2016/07/30

Estudo sobre Levítico 2

Índice: Levítico 1 Levítico 2 Levítico 3 Levítico 4 Levítico 5 Levítico 6 Levítico 7 Levítico 8 Levítico 9 Levítico 10 Levítico 11 Levítico 12 Levítico 13 Levítico 14 Levítico 15 Levítico 16 Levítico 17 Levítico 18 Levítico 19 Levítico 20 Levítico 21 Levítico 22 Levítico 23 Levítico 24 Levítico 25 Levítico 26 Levítico 27

b) As ofertas de cereal (2.1-16)
A palavra traduzida por oferta de cereal pode significar, em outros contextos, “presente” ou “tributo” (e.g., Jz 3.15; lRs 4.21). Aqui ela significa um presente para Deus a fim de garantir o favor dele. Kurtz (citado no NBD, p. 1050) observou a correspondência entre os ingredientes da oferta de cereal e a ”minhãh do Lugar Santo” — os pães da Presença, o óleo do candelabro e o incenso do altar de ouro. Embora a oferta de cereal apareça nessa seção como um sacrifício independente, com frequência era apresentada em conjunto com holocaustos e ofertas de comunhão (e.g., Nm 28.1-31).
(1)    Não assada (2.1-3). v. 1. alguém representa o hebraico nephesh, com frequência traduzido por “alma”. Muitas vezes a palavra não significa nada mais que “pessoa” e raramente reflete o conceito grego de alma. oferta de cereal, “carne” como na VA “oferta de carne”, com o significado de “alimento”, mas é agora bem inadequado para traduzir minhãh. melhor farinha\ Há apenas uma palavra no original e, por isso, é melhor omitir melhor, de acordo com a tradição judaica, a farinha era peneirada, mas não moída para se tornar “fina”, como em algumas versões (v. Snaith, NCentB). v. 2. todo o incenso estava incluído na porção memorial (v. G. R. Driver, Journal of Semitic Studies, I, 1956, p. 97-105) que era queimada no altar. v. 3. O que sobrava da oferta de cereal era propriedade dos sacerdotes, e, como parte santíssima, só poderia ser comida por eles dentro dos limites do santuário (cf. v. 10; 6.16,17).
(2)    Assada (2.4-10). v. 4.forno-, “um forno portátil ou uma panela de fogo” (BDB). ”A farinha era colocada contra a parede interior do cilindro de argila, previamente aquecido por um fogo aceso no seu interior” (Noth);
há uma ótima ilustração disso no NBD (1. ed.), p. 166). bolos feitos sem fermento', da derivação da palavra bolos, pressupõe-se que tenham sido perfurados, amassados com óleo significa mais naturalmente que o óleo era acrescentado à farinha antes do início do processo de assar. pães finos sem fermento e untados com óleo também eram aceitos, v. 5. assadeira', uma chapa plana ou uma panela feita de ferro (cf. Ez 4.3).
(3) Instruções adicionais (2.11-16). v. 11 .fermento e mel vão eram permitidos na oferta de cereal em virtude de sua tendência a fermentar. Duas palavras diferentes são traduzidas por fermento nesse versículo; para a primeira, a NEB traz “qualquer coisa que fermente”. v. 12. Mas ambos os ingredientes proibidos podiam ser apresentados como oferta dos primeiros frutos — com a condição de que não fossem queimados no altar. O mel é mencionado como parte da oferta dos primeiros frutos apresentados sob iniciativa de Ezequias (2Cr 31.5); pode ter sido um melado de uvas ou mel de abelhas. O fermento rapidamente se tornou símbolo de corrupção moral nos pensamentos rabínico e neotestamentário (cf. Mt 16.6; Lc 12.1; ICo 5.6; GI 5.9). v. 13. O sal, por outro lado, tinha o efeito de conservante, e o seu uso era exigido em ofertas de cereal. Sacrifícios de animais também eram salgados (Ez 43.24, e cf. o texto mais longo de Mc 9.49 como na VA), “refeições divinas” sendo tratadas da mesma forma que refeições comuns. Alianças firmadas por refeições sagradas temperadas com sal eram consideradas irrevogáveis (Nm 18.19; 2Cr 13.5). v. 14. A restrição de sacrifício no altar (v. 12) não se aplicava a ofertas de cereal (cf. v. 16); a expressão primeiros frutos representa uma palavra diferente da que foi traduzida de forma semelhante no v. 12 e é usada, principalmente, acerca de cereais e frutas. Os grãos de trigo seriam primeiramente tostados e depois esmagados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário