2019/09/19

Estudo sobre Êxodo 3

Estudo sobre Êxodo 3

Estudo sobre Êxodo 3



Êxodo 3
A sarça em chamas (3.1-12)
Assim como Jacó antes dele (Gn 28.10-17) e Gideão depois dele (Jz 6.11-24), Moisés julgou o seu primeiro encontro direto com Deus uma experiência desalentadora (cf. v. 6). Mas se a reação humana nessa situação era um estereótipo, o propósito divino era misericordiosamente coerente. A crítica da forma tem chamado atenção para os elementos recorrentes que fazem parte das “narrativas de chamado”, como a temos aqui e em Jz 6, Is 6 e Jr 1. v. 1. Jetro: cf. comentário de 2.18. outro lado: lit. “costa”, i.e., a oeste do ponto de observação de alguém olhando para o leste. Horebe é um nome alternativo para Sinai, provavelmente associado a uma raiz hebraica significando “refugo, desolação”, o monte de Deus: certamente preferível a “o grande monte”, embora às vezes a palavra Deus seja usada com a ideia de superlativo (cf. SL 68.15). Devemos imaginar então que o monte é descrito de forma proléptica, e não porque já fosse um lugar sagrado para alguma tribo, como a dos midianitas. v. 2. O v. 4 deixa claro que o Anjo do Senhor é o próprio Deus. A referência inicial a Anjo do Senhor também é insinuada nas histórias de Hagar e de Gideão (Gn 16.11,13; Jz 6.11,14); poderíamos usar também como comparação o encontro de Abraão com Deus em Gn 18.1,2. As vezes o anjo é identificado com Deus, como em Gn 16 e Jz ; em outras ocasiões, essa identificação é impossível (cf. Ex 33.1ss; também 23.20,21). O conceito de Anjo do Senhor provavelmente representa a forma veterotes-tamentária mais próxima da revelação cristã do Filho Divino. Numa analogia direta com o texto já citado, podemos observar como o que é afirmado sobre o Pai nos escritos do NT também pode ser afirmado sobre o Filho (cf. Jo 10.30). A chama de fogo simboliza a presença divina como em Gn 15.17 e em outros textos. Agora a solene celebração da aliança em Gn 15.18ss está chegando à sua conclusão. Fenômenos naturais e ilusões óticas estão entre as explicações racionais propostas em uma ou outra época para a “sarça em chamas”. Elas não devem ser descartadas, mas a ênfase da narrativa está no fogo como um símbolo divino. Como celebração dessa ocasião, Dt 33.16 descreve Deus como aquele “que apareceu na sarça ardente”, v. 3. O efeito e a intenção original do milagre eram conseguir a atenção de Moisés e prepará-lo para uma nova experiência. O chamado e a resposta são expressos de maneira convencional; cf. Gn 22.11; ISm 3.4. v. 5. Cf. comentário do v. 1. A terra era santa em virtude do que estava acontecendo, e não em virtude de associações anteriores (cf. o “lugar santo” de Josué, Js 5.15).
v. 6. Deus de seu pai ressalta que, embora a revelação esteja entrando numa nova fase, é o mesmo Deus que está se dando a conhecer. O v. 7 retoma 2.25. v. 8. desci: cf. comentário de 1.10. Canaâ é apresentada em termos paradisíacos que destacam o contraste entre aquela terra e o terreno difícil que encontrariam no caminho. cananeus-, um termo abrangente para denotar os semitas que viviam na Palestina, aqui aludindo provavelmente a habitantes das planícies. hititas-, um grupo tribal da Palestina não aparentado dos hititas da Anatólia que se tornaram uma potência imperial na idade do bronze tardio. (A pressuposição é que temos aqui um caso de homonímia; de outra forma, a referência só poderia ser a agrupamentos de hititas vivendo fora da sua pátria.) amorreus: propriamente aqueles cuja terra natal era Amurru, na Síria. Amorreus e cananeus são termos praticamente intercambiáveis; aqui o primeiro talvez denote habitantes da região montanhosa da Palestina, ferezeus: o termo talvez esteja associado a uma palavra hebraica que significa “vila”, heveus-, não há confirmação externa da existência desse povo. Isso não é problemático em Sl, mas com uma pequena emenda a palavra poderia ser lida em todas as suas ocorrências como “horeus” (hurritas); cf. o caso de Zibeão em Gn 36 — heveu (v. 2) ou horeu (v. 20-30)? jebuseus: o povo que ainda ocupava Jerusalém (Jebus) na época de Davi (2Sm 5.6-10). O v. 11 introduz uma série de objeções levantadas por Moisés ao tentar se livrar da responsabilidade de conduzir os israelitas para fora do Egito (cf. 4.1,10,13). v. 12. Eu estarei com voct. o uso do verbo “ser” talvez já anteveja o v. 14 e a revelação do Nome Divino, mas cp. com a mesma promessa em Jz 6.16. A prova dada só seria valorizada quando Moisés tivesse concluído a primeira etapa da ordem recebida. Nesse sentido, os sinais dados a Gideão (Jz 6.17,21) e Saul (ISm 10.1-13) eram de natureza diferente. A sua experiência de Deus superou em muito a deles.
5) O Nome Divino (3.13-22) v. 13. O pedido de Moisés é por mais do que outro título divino, como indicaria o v. 14. O nome divino revelaria algo acerca do caráter do Deus que se havia revelado a Moisés, v. 14. Antes de ser revelado o nome, uma explicação é dada. “Eu Sou o que Sou” — três palavras no original — revela e retém ao mesmo tempo. No entanto, estabelece de fato a ligação entre o nome divino Jeová/ Javé e o verbo hebraico “ser” (hãyãh/hãwãh). A tradução “Eu Serei o que Serei” também é possível e tornaria ainda mais explícita a sugestão de que o caráter de Deus seria manifesto à medida que transcorressem os eventos. Como em relação ao sinal dado no v. 12, Moisés e os israelitas estão sendo desafiados a testar a palavra e o caráter de Deus. Eu Sou não é uma tradução do nome divino, que não é mencionado antes do v. 15, mas é a primeira palavra da expressão interpretativa “Eu Sou o que Sou” anteriormente no versículo, v. 15. Senhor: essa é a forma tradicional de traduzir e representar o tetragrama, e a prática é no mínimo tão antiga quanto a LXX. O significado exato do nome é bastante debatido, embora não haja razão para duvidar da ligação com o verbo “ser” (o v. 14 dá uma explicação, e não uma tradução). As consoantes do tetragrama são Y-H-W-H; a vocalização correta não é conhecida, visto que em geral o nome não era pronunciado. A palavra ’Adõnãy (“Senhor”) era lida no lugar do tetragrama. Provavelmente a forma Yahweh (em português geralmente transliterada e pronunciada Javé) seja o mais próximo que poderemos chegar da pronúncia original. A forma tradicional Jeová não pode estar certa, pois simplesmente reflete a prática dos escribas judeus de sobrepor os sinais das vogais de 'Adõmãy às consoantes Y-H-W-H, em reconhecimento do fato de que na verdade se lia ’Adõnãy nas sinagogas, v. 18. uma caminhada de três dias pode ser um tríduo literal (cf. Gn 22.4?) ou denotar um período breve de duração indeterminada. O lugar tradicionalmente reconhecido como monte Sinai não teria sido alcançado em três dias. v. 21,22. Um povo escravizado não poderia imaginar a partida do Egito sem alguma provisão para a jornada (cf. 12.35,36). Por serem escravos, Deus estava ocupado em lhes dar a mesma provisão que teriam posteriormente os irmãos escravos dentro da comunidade de Israel (Dt 15.13; cf. v. 15).

Índice: Êxodo 1 Êxodo 2 Êxodo 3 Êxodo 4 Êxodo 5 Êxodo 6 Êxodo 7 Êxodo 8 Êxodo 9 Êxodo 10 Êxodo 11 Êxodo 12 Êxodo 13 Êxodo 14 Êxodo 15 Êxodo 16 Êxodo 17 Êxodo 18 Êxodo 19 Êxodo 20 Êxodo 21 Êxodo 22 Êxodo 23 Êxodo 24 Êxodo 25 Êxodo 26 Êxodo 27 Êxodo 28 Êxodo 29 Êxodo 30 Êxodo 31 Êxodo 32 Êxodo 33 Êxodo 34 Êxodo 35 Êxodo 36 Êxodo 37 Êxodo 38 Êxodo 39 Êxodo 40

Nenhum comentário:

Postar um comentário