2019/09/02

Estudo sobre Ezequiel 17

Estudo sobre Ezequiel 17

Estudo sobre Ezequiel 17




Ezequiel 17

As duas águias e a videira em crescimento (17.1-24)
A primeira parte desse capítulo propõe uma alegoria (v. 1-10); a explicação da alegoria segue (v. 11-21), e ainda é acrescentada a promessa de um futuro melhor em termos das imagens usadas (v. 22-24). A alegoria ou parábola descreve membros dos mundos animal e vegetal se comportando como não se comportam naturalmente os animais e as plantas: as ações atribuídas a eles são as de situações da vida real que elas simbolizam. Essa situação da vida real é a política titubeante de Zedequias que conduziu à sua queda.
a) O enigma (17.1-10). v. 3. Uma grande águia: Nabucodonosor, rei da Babilônia, bem representado pelo rei dos pássaros. Líbano', a terra natal do cedro. Visto que o cedro aqui é a dinastia de Davi, o Líbano é usado metaforicamente com relação ao seu assento em Jerusalém. v. 4. arrancou o seu broto mais alto'. uma referência ao rei Joaquim (cf. 1.2), que foi levado ao exílio (597 a.C.) para uma terra de comeráantes (Babilônia; cf. 16.29), para uma cidade de mercadores (Babilônia), v. 5. apanhou um pouco de sementes da sua terra: NEB: ”tomou uma semente nativa”, i.e., Zedequias, a quem Nabucodonosor designou para governar Judá e Jerusalém no lugar de Joaquim (2Rs 24.17). junto a muita água-, numa sementeira bem irrigada, como um salgueiro'. heb. saphsaphah ocorre somente aqui, e o sentido poderia ser: “(ele fez dela) uma árvore frutífera”; a introdução de um símile de salgueiros na descrição de uma videira é inadequada. v. 6. uma videira baixa e copada-, uma referência ao status rebaixado de Zedequias como vassalo do rei da Babilônia, debaixo da videira: a NEB é melhor quando traz “debaixo dele” — debaixo da águia na alegoria, debaixo de Nabucodonosor na realidade histórica.
v. 7. outra águia grande-, o faraó, rei do Egito, Psamético II (595—589 a.C.) ou o seu sucessor Apries (589—570 a.C.), o “Hofra” de Jr 44.30. O faraó atraiu Zedequias e o afastou da sua lealdade jurada a Nabucodonosor, prometendo-lhe proteção e provisão, estendeu seus ramos: i.e., suas pequenas raízes, por meio das quais a videira obtém a sua umidade, desde o lugar onde estava plantada: i.e., desde a terra de Judá. v. 8. ela havia sido plantada: i.e., ”embora tivesse sido plantada (por Nabucodonosor) em bom solo” (como já foi dito no v. 5). v. 9. Não será desarraigada...?: o agente não é declarado, mas é, por implicação, a águia (Nabucodonosor). Não serão necessários nem braços fortes: a deposição de Zedequias não exigiria grandes esforços, v. 10. Ainda que seja transplantada: ou: “embora tenha sido (trans)plantada” (cf. v. 8). quando o vento oriental a atingir, o vento quente que sopra da Babilônia através do deserto.
b) A explanação (17.11-21). v. 12. O rei da Babilônia [...] tirou de lá o seu rei e os seus nobres: cf. 2Rs 24.11-16. v. 13. fez um tratado com um membro da família real: uma referência ao tratado de vassalo imposto por Nabucodonosor a Zedequias, que foi obrigado a jurar lealdade a ele em nome de Javé. Esse juramento pode ter sido confirmado por meio da mudança de nome (2Rs 24.17) de Matanias (“presente de Javé”) para Zedequias (“justiça de Javé”). Levou também os líderes da terra: aliás, ao levar os conselheiros mais sábios, ele involuntariamente expôs Zedequias à influência dos seus imprudentes cortesãos pró-Egito, o que levou à sua rebelião (v. 15) e ruína (v. 16). v. 15. cavalos e um grande exército: acerca de cavalos do Egito, v. Dt 17.16; lRs 10.28,29. v. 16. ele morrerá na Babilônia: cf. 12.13. v. 17. O faraó, com seu poderoso exército [...] não será de nenhuma ajuda para ele: embora o acordo de Zedequias provavelmente tenha sido feito com Psamético II, foi o seu sucessor Apries (Hofra) que enviou ajuda militar, mas a essa altura o cerco de Jerusalém já havia começado; a aproximação egípcia fez os caldeus levantarem o cerco, mas só temporariamente (Jr 37.5ss). v. 20. Estenderei sobre ele a minha rede...: praticamente uma repetição de 12.13. v. 21. Todas as sua tropas em fuga cairão à espada...: cf. 12.14; 2Rs 25.5 (Jr 52.8).
c) O cedro nobre (17.22-24). v. 22. Eu mesmo apanharei um broto...-, a imagem do cedro que representa a dinastia de Davi é retomada, mas agora não é nenhuma “grande águia”, e sim o próprio Deus de Israel quem toma a iniciativa de quebrar um broto bemdo alto e plantá-lo nos montes altos de Israel (v. 23), i.e., em Jerusalém (cf. 40.2; Is 2.2; Mq 4.1). v. 23. produzirá galhos e dará fruto-, cf. o v. 8, mas aqui não se trata de uma videira, mas do cedro viçoso, o prometido Príncipe da casa de Davi (cf. 34.23,24; 37.24,25), o “Renovo justo” de Jr 23.5,6, cujo nome “O Senhor é a Nossa Justiça” (Yahweh çidqenu) anuncia que ele vai manter a fé traída por Zedequias, que se mostrou tão infiel ao seu próprio nome. Pássaros de todo tipo se aninharão nele...-, linguagem semelhante é usada com relação à monarquia babilônica em Dn 4.12,21. Aqui o domínio mundial do reino messiânico é destacado, v. 24. Todas as árvores do campo, i.e., todos os governantes da terra e as nações que eles governam (cf. Dn 2.44; 4.25,26,32,34,35).

Índice: Ezequiel 1 Ezequiel 2 Ezequiel 3 Ezequiel 4 Ezequiel 5 Ezequiel 6 Ezequiel 7 Ezequiel 8 Ezequiel 9 Ezequiel 10 Ezequiel 11 Ezequiel 12 Ezequiel 13 Ezequiel 14 Ezequiel 15 Ezequiel 16 Ezequiel 17 Ezequiel 18 Ezequiel 19 Ezequiel 20 Ezequiel 21 Ezequiel 22 Ezequiel 23 Ezequiel 24 Ezequiel 25 Ezequiel 26 Ezequiel 27 Ezequiel 28 Ezequiel 29 Ezequiel 30 Ezequiel 31 Ezequiel 32 Ezequiel 33 Ezequiel 34 Ezequiel 35 Ezequiel 36 Ezequiel 37 Ezequiel 38 Ezequiel 39 Ezequiel 40 Ezequiel 41 Ezequiel 42 Ezequiel 43 Ezequiel 44 Ezequiel 45 Ezequiel 46 Ezequiel 47 Ezequiel 48

Nenhum comentário:

Postar um comentário