Romanos 2 — Estudo Teológico das Escrituras

Romanos 2

2:1 Em 1:18–32, Paulo declara que todas as pessoas injustas não têm desculpa. Agora ele demonstra que os hipócritas (aqueles que julgam os outros) são indesculpáveis, revelando os padrões pelos quais todos serão julgados. O julgamento será (1) de acordo com a verdade (vv. 1-5), (2) de acordo com as obras (vv. 6-11) e (3) de acordo com a luz que se tem da lei (vv. 12-16)

2:2 A verdade, conforme usada neste versículo, é diferente da verdade em 1:18, 25. Lá, ela se refere à evidência de Deus na criação; aqui se refere à verdadeira condição da humanidade.

2:4 Arrependimento significa literalmente “mudar de ideia”. Neste contexto, significa rejeitar os hábitos pecaminosos e voltar-se para Deus. Esta é a única ocorrência desta palavra em Romanos.

2:5 Ira, como usada aqui, é diferente da “ira de Deus” em 1:18. Aí a ira de Deus era sua ira presente; aqui, a palavra se refere à futura ira de Deus. A maioria considera essa ira futura como se referindo ao dia do Juízo. Assim, as pessoas que continuam em sua rebelião contra Deus estão acumulando ira para si mesmas.

2:7 De acordo com esse versículo, parece que a vida eterna pode ser ganha fazendo o bem, mas Romanos claramente ensina a justificação pela fé (3:22), mas Paulo não se contradiz. O assunto deste versículo é julgamento, não justificação. os crentes que continuam em boas obras receberão recompensas na vida por vir. Sempre que o NT fala da vida eterna como uma possessão presente, é um dom recebido pela fé (João 3:16); mas sempre que se refere à vida eterna como algo a ser recebido no futuro por aqueles que já são crentes, se refere a recompensas eternas (ver 5:21; Gal. 6:8; 1 Tim. 6:17-19; Tito 1:2; 1 Ped. 1:7). As recompensas serão baseadas em trabalhos realizados aqui na terra.

2:8 A verdade se refere à mensagem do evangelho (ver Gálatas 2:5).

2:10 Todos os crentes que fazem boas obras serão recompensados.

2:12 Aqueles sem lei são os gentios (ver v. 14). Os que estão na lei são os judeus.

2:14 por natureza fazem as coisas da lei: os gentios que não têm a lei ainda fazem coisas como honrar seus pais, o que indica que eles acreditam em uma lei moral básica (ver v. 15). Eles sabem dentro de seus corações que existe uma diferença entre o certo e o errado. Esta “lei da consciência” serve como um juiz para eles no lugar da lei de Moisés.

2:15 A Lei não está inscrita em nossos corações, mas a obra da lei está escrita em nossos corações. A Lei de Moisés foi gravada em pedra e existe uma lei moral semelhante dentro de cada pessoa.

2:16 De acordo com o evangelho que Paulo pregou, Deus julgará não apenas as ações das pessoas, mas também seus motivos ou segredos (veja 1 Coríntios 4:5).

2:17 Neste versículo, Paulo claramente se dirige aos judeus.

2:19, 20 O povo judeu a que Paulo se dirigia não apenas confiava diante de Deus (vv. 17, 18), mas se sentia superior aos outros e se considerava guias, luzes, instrutores e professores.

2:22 Aparentemente, não era incomum que seus inimigos acusassem os judeus de roubar templos. Paulo pode estar usando a frase de forma figurada como um equivalente a “ser sacrílego ou ímpio”.

2:23, 24 Paulo argumenta que esses judeus em particular, que pensavam ser guias para os cegos (v. 19), estavam na verdade quebrando suas próprias leis e desonrando a Deus (ver Mateus 15:3-9). Paulo aplica Isaías 52:5 como prova de seu ponto. Como resultado de sua hipocrisia, os próprios gentios blasfemaram de Deus.

2:25, 26 A circuncisão torna-se um ritual inútil, a menos que a pessoa desenvolva um coração obediente que está completamente submetido a Deus (ver 1 Sam. 15:22; Is. 1:11–20). Por outro lado, se um gentio estivesse guardando a lei, a circuncisão não importaria. Deus julga uma pessoa de acordo com o estado de seu coração, não de acordo com as aparências externas.

2:27 julguem vocês: esses judeus hipócritas acreditavam que escapariam do julgamento. De acordo com eles, o julgamento de Deus foi reservado para os gentios. No entanto, Paulo confrontou sua hipocrisia. Um gentio que guardasse a lei seria capaz de julgar um judeu que a violasse.

2:28, 29 Paulo pronuncia a circuncisão como sem valor (vv. 25-27). A circuncisão que é apenas externa não tem valor diante de Deus porque Deus deseja que a demonstração externa seja o sinal de uma realidade interna. O ensino de Paulo é consistente com a Lei e os profetas do AT, pois ambos proclamaram a necessidade da circuncisão interna (Deuteronômio 10:16; Jeremias 4:4). No Espírito, não na carta: A mudança de coração que Paulo descreve com a imagem da circuncisão interna é obra do Espírito Santo, não o resultado da obediência externa à lei. Na verdade, Deus condena a observância externa se não for o produto de um coração justo (ver Is. 1:10-18)

Índice: Romanos 1 Romanos 2 Romanos 3 Romanos 4 Romanos 5 Romanos 6 Romanos 7 Romanos 8 Romanos 9 Romanos 10 Romanos 11 Romanos 12 Romanos 13 Romanos 14 Romanos 15 Romanos 16