quarta-feira, agosto 08, 2018

Estudo sobre Apocalipse 22:6-11

Estudo sobre Apocalipse 22:6-11

Estudo sobre Apocalipse 22:6-11

As sete visões acabaram, mas o anjo que mostrou a João a última visão magnífica da cidade santa tem mais duas mensagens importantes para João trazer aos seus leitores. Primeiro, João deve comunicar a natureza divina do que acabou de ver e escrever. “O anjo me disse: ‘Estas palavras são confiáveis e verdadeiras’” (versículo 6). Jesus havia falado essas mesmas palavras antes, do trono na nova Jerusalém (21: 5). João não sonhou com o Apocalipse. Este livro não é uma compilação de devaneios de autopiedade do exílio na ilha de Patmos.

É notável que a mesma frase, “fidedigna e verdadeira” - usada duas vezes para descrever as palavras da Revelação - também seja usada duas vezes para descrever o próprio Jesus. Quando atribuído a Jesus, o NIV traduz esta frase diferentemente: “fiel e verdadeiro” (3:14; 19:11). Mas João usa palavras gregas idênticas para Jesus e sua Palavra. Em seu evangelho, João também associou Jesus com a Palavra. Ele escreveu que no nascimento de Jesus, a Palavra de Deus encarnou: “O Verbo se fez carne e habitou entre nós” (João 1:14). Jesus explicou o que devemos entender a partir disso: “Você estuda diligentemente as Escrituras porque pensa que por elas você possui a vida eterna. Estas são as Escrituras que testificam de mim” (João 5:39).

O que João registra no Apocalipse veio de Deus e de Jesus. O anjo disse: “O Senhor, o Deus dos espíritos dos profetas, enviou o seu anjo” (versículo 6). Mais tarde, lemos: “Eu, Jesus, enviei meu anjo” (versículo 16). Jesus e o Deus dos profetas são um em essência. Ao compartilhar o trono no céu (versículo 1), eles compartilham o trabalho de colocar sua mensagem divina nos corações dos profetas.

Mais cedo, João se referiu ao Espírito Santo como “os sete espíritos” (1:4; 3:1; 4:5; 5:6), e todas as referências de João ao Espírito Santo no início do livro são plurais. Em contraste, neste último capítulo ele se refere ao Espírito Santo no singular “o Espírito” (versículo 17). Por essa razão, entendemos “os espíritos dos profetas” (versículo 6) para não se referir ao Espírito Santo, mas sim à alma e personalidade dos escritores da Bíblia. O Senhor Deus governou e guiou o espírito de João da mesma forma que liderou todos os profetas inspirados.

A doutrina da inspiração divina não é uma joia a ser armazenada nas prateleiras das bibliotecas teológicas. É um ensinamento prático que impressiona os crentes com a urgência de aplicar a Bíblia em suas vidas diárias.

A razão pela qual Deus enviou seu anjo a João foi “para mostrar aos seus servos as coisas que devem acontecer em breve” (versículo 6). A revelação é relevante. Retrata o que está acontecendo no mundo hoje e o que acontecerá em breve.

Jesus duas vezes interpõe sua voz na conversa do anjo com João para dizer quão urgente é nossa necessidade de aplicar as palavras do Apocalipse. “Eis que cedo venho!”, Diz Jesus (versículo 7). Embora o anjo estivesse falando no versículo anterior e Jesus não se identifique, sabemos que ele é quem fala aqui. Mais tarde, Jesus voltará a entrar com as mesmas palavras e se identificará como o Alfa e o Ômega (versículo 13).

Aprofunde-se mais!

Tudo o que João escreveu em Apocalipse está entre as promessas de bênção de Jesus para aqueles que leem o livro. A primeira bênção vem no início (1:3), e a última ocorre aqui: “Bem-aventurado é aquele que guarda as palavras da profecia neste livro” (versículo 7). Jesus retornará como um ladrão na noite. A morte vem sobre nós inconscientes. O arrependimento de uma pessoa por não ler a Bíblia enquanto ela teve a chance não conquistará o coração de Deus no último julgamento. Isso só aumentará a agonia de entrar na eternidade despreparada. Mas a bênção - a maior das bênçãos de todas - vem para aqueles que aprendem de Jesus a partir de sua Palavra.

João se identifica no início (1:1, 2) e no final (versículo 8) como o autor do Apocalipse. João não inventou o conteúdo deste livro. Ele apenas registrou o que ele tinha ouvido e visto (versículo 8) do anjo “que os mostrava” (versículo 8). Deus inspirou seus profetas e apóstolos com verdades tão maravilhosas que tentaram afastar a tendência natural dos leitores de duvidarem do que escreveram. Pedro argumentou: “Não seguimos histórias engenhosamente inventadas quando lhes falamos sobre o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, mas fomos testemunhas oculares de sua majestade” (2 Pedro 1:16). Paulo também atestou o fato da ressurreição, citando testemunhas oculares (1 Coríntios 15: 1-11).

João ficou tão impressionado com o que viu e ouviu que caiu aos pés do anjo para adorá-lo (versículo 8). Talvez desde que Jesus havia interrompido sua palavra de bênção, João confundiu o anjo com o Senhor. Mas o anjo o parou: “Não faça isso!” (versículo 9). O anjo colocou-se no mesmo nível de João: “Eu sou um companheiro de serviço com você” (versículo 9). Anjos e homens são criaturas de Deus. Anjos adoradores diminuem a glória de nosso Criador e Salvador. Paulo disse que aqueles que adoram os anjos “perderam a conexão com a cabeça” (Colossenses 2:19).

Deus atribui a suas criaturas diferentes papéis em relação umas às outras. Mas em relação a Deus, todos - anjos, profetas e “todos os que guardam as palavras deste livro” (versículo 9) - são irmãos. Todos são companheiros de serviço. No céu “seus servos o servirão” (versículo 3) com uma perfeita compreensão de seu papel. Na terra nós nos respeitamos pela área de serviço que Deus nos designa, mas na terra e no céu nós damos somente ao nosso Criador e Salvador a glória que pertence a ele: “Adore a Deus!” (versículo 9).

O anjo repete os temas gêmeos do iminente retorno de Jesus e a necessidade de atenção às Escrituras: “Não selem as palavras da profecia deste livro, porque o tempo está próximo” (versículo 10; também versículo 7). Mais cedo, João foi instruído a “selar” o que os sete trovões disseram (10:4). Agora ele é dito para não selar as palavras da revelação que ele recebeu. A Bíblia foi escrita para nossa salvação, não nossa curiosidade. Deus retém algumas coisas de nós para o nosso bem, e confiamos que o que ele escreveu na Bíblia “é útil para ensinar” (2 Timóteo 3:16). Muito do que Jesus fez na terra também não foi registrado no evangelho de João (João 20:30). O que ele escreveu foi “escrito para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (João 20:31). O que não encontramos em Apocalipse não deve nos afastar dos ricos tesouros que contém.

O versículo 11 apresenta as consequências para aqueles que deram sua atenção à Bíblia e aqueles que não deram. O anjo não está sugerindo que aqueles que negligenciam as Escrituras devem permanecer em sua incredulidade. Tal desejo não refletiria a vontade de Deus, “que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade” (1 Timóteo 2:4). O anjo acaba de avisar: “O tempo está próximo” (versículo 10). A configuração para o versículo 11 é depois que a hora chegou. O tempo da graça para ler as Escrituras e a aprendizagem de Jesus acabou.

Quando a morte ou o dia do julgamento marca o fim do nosso tempo de graça, é tarde demais para dar atenção à Palavra de Deus. “O homem está destinado a morrer uma vez e depois a enfrentar o julgamento” (Hebreus 9:27). O que nós somos no momento da morte ou julgamento é o que sempre seremos. Mudança e arrependimento não alterarão nosso destino eterno. Jesus disse: “Há um juiz para aquele que me rejeita e não aceita minhas palavras; aquela mesma palavra que eu falei o condenará no último dia” (João 12:48). Nosso relacionamento final com a Palavra de Jesus é o relacionamento que teremos para com ela eternamente. Que advertência convincente é essa para aqueles que desprezam os meios da graça e que encorajam aqueles que amam a Palavra de Deus!