quarta-feira, agosto 08, 2018

Estudo sobre Apocalipse 22:12-19

Estudo sobre Apocalipse 22:12-19

Estudo sobre Apocalipse 22:12-19

Como ele fez no versículo 7, Jesus interrompe suas palavras de conforto para a igreja sofredora: “Eis que cedo venho!” (Verso 12). Essas palavras sempre têm uma vantagem dupla, advertindo os que não se arrependem e consolam os fiéis. Ainda assim, eles são falados aqui principalmente para confortar aqueles que acham difícil manter sua fé em um mundo iníquo. Jesus retornará em vitória e cumprirá todas as maravilhosas promessas de glória para sua igreja sofredora.

Desta vez, Jesus se identifica: “Eu sou o Alfa e o Ômega” (versículo 13). Alfa e ômega são as primeiras e últimas letras do alfabeto grego. Jesus usa esse nome para dizer que ele é o eterno e imutável Deus (1:17, 18). Este nome garante aos seus leitores que ele cumprirá suas promessas. “Minha recompensa é comigo e darei a todos segundo o que ele fez” (versículo 12). Ele virá como prometeu. Ele trará com ele todas as recompensas que ele prometeu dar aos que vencerem: “a árvore da vida” (2:7), “a coroa da vida” (2:10), “um novo nome” (2:17), “autoridade sobre as nações” (2:26), seus nomes no “livro da vida” (3:5), “o nome da cidade do meu Deus” (3:12), e “a direita sentar-se comigo no meu trono “(3:21).

Jesus recompensará a todos de acordo com “o que ele fez” (versículo 12). Isso não significa que a salvação é pelas obras. Jesus usou uma linguagem assim em sua parábola sobre as ovelhas e os bodes (Mateus 25:31–46). No último dia, Jesus apontará para as nossas boas obras para demonstrar a fé que temos em nossos corações. Seremos julgados dignos de nossa recompensa com base nas roupas brancas que Jesus nos dá (19:8). Visto que “a fé sem ações é morta” (Tiago 2:26), as boas obras dos crentes provarão que “não têm manchado suas vestes” (3:4).

Comentário: Apocalipse 1 Apocalipse 2 Apocalipse 3 Apocalipse 4 Apocalipse 5 Apocalipse 6 Apocalipse 7 Apocalipse 8 Apocalipse 9 Apocalipse 10 Apocalipse 11 Apocalipse 12 Apocalipse 13 Apocalipse 14 Apocalipse 15 Apocalipse 16 Apocalipse 17 Apocalipse 18 Apocalipse 19 Apocalipse 20 Apocalipse 21 Apocalipse 22

Jesus não deixa dúvidas de que é assim que devemos entender a base de seu julgamento final. Ele diz: “Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestes, para que tenham direito à árvore da vida” (versículo 14). Os “trapos imundos” (Isaías 64:6) da nossa própria justiça se foram. Os crentes “lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro” (7:14). Não o que eles fizeram, mas o que Jesus fez por eles dá-lhes o direito à árvore da vida (22:2, 3) e acesso à cidade santa (21: 25-27).

A bênção no versículo 14 é a sétima e última palavra de bênção em Apocalipse. O número 7 simboliza a ação amorosa das três pessoas de Deus para com aqueles que habitam os quatro cantos da terra. Esta última bênção incorpora tudo o que foi prometido pelos seis que a precederam. Esta sétima bênção promete que Deus será unido ao homem no mais alto sentido. A sétima bênção é o céu.

Nem todos, no entanto, recebem essa bênção final. Pela terceira vez desde a visão da cidade santa, lemos uma lista detalhada daqueles que serão excluídos do céu. Comum a todas as três listas são aquelas que contam mentiras: “mentirosos” (21:8), aqueles que são “enganosos” (21:27) e “todos os que amam e praticam a falsidade” (verso 15). Jesus disse que a abordagem de Satanás é caracterizada por “não se apegar à verdade” (João 8:44). Rejeitar a verdade sobre Jesus é a mentira final. A vida dos incrédulos, em certa medida, é caracterizada por esse auto-engano.

Para os judeus, “cães” significava os gentios, aqueles que eram excluídos do povo escolhido de Deus (Mateus 15:26). Em Filipenses 3:2, Paulo usou o termo de uma forma mais geral para significar descrentes: “Cuidado com aqueles cães, aqueles que praticam o mal”. É assim que João usa o termo aqui. A lista de pecadores grosseiros que segue sua menção a cães explica quem está incluído no termo. Todo mundo cuja vida desmente o evangelho de Jesus Cristo é excluído do povo escolhido de Deus.

Jesus se identifica para encorajar as igrejas a receber o Apocalipse como sua Palavra. Ele envia seu anjo. Este é o seu testemunho para as igrejas. Ele usa nomes que as igrejas associariam ao seu Salvador: “a Raiz e a descendência de Davi, e a resplandecente Estrela da Manhã” (versículo 16). Através de Jesus “todas as coisas foram feitas” (João 1:3). Assim, Jesus foi o Criador de Davi, sua raiz ou fonte. Mas quando Jesus se tornou humano, ele nasceu como descendente ou filho do mesmo Davi. Os leitores de João devem identificar aquele que fala como o Messias, o Filho de Deus e o filho de Davi. Como uma estrela da manhã brilhante anuncia a vinda de um novo dia, Jesus promete um novo céu e uma nova terra onde “o Cordeiro é a sua lâmpada” (21:23).

Os pecadores não devem ler as severas palavras de advertência de Apocalipse como algo que não seja a preocupação amorosa de um Deus misericordioso chamando-os ao arrependimento. Nesta seção de encerramento, João creditou suas palavras a Deus (versículo 6), a Jesus (versículo 16) e ao anjo que lhe mostrou a visão do céu (versículo 8).

Para as suas palavras, João agora acrescenta outro convite: “O Espírito e a noiva dizem: 'Vem!'” (Verso 17). O Espírito é o Espírito Santo. A noiva é a noiva de Cristo, os membros de sua igreja (19: 7). O convite é para aqueles que ainda não acreditam em Jesus. “Venha!” Significa deixar seus pecados e vir a Jesus com fé. Todos que ouvirem o convite amoroso de Apocalipse com os ouvidos da fé se unirão para convidar ainda outros: “Vem!” Esse é um dos grandes chamados evangélicos das Escrituras. Ela brilha com o amor universal de Deus por pessoas pecadoras. Ninguém está excluído do convite. Isso nos lembra que as terríveis advertências deste livro não excluem ninguém do perdão conquistado por Jesus. Nos assegura que o evangelho de Jesus Cristo não exclui ninguém. Aqueles que são barrados do céu se excluem recusando-se a ouvir e crer.

Jesus e sua igreja dão as boas-vindas a “quem tem sede” (verso 17), isto é, todos cujos pecados o deixam sedento por perdão. Este convite é paralelo ao de Isaías: “Vem, todos os que têm sede, vêm às águas; e tu que não tens dinheiro, vem… compra… sem dinheiro e sem custo “(Isaías 55: 1). O escritor de hinos descreveu belamente a mão receptora da fé quando escreveu: “Não levo nada na minha mão, simplesmente à tua cruz me apego” (CW 389: 3). Quando o Espírito convidativo o move, quem quiser pode “receber o dom gratuito da água da vida” (versículo 17). A ordem das palavras do grego original é semelhante ao nosso modo de falar inglês: “Leve a água da vida - grátis!” É grátis! Não há cobrança. A salvação é somente pela graça.

As advertências e promessas do Apocalipse são críticas para o destino eterno das almas. É por isso que João adverte contra mudar uma palavra. Moisés advertiu Israel sobre a lei de Deus da mesma maneira: “Não acrescentes ao que eu te ordeno e não subtrai, mas guarde os mandamentos do SENHOR, teu Deus, que eu te dou” (Deuteronômio 4: 2). O aviso de João, é claro, se aplica a como lidamos com todas as Escrituras. Procuramos compartilhar as advertências e promessas de Deus de uma maneira que “maneja corretamente a palavra da verdade” (2 Timóteo 2:15). Professores que suavizam as ameaças da lei de Deus ou trocam as promessas de salvação eterna de Deus por benefícios sociais temporais caem sob a maldição desta advertência.