2019/08/23

Apocalipse 8 — Explicação das Escrituras

Apocalipse — Explicação das Escrituras

Apocalipse 8 — Explicação de Apocalipse



Apocalipse 8

8.1 Silêncio no céu. Este silêncio ressalta a força dramática da visão. O sétimo selo, composta dos julgamentos prefigurados nas sete trombetas há de ser o mais importante. João fica meditando ao aguardar o resultado. Alguns dizem que a pausa é para dar oportunidade às orações e intercessões dos santos. Cerca de meia hora. Tão terríveis são os julgamentos a serem anunciados, que os próprios habitantes do céu ficam pasmados e comovidos por aquilo que vai acontecer aos ímpios. O tempo no céu não se mediria como na terra, mas João transmite em termos humanos a impressão que esta pausa lhe dá.
8.2 Sete trombetas. Anunciam com maiores detalhes os acontecimentos que precedem a segunda vinda de Cristo. Talvez devamos entender que as trombetas (as subdivisões do sétimo selo), são realmente uma retomada mais pormenorizada da narrativa dos acontecimentos do sexto selo (6.12-17). As trombetas são iguais aos ventos do cap. 7, anunciando a ira do Deus santo contra o anticristo e os seus súditos. Nesse dia todos terão que escolher entre Cristo e o anticristo.
8.3 Incenso. O incenso celestial misturado com as orações dos crentes, adiciona fragrância perante Deus. Assim é a oração oferecida no Espírito Santo (Rm 8.26-27). As orações dos santos (talvez pedindo a vinda do Reino Mt 6.10) trazem a intervenção da ira divina em antecipação da vinda de Cristo.
8.7 Saraiva e fogo: Este castigo é semelhante à sétima praga derramada sobre o Egito na época de Moisés que estragou a agricultura. As quatro primeiras trombetas trazem castigos sobre a natureza inanimada, nos quatro aspectos que se distinguia na antiguidade: a terra, o mar, as águas doces e o corpos celestiais. Atirados. Quaisquer que sejam as causas secundárias destas calamidades naturais, ressalta-se que é a soberania de Deus que enviou estas forças. Toda erva verde. I.e., dentro da área arruinada pela saraiva de fogo.
8.8 Montanha ardendo. João vê algo semelhante a um vulcão em plena erupção, explodindo, ardendo, e lançando sua lava no mar, simbolizando o julgamento divino sobre o mar. Representa as mais terríveis calamidades marítimas, cf. Sl 46.2; Is 34.3; Ez 38.20. Tomou em sangue. Na primeira praga do Êxodo do Egito, o Nilo foi transformado em sangue (Êx 7.20-21). Aqui, é a terça parte do mar.
8.10 Grande estrela. Símbolo da ira divina derramada sobre as águas potáveis, parte vitalmente necessária da terra habitável.
8.11 Absinto. Cf. Jr. 9.15; 23.15. Sugere a possibilidade de água contaminada por radioatividade mortífera.
8.13 Águia. Nesta cena cheia de pressentimentos e terror, o tríplice “Ai” da águia exprime a severidade da ira divina a ser derramada. Até este ponto na narrativa, os julgamentos tocam a natureza inanimada; agora apontam ao homem.

Índice: Apocalipse 1 Apocalipse 2 Apocalipse 3 Apocalipse 4 Apocalipse 5 Apocalipse 6 Apocalipse 7 Apocalipse 8 Apocalipse 9 Apocalipse 10 Apocalipse 11 Apocalipse 12 Apocalipse 13 Apocalipse 14 Apocalipse 15 Apocalipse 16 Apocalipse 17 Apocalipse 18 Apocalipse 19 Apocalipse 20 Apocalipse 21 Apocalipse 22

Nenhum comentário:

Postar um comentário