2019/08/24

Apocalipse 22 — Contexto Histórico Cultural

Apocalipse 22 — Contexto Histórico Cultural

 Apocalipse 22 — Contexto Histórico Cultural





 Apocalipse 22

22:6-21
Anúncios Finais
A revelação e exortação divinas poderiam andar de mãos dadas. Por exemplo, o louvor de Tobias a Deus (Tobias 13:1-18) inclui tanto uma descrição da Jerusalém final (13:9-18) quanto um chamado ao arrependimento para Israel (13:6).

22:6-7 — “Fiel e verdadeiro” pode representar uma fórmula de juramento de testemunho (cf. 3:14; 22:18; Jr 42:5), verificando a veracidade da revelação. “Deus dos espíritos de toda a carne” é um título do Antigo Testamento para Deus (Nm 16:22; 27:16) atestado em textos subsequentes judaicos (por exemplo, Jubileu; inscrições) e samaritanos; “Senhor dos espíritos” é também um título divino (Similitudes de Enoque; cf expressões semelhantes nos Manuscritos do Mar Morto). Aqui João identifica especialmente Deus com os profetas.

22:8-9 — Comentadores sobre Efésios e Colossenses frequentemente sugerem que alguns cristãos judeus na Ásia Menor tinham atribuído um papel muito proeminente aos anjos; se esse erro é de todo visível aqui, esta passagem o refuta (cf. também Ap 19:10).

22:10 — Daniel foi instruído a selar suas palavras até o tempo do fim (Dn 12:4, 9); algumas de suas visões se aplicavam somente ao futuro (Dn 8:26; 9:24; 10:14; cf. Jr 23:20; 30:24; 1 Enoque 100:6). Em contrapartida, a revelação de João deve ser entendida em sua própria geração e posteriormente (o que deve afetar como as gerações subsequentes entendem seu livro). Ao abrir documentos lacrados, veja o comentário em 5:1.

22:11 — Os justos permaneceriam, mas os iníquos continuariam em sua perversidade (Dan 12:10). A exortação de João aqui se assemelha a um convite irônico:aqueles que rejeitam as palavras de Deus o fazem, mas eles pagarão as consequências (Ezequiel 3:27; cf. Jr 44:25; Amós 4:4-5; Ec 11:9; Oráculos Sibilinos 3:57-59).

22:12 — O Antigo Testamento e o Judaísmo enfatizavam que Deus era justo e recompensava seu povo (por exemplo, Gn 15:1; Sl 18:20; 19:11; Is 49:4; 4 Esdras). Que Deus daria a cada pessoa de acordo com suas obras também era o ensino do Antigo Testamento (por exemplo, Sl 62:12; ver comentário sobre Apocalipse 20:12).

22:13 — Em três formas diferentes, este versículo atribui ao orador (Jesus em 22:12) um título divino (ver Is 41:4; 44:6; 48:12). Um dispositivo literário chamado inclusio foi usado para enquadrar uma seção do texto iniciando e terminando na mesma nota; a maior parte do Apocalipse é emoldurada pelo anúncio de que o Senhor da história é tanto Alfa e Ômega, o começo e o fim (1:8; ver comentário sobre esse versículo).

22:14 — Em vestes lavadas, compare 3:4-5 e 7:14, e veja comentário em 3:4; na árvore da vida, ver comentário em 22:2.

22:15 — “Cães” provavelmente se refere às prostitutas sexualmente imorais, especificamente impenitentes (Dt 23:17-18). Em outras partes da religião do estado do Apocalipse (na época de João, especialmente no culto imperial), combinada com a feitiçaria, os mártires cristãos; imoralidade (literal e espiritual) caracterizou o estilo de vida dos homens gentios. Veja também comentário em 21:8 e 27; cf. também Gênesis 3:24.

22:16 — “Raiz de Davi” vem do “tronco de Jessé” (pai de Davi) em Isaías 11:1 - o rebentado que brotaria do tronco da linhagem de Davi, depois que seus descendentes tivessem perdido o trono. Alguns comentaristas sugerem que “raiz” inverte a imagem, tornando-se a fonte de David. A estrela da manhã é Vênus, arauto da aurora (cf. Ap 2, 28); neste caso, o texto provavelmente também faz alusão a Números 24:17, a estrela descende de Jacó (Israel) e destina-se a reinar e esmagar os inimigos do povo de Deus. (Os Pergaminhos do Mar Morto também aplicavam Nm 24:17 a um messias conquistador.)

22:17 — O judaísmo antigo associava especialmente o espírito à profecia. Todo aquele que ouve o convite deve se juntar a ele, e o sedento pode vir e beber livremente (Is 55:1) da água de 22:1.

22:18-19 — As palavras de um pacto ou livro divinamente instituído não deveriam ser alteradas (Deuteronômio 4:2; 12:32; cf. Provérbios 30:5-6). Convênios freqüentemente incluíam maldições contra aqueles que os quebraram; os que seguiam os ídolos convidavam assim todas as maldições de Deuteronômio (29:20, 27). Tais alegações de completude ou inspiração de livros eram frequentemente feitas em épocas posteriores (por exemplo, 1 Enoque; Josefo e Carta de Aristeas fizeram essa afirmação para a LXX) para defender sua autoridade ou protegê-las contra editores posteriores interpolando suas próprias ideias - uma prática comum em livros que não foram tratados como Sagrada Escritura ou outros escritos inspirados.

22:20 — “Venha, Senhor” traduz a Marana que a oração é comum no início do cristianismo (ver comentário em 1 Coríntios 16:22), reconhecendo o reconhecimento precoce dos crentes da divindade de Jesus. Para o testemunho de testemunhas no final de um documento, ver comentário sobre João 21:24.

22:21 — Esta foi uma saudação conclusiva apropriada, muitas vezes ligada a cartas cristãs (ver comentário sobre Rm 1:7).

Nenhum comentário:

Postar um comentário