30). v. 8. Cf. Gn 20.7. Os magos egípcios não foram capazes de dispersar as rãs que eles mesmos tinham ajudado a proliferar! v. 9,10. As rãs seriam destruídas num momento predeterminado como mais um sinal da grandeza do Deus dos israelitas. Moisés proclama o poder soberano de Deus ao faraó assim como Isaías o fará séculos mais tarde ao rei Acaz (Is 7.11).

Índice: Êxodo 1 Êxodo 2 Êxodo 3 Êxodo 4 Êxodo 5 Êxodo 6 Êxodo 7 Êxodo 8 Êxodo 9 Êxodo 10 Êxodo 11 Êxodo 12 Êxodo 13 Êxodo 14 Êxodo 15 Êxodo 16 Êxodo 17 Êxodo 18 Êxodo 19 Êxodo 20 Êxodo 21 Êxodo 22 Êxodo 23 Êxodo 24 Êxodo 25 Êxodo 26 Êxodo 27 Êxodo 28 Êxodo 29 Êxodo 30 Êxodo 31 Êxodo 32 Êxodo 33 Êxodo 34 Êxodo 35 Êxodo 36 Êxodo 37 Êxodo 38 Êxodo 39 Êxodo 40

Nenhum comentário:

Postar um comentário